25.9.12

Por que deixei de tomar psicotrópicos (Resposta a "13")

Há anos eu tenho lutado para melhorar os CAPS. Participei ativamente de encontros da Luta Antimanicomial, onde levei críticas sobre o funcionamento dos CAPS, principalmente sobre o CAPS que eu frequentava, onde eu podia ver as falhas mais de perto.

Além de levar reclamações e sugestões a Luta Antimanicomial, eu fiscalizava o CAPS neste blog PACIENTE PSIQUIÁTRICO, que eu comecei a escrever ao ver uma intervenção altamente abusiva no CAPS. Eu coloquei minha insatisfação na publicação CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS) RUBENS CORRÊA - SEGUNDA CASA.

Como resultado, eu comecei a sofrer pressões de profissionais de saúde mental insatisfeitos com minhas críticas. E finalmente essas pressões se transformaram em AMEAÇAS. Por esse motivo eu deixei o CAPS. Por esse motivo eu deixei de tomar psicotrópicos.

Eu defendo que todo tratamento psiquiátrico deveria progredir a um tratamento sem psicotrópicos, com medicina alternativa, tipo homeopatia, psiquiatria ortomolecular, etc. Essa ideia sempre foi muito malvista pelos técnicos de saúde mental que eu encontrei. Mas de forma alguma as pessoas devem parar de tomar medicação por conta própria. Eu apenas não tive escolha.

Acho que nem preciso dizer que muitos técnicos de saúde mental são contra tratamentos alternativos simplesmente por não estar qualificados para tais tratamentos. Se houvesse uma lei obrigando o uso de tratamentos alternativos eles teriam que se qualificar ou iriam para o olho da rua.

Continua...

23.9.12

Eu sou contra internação involuntária! Thomas Szasz também era contra internação involuntária. Agora ele está morto. Jeg er mod ufrivillig indlæggelse! Thomas Szasz var mod ufrivillig indlæggelse også. Nu er han død.

Esta publicação é uma resposta a uma pessoa que pediu minha opinião sobre internação numa mistura de dinamarquês, inglês e português.

"LAURA I Have A KALDES VEN, hun lider af psykiske problemer, herunder placering. SÅDAN GØR PRA INTERNALA?"

Eu estou respondendo mais para ficar com a consciência tranquila, tendo certeza de ter feito minha parte. Eu sou contra internação involuntária, assim como Thomas Szsasz, o grande psiquiatra que morreu no último dia 8 de setembro deste ano 2012.

Estudo dinamarquês há mais de 10 anos, mas esporadicamente.



Thomas Szasz var en psykiater. Han var mod ufrivillig indlæggelse. Han døde i september 8, 2012.

Jeg er mod ufrivillig indlæggelse også. Dette er en blog om menneskerettigheder.

Tak for læsning.

(Jeg taler dansk, men bare en lille smule. Dette er et svar til en læser.)



This post is a reply to a reader that asked my opinion on hospitalization,and this person wrote in a mixture of Danish, English and Portuguese. This reader wanted to commit a friend to a mental hospital:

"LAURA I Have A KALDES VEN, hun lider af psykiske problemer, herunder placering. SÅDAN GØR PRA INTERNALA?"

I reply specially to keep my conscience at ease. I am against involuntary commitment, just like Thomas Szasz, the great psychiatrist who died the last September 8, this year 2012.

I have studied Danish for 10 years, but sporadically.

22.9.12

O Amor / Love

"O amor é como uma amizade que pegou fogo. No começo é uma chama, bem bonita, geralmente quente e feroz, mas ainda leve e piscando. Ao passo que o amor amadurece, nossos corações ficam maduros e nosso amor se torna carvão em brasa, queimando fundo e insaciável."
― Bruce Lee

Valeu, Mestre. Concordo totalmente.

Mas o que você faz quando tem uma amiga que o ajuda e é indispensável em muitas coisas e de repente você se descobre comemorando quando fica sabendo que ela está sem namorado? Daí você começa a perceber que no fundo você não quer que essa amiga seja só amiga... O que fazer nesse caso, Mestre?

“Love is like a friendship caught on fire. In the beginning a flame, very pretty, often hot and fierce, but still only light and flickering. As love grows older, our hearts mature and our love becomes as coals, deep-burning and unquenchable.”
― Bruce Lee

Thank you, Master. I totally agree.

But what do you do when there's a friend who helps you and is irreplaceable in many things and all of a sudden you find yourself celebrating when you discover that she doesn't have a date? It's only then that you realize that deep inside you don't want that friend to be just friend... What shall I do in this case, Master?

21.9.12

Retirada de medicação deve ser supervisionada por médicos (Resposta a "13")

O Dr. Peter Breggin escreveu o livro Sua droga pode ser o seu problema:
Como e Por que parar de tomar psicofármacos
(Your Drug May Be Your Problem:
How and Why to Stop Taking Psychiatric Drugs
).


Eu traduzi um artigo sobre o livro do Dr. Breggin anos atrás na publicação COMO E PORQUE PARAR DE TOMAR PSICOFÁRMACOS. Lá eu traduzi o excelente artigo de Douglas A. Smith do site www.antipsychiatry.org.

Como recebi várias indicações, decidi dar uma olhada no site Coming Off Psychiatric Medication (Traduzido, Deixando de Tomar Medicação Psiquiátrica). Lá podemos ler um fato: médicos não estão preparados para a retirada de uma medicação psiquiátrica. Se os médicos não estão preparados, muito menos os pacientes!

O problema é que medicação psiquiátrica não foi feita para curar doenças. Medicação psiquiátrica foi feita para que os pacientes as tomem para sempre! Por esse motivo que muita gente diz que as indústrias farmacêuticas que fazem psicotrópicos só visam lucros! Pois doença mental NÃO É uma doença crônica! Mas eles querem vender a ideia de que é. Não existe nenhuma doença crônica em que várias pessoas se recuperaram sem tomar medicação, como aconteceu com John Forbes Nash e Patch Adams, para citar os famosos.

Eu sempre busco colocar aqui que a Internet e os livros devem servir apenas como referência, uma busca por informação. Uma retirada de medicação deve ser feita SOMENTE com a supervisão de médicos. Por vários motivos LEGAIS. Pois somente dessa forma podemos RESPONSABILIZAR os médicos pelos seus erros.

Também coloquei várias vezes que se um paciente psiquiátrico está reclamando de efeitos contrários o médico DEVE retirar a medicação. Efeitos contrários em transtornos mentais é quando alguém adquire outros sintomas psiquiátricos. Por exemplo, alguém que começa a sentir depressão logo quando começa a tomar um psicotrópico novo obviamente precisa sair da medicação.

Visitei o site Coming Off Psychiatric Medication (Traduzido, Deixando de Tomar Medicação Psiquiátrica) e li sobre Meditação autogênica (Autogenic Meditation), de onde a gente é redirecionado a um SITE DE PSICOLOGIA. Acho que não preciso mencionar que existe uma certa disputa entre psicologia e psiquiatria. Eu não pretendo contribuir de forma alguma, a essa disputa que não beneficia ninguém.

As pessoas devem tomar medicação até ficar bem. Quando ficam bem, o processo natural é a retirada da medicação. Num transtorno mental é necessário mais do que medicação para uma pessoa ficar bem. É necessário que a pessoa seja motivada. E essa motivação deve vir principalmente de profissionais de saúde. NÃO ADIANTA TENTAR JOGAR A RESPONSABILIDADE PARA OS FAMILIARES.

(Continua...)

16.9.12

Você pode se recuperar da doença mental - Não ligue para quem diz o contrário

O procedimento médico ideal é curar doenças. Quando não possível, melhorar a qualidade de vida do paciente AO MÁXIMO.

Por exemplo, Lars Grael, o grande velejador, foi atropelado por um iate e perdeu uma perna. Ele ficou deprimido e não queria fazer mais nada. Daí apareceu um profissional de saúde para reanimá-lo. Esse profissional de saúde falou sobre outros que sofreram acidentes iguais e se recuperaram. (Lars Grael contou isso em uma palestra que eu tive o prazer de acompanhar). Dessa forma Lars Grael encontrou forças para se recuperar.

O problema é que esse incentivo para recuperação NÃO EXISTE NA MAIORIA DOS ATENDIMENTOS PSIQUIÁTRICOS, que é onde deveria existir mais.

Profissionais de saúde mental dizem aos pacientes que eles terão que tomar medicação pelo resto da vida, e que nada pode ser feito para mudar isso. E isso NÃO É VERDADE. Temos VÁRIOS CASOS de pessoas que deixaram de tomar medicação e se recuperaram. Temos exemplos de pessoas muito FAMOSAS.

Por exemplo, PATCH ADAMS, criador do Instituto Gesundheit, se recuperou da depressão e não precisou mais de medicação depois de ter tentado suicídio e ter sido internado 3 vezes. John forbes Nash, Jr. se recuperou da esquizofrenia, não precisando mais tomar medicação.

E essa medicação psiquiátrica deixa sequelas e ENCURTA A VIDA, como disse John forbes Nash, Jr. Eu me cansei de ver meus amigos morrerem cedo, cansei de ver os pais de meus amigos pacientes psiquiátricos enterrarem seus filhos.

Não estou aconselhando ninguém a deixar de tomar medicação. Estou aconselhando às pessoas a pensarem em melhorar de saúde, buscarem terapias mais naturais, como fitoterapia, homeopatia, psiquiatria ortomolecular, etc. Eu falo sobre TRATAMENTO ALTERNATIVO neste blog. E adquiram otimismo, acreditem que VÃO SE RECUPERAR SIM. VÃO SER FELIZES SIM. Vai chegar um dia que poderão deixar de tomar medicação psiquiátrica, sim.

Mas profissionais de saúde mental não falam dessas pessoas que superaram a doença mental. Não explicam para os pacientes que essas pessoas se recuperaram, apesar da gravidade de seus problemas.

Nos anos que fui atendido na psiquiatria pública, pude constatar isso. Ao ler blogs de pacientes psiquiátricos de todo mundo pude constatar isso. E essa constatação me deixou muito triste.

Profissionais de saúde mental aparentemente tentam até ESCONDER que essas pessoas se recuperaram. Talvez porque essas pessoas tiveram que se recuperar sozinhas, pois são poucos os psiquiatras que apoiam pacientes que decidem deixar de tomar medicação, e quem se recupera da doença mental GERALMENTE DECIDE PARAR DE TOMAR MEDICAÇÃO CONTRA A VONTADE DOS PSIQUIATRAS. Foi assim no caso de John Forbes Nash e Patch Adams.

E eu tentei alertar os profissionais de saúde mental que o procedimento deles estava atrapalhando mais do que ajudando. Cabe ao paciente decidir se deseja ou não continuar tomando medicação. e caso o paciente decida parar de tomar, deve receber apoio do médico e não ouvir do médico "eu lavo minhas mãos. Vou colocar no prontuário que você abandonou o tratamento."

Quando na verdade o paciente não abandona o tratamento. Apenas decide não continuar tomando a medicação, por acreditar que está se recuperando. O problema que eu denuncio é que quando o paciente toma essa decisão ele é abandonado pelos profissionais de saúde mental. Foi o que aconteceu no caso do Nash e do Patch Adams.

Alguns profissionais de saúde mental chegam ao sadismo de dizer que o otimismo que o paciente está sentindo é só um sintoma da doença. O otimismo NUNCA pode ser considerado doença. O otimismo ajuda mais que haloperidol, rivotril, lítio, etc. Foi o otimismo que ajudou Lars Grael. O mesmo otimismo que recuperou John Forbes Nash e Patch Adams.

15.9.12

Os 10 livros mais lidos do mundo e os livros favoritos dos brasileiros

foi divulgada uma lista com os 10 livros mais lidos do mundo no site SQUIDOO.

Não é surpresa que a Bíblia seja o livro mais lido do mundo, de acordo com a pesquisa. Também não surpreende que O Diário de Anne Frank esteja nesta lista. O Diário de Anne Frank ficou em 10º lugar.

O que é surpreendente é NÃO ENCONTRAR nesta lista livros de grandes escritores como Shakespeare, Dante Alighieri, Molière, Cervantes e Machado de Assis e ENCONTRAR no topo da lista livros como Harry Potter (3º), O Senhor dos Anéis (4º), O Alquimista(5º) e O Código da Vinci(6º). INACREDITÁVEL!!

O 2º livro mais lido do mundo ficou sendo Citações do Presidente Mao Tsé-Tung.

NUNCA OUVI FALAR dos livros que ficaram em 7º, 8º e 9º lugar, por isso nem vou comentar.


Veja a lista EM INGLÊS seguindo ESTE LINK.

Abaixo podemos ver uma lista com os livros preferidos dos brasileiros.

Na lista de livros favoritos dos brasileiros, "Harry Potter" está em 4º lugar. E obviamente a Bíblia está no topo da lista. Veja a lista completa abaixo.

Clique na notícia para vê-la em tamanho maior.

Jornal de 14 de junho de 2008.

-
-

14.9.12

Cartum: Reclamassões!

Esta é ótima!

Vamos tomar cuidado com o que escrevemos, hehehe!





Parece brincadeira, mas erros de português absurdos como esse de fato acontecem. Como, por exemplo, no cartaz REAL que eu fotografei e que podemos ver abaixo:
"Faço dosses caseiros". E o cartaz é bonito, hehehe!!!!


(Publicado originalmente em 1 de março de 2011.)

13.9.12

Roberta Close no "Nada Além da Verdade", com Sílvio Santos

No programa Nada Além da Verdade, Roberta Close tem que responder perguntas embaraçosas.


Adivinha qual foi a pergunta que a deixou LITERALMENTE de boca aberta...

Veja no vídeo abaixo.

12.9.12

Cartum: Assalto Poliglota

O ladrão moderno sabe assaltar em várias línguas. Veja o cartum do Nani!

-
-

11.9.12

John Nash fala sobre paranoia: "é como se eu estivesse num sonho"

O delírio mental é como se eu estivesse num sonho. Bem, eu sabia onde eu estava. (No hospital psiquiátrico.) Eu estava lá em observação. Mas eu chegava a pensar que eu era vítima de uma conspiração.

Os delírios muitas vezes têm uma qualidade cósmica. Um sentimento de revelação. Tudo o que acontece ao seu redor tem uma enorme importância.

Na loucura eu me vi como uma espécie de mensageiro, com uma função especial. Como, por exemplo, Maomé, o mensageiro de Alá no Islamismo.

Alguém que o visitou no hospital perguntou-lhe: "Como pode você, um matemático, alguém que está comprometido com a racionalidade... como você poderia acreditar que alienígenas do espaço estavam se comunicando com você?
A resposta de Nash foi: "essas ideias vieram a mim da mesma forma que minhas ideias matemáticas vieram, por isso eu acreditei nelas."


Excerto do documentário sobre a vida de John Nash, A BRILLIANT MADNESS. Veja o vídeo do excerto abaixo e mais embaixo veja a TRANSCRIÇÃO em inglês.




Transcription:
The delusional state of mind is like during a dream. Well, I knew where I was. (In the mental hospital.) I was there on observation. But I was able to think that I was like a victim of a conspiracy.

The delusions have often a cosmic quality. A feeling of ominousness. Everything that happens around you takes a tremendous significance.

In madness I saw myself as some sort of messenger, having special function. Like the Muslim concept with Muhammad the messenger of Allah.

Someone who visited him in hospital asked him, "how could you, a mathematician, someone who is committed to rationality... how could you believe that aliens from outer space were communicating with you?
Nash's response was, "these ideas came to me the same way my mathematical ideas did, so I believed them."

10.9.12

Projeto Escolas de Informática em instituições psiquiátricas

O projeto do Sistema Municipal de Saúde e Defesa civil do Rio de Janeiro (SMSDC) em parceria com o comitê para Democratização da Informática disponibiliza cursos de informática gratuitos dentro de instituições psiquiátricas ou nas proximidades.

Usuários dos serviços de saúde mental podem fazer os cursos. E quem dá aulas são usuários de saúde mental. Os cursos também estão aberto para pessoas da comunidade.

Os cursos acontecem através das seguintes instituições:
Instituto Philippe Pinel - Botafogo
Nise da Silveira - Engenho de Dentro
CAPS Lima Barreto - Bangu / Padre Miguel
CAPS Rubens Corrêa - Irajá
CAPS Pedro Pelegrino - Campo Grande
CAPS Simão Bacamarte - Santa Cruz

As escolas de informática que existiam nos CAPS Profeta Gentileza de Inhoaíba e CAPS Ernesto Nazareth da Ilha do Governador foram fechadas. Porém, para substituí-las ficou acordado que novas escolas abririam no CAPS Pedro Pelegrino (Campo Grande) e no CAPS Mané Garrincha (Maracanã). Infelizmente o CAPS Mané Garrincha por enquanto não tem sala disponível para que haja os cursos de informática, mas isso deve ser arranjado logo. (Espero.)

Outro problema é que ainda são necessários 2 educadores para dar aulas, lembrando que os educadores devem ser usuários de saúde mental.

Nota final o CAPS Mané Garrincha (Maracanã) conta com a Parceria do CAPS UERJ)

essas foram as informações que obtive com a gestora do projeto.

6.9.12

Cartum: Previsão de Chuva

Eu tinha publiquei este cartum pela primeira vez em 5 de janeiro de 2011.

Naquele ano, em janeiro houve muita chuva e infelizmente nenhuma providência foi tomada.

Será que em janeiro de 2013 os governantes já terão aprenderam a se preocupar com a situação dos pobres antes das tragédias acontecerem?

Vamos torcer para que sim.


-
-

5.9.12

VIAJANDO AO PASSADO 2

Para sentir as sensações de uma viagem ao passado, em minha adolescência, criei a história Apostando no tempo.

Nessa história, coloquei jogos de futebol que realmente aconteceram.

Já imaginou poder voltar ao passado e ver grandes partidas de futebol?

Ou melhor ainda: ver peças de Molière, interpretadas por ele mesmo!





Veja a Primeira Parte da história em quadrinhos Apostando no tempo clicando AQUI.



(Publicado originalmente em 4 de janeiro de 2012.)

4.9.12

É possível viajar ao futuro?

Einstein acreditava que a velocidade da luz seria a resposta para viajar ao futuro... (Veja a publicação Travel into future - Viagem ao futuro - É possível? Is it possible?, neste site.) com todo respeito ao grande cientista, não vejo a menor possibilidade disso acontecer, simplesmente porque o futuro NÃO EXISTE enquanto não o vivemos.

Ou seja, sequer podemos ter certeza de que haverá amanhã. O futuro é uma possibilidade, um talvez. Não podemos viajar a uma possibilidade.

Mas viajar ao passado é possível, a meu ver. Pois o passado já aconteceu...

Eu sempre sonhei em viajar ao passado. E sempre vi que isso É POSSÍVEL. Por isso que, em minha adolescência, fiz a história abaixo.

VIAJANDO AO PASSADO 1

(Clique nas imagens para aumentar o tamanho.)







A história continua na publicação seguinte...

Siga o link: VIAJANDO AO PASSADO 2

(Publicado pela primeira vez em 3 de janeiro de 2012.)

3.9.12

John Nash fala sobre psicotrópicos / medicação psiquiátrica

"Eu acho que dão muito crédito às drogas (psicotrópicos). Todas as drogas (psicotrópicos) ainda continuam a ter alguns efeitos colaterais ruins.

algumas vezes eu parava de tomar drogas (psicotrópicos!) e eu não seguia nenhum regime. Então, eu não sei. Eu tive sorte de ter saído da doença mental completamente, mas certamente nos últimos anos eu não tomei drogas.

Eu não tive os piores efeitos colaterais, alguns dos efeitos secundários, a longo prazo. Hoje em dia eles têm drogas que são consideradas melhores. Mas um dos ângulos é que é mais ou menos considerado aceitável usar drogas para a esquizofrenia.

Mas as pessoas ficam com muito sono e engordam muito. Mas isto é considerado aceitável. Mas não é tão bom engordar muito durante um longo período de tempo. Depois, há efeitos à saúde. Assim, pode-se dizer que a vida desta pessoa será realmente encurtada por causa dos problemas cardíacos, as consequências cardiovasculares por causa do excesso de peso."

Fonte: PBS

Observação: John Forbes Nash, Jr. conquistou bacharelado e mestrado em matemática aos vinte anos de idade. John Nash começou a sofrer com doença mental após completar trinta anos, quando sua esposa ficou grávida. Aos trinta e um anos foi internado e diagnosticado como esquizofrênico paranoico. Contratou advogados para sair do hospício e só tomava psicotrópicos porque era forçado.

A sua vida foi por água abaixo desde então. Ele ficou desempregado, sua esposa Alicia Lopez-Harrison de Lardé pediu divórcio... ele só começou a se recuperar quando decidiu se recusar totalmente a tomar drogas, em 1970. Assim, em 1994 ele ganhou o Prêmio Nobel, e em 2001 ele conseguiu voltar a se casar com sua esposa Alicia.

Esse tipo de informação, evidentemente, eles não mostraram no filme UMA MENTE BRILHANTE. A propósito, quem não viu o filme poderá vê-lo no YouTube. Basta clicar AQUI.
Veja O QUANTO ANTES, pois não sei por quanto tempo UMA MENTE BRILHANTE estará disponível lá.



"The drugs I think can be overrated. All of the drugs now continue to have some bad side effects.

There would be times in between when I would stop taking drugs and I would not immediately go under any regimen. So I don't know. I am lucky to have come out of mental illness at all, but certainly in the later years I had no drugs.

I didn't have the worst side effects, some of the long-term side effects. Nowadays they have drugs that are considered better. But one of the angles is it's considered more or less acceptable if a drug can be used for schizophrenia. But the people get very sleepy and they gain a lot of weight. But this is considered acceptable. But it's not so good if you gain a lot of weight over a long time period. Then there are many health effects. So you can say that this person's life is really going to be shortened because of all the cardiac, cardiovascular consequences of being overweight."

Source: PBS

Note: John Forbes Nash, Jr., was graduated in 1948 with bachelor's and master's degrees in mathematics, when he was only twenty years old.

John Nash began to suffer from mental illness after completing thirty years, when his wife became pregnant. At thirty one years he was hospitalized and diagnosed as a paranoid schizophrenic. He hired lawyers to leave the lunatic asylum and took psychotropic medication only because it was forced on him.

His life went downhill since then. He was unemployed, his wife Alicia Lopez-Harrison Lardé filed for divorce... he only began to recover fully when he decided to refuse to take drugs in 1970. In 1994 he won the Nobel Prize, and in 2001 he was able to remarry his wife Alicia.

They evidently didn't show this kind of information in the movie A BEAUTIFUL MIND. By the by, whoever haven't seen the movie will be able to watch it on YouTube. All you have to do is click HERE.

Do it RIGHT AWAY, for I don't know how long A BEAUTIFUL MIND will be available there.

2.9.12

O objetivo dos CAPS é substituir hospitais psiquiátricos (Resposta a Hilana)

Com a reforma psiquiátrica, os CAPS chegaram para substituir os hospitais psiquiátricos. Internação só deve acontecer como último recurso.

HILANA, da Baixada Fluminense, diz que a mãe está com sintomas psicóticos. Levá-la para ser atendida no CAPS é boa solução, pois apenas sintomas não é caso para internação.

Mas é importante ficar atento às fragilidades dos CAPS, e à fragilidade do sistema. O objetivo original do CAPS seria reinserir na vida, mas infelizmente dificilmente essa inserção acontece.

Uma das principais falhas dos CAPS é a ESTAGNAÇÃO. Muitos pacientes veem o local como uma prisão, pois ficam sem fazer nada na maior parte do tempo, e são pressionados a ir ao CAPS todos os dias. Isso vira um círculo vicioso.

O CAPS deveria focar mais nas pessoas que frequentam diariamente, ajudá-las a obter autonomia e cidadania. Mas isso não acontece.

Eles dão prioridade a atendimentos ambulatoriais. Portanto a dica é: NÃO ACEITE que seu familiar passe o dia no CAPS. Apenas aceite fazer atendimento e voltar para casa na hora. As pessoas ficam largadas lá a maior parte do tempo. E CORREM O RISCO DE SOFRER ABUSOS. (Eu já vi coisas horríveis no CAPS.)

Isso é péssimo para as pessoas, pois os CAPS estão cada vez mais se afastando da comunidade. Passar o dia no CAPS é a mesma coisa que passar o dia internado no hospício.

Por isso, no decorrer dos anos, eu tenho lutado para trazer cursos de ONGS para dentro dos CAPS, cursos que aceitem pacientes psiquiátricos e pessoas da comunidade. Pois quando a comunidade entra no CAPS, o paciente deixa de ver o local como um manicômio.

Infelizmente muitos profissionais de saúde mental não são a favor de que a comunidade entre nos CAPS. É que eles nunca tiveram que passar um dia no CAPS como paciente psiquiátrico.

Veja a relação dos CAPS do Estado do Rio de Janeiro (exceto o município do Rio.) CLICANDO AQUI.
-
-

1.9.12

Como amo - The way I love (O que Pablo Neruda quis dizer - Que Pablo Neruda quiso decir - What Pablo Neruda meant)

Soneto XVII de Pablo Neruda

No te amo como si fueras rosa de sal, topacio
o flecha de claveles que propagan el fuego:
te amo como se aman ciertas cosas oscuras,
secretamente, entre la sombra y el alma.

Te amo como la planta que no florece y lleva
dentro de sí, escondida, la luz de aquellas flores,
y gracias a tu amor vive oscuro en mi cuerpo
el apretado aroma que ascendió de la tierra.

Te amo sin saber cómo, ni cuándo, ni de dónde,
te amo directamente sin problemas ni orgullo:
así te amo porque no sé amar de otra manera,

sino así de este modo en que no soy ni eres,
tan cerca que tu mano sobre mi pecho es mía,
tan cerca que se cierran tus ojos con mi sueño.





Soneto XVII de Pablo Neruda

Não te amo como se fosses rosa de sal, topázio
ou flecha de cravos que propagam o fogo:
te amo como se amam certas coisas obscuras,
secretamente, entre a sombra e a alma.

Te amo como a planta que não floresce e leva
dentro de si, oculta, a luz daquelas flores,
e graças a teu amor vive escuro em meu corpo
o apertado aroma que ascendeu da terra.

Te amo sem saber como, nem quando, nem onde,
te amo diretamente sem problemas nem orgulho:
assim te amo porque não sei amar de outra maneira,

senão assim deste modo em que não sou nem és
tão perto que a tua mão sobre meu peito é minha
tão perto que se fecham teus olhos com meu sono.


Sonnet XVII by Pablo Neruda

I do not love you as if you were a salt rose, or topaz,
or the arrow of carnations the fire shoots off.
I love you as certain dark things are to be loved,
in secret, between the shadow and the soul.

I love you as the plant that never blooms
but carries in itself the light of hidden flowers;
thanks to your love a certain solid fragrance,
risen from the earth, lives darkly in my body.

I love you without knowing how, or when, or from where.
I love you straightforwardly, without complexities or pride;
so I love you because I know no other way

than this: where "I" does not exist, nor "you",
so close that your hand on my chest is my hand,
so close that your eyes close as I fall asleep.

Translation by Stephen Tapscott

I'm not trying to show off, nor look smart when I say that I know exactly what Pablo Neruda meant in that sonnet.

Right in the beginning he says that he does not love for the beauty, but he loves in secret. Hence you can figure out the rest of the poem and its core.

He loves, but he doesn't even know why. Because the person he loves isn't the most beautiful, not even the brightest, neither more special. He just loves. He can't see no reason to be proud of loving this person, but he knows that he loves her more than any other person loves her. He loves as if he and the person were but one.

Nevertheless, he loves in secret, for certain things must be loved in secret. Because he knows it'd better not say directly to this person that he loves her.

I have no doubt that this is the meaning of this sonnet. This because I love in the same way. I have loved this same person for years, but sincerely, I wouldn't tell her. Why? Because I love her. And sincerely I don't know if it'd be better for her to know that I love her this way.


Pode parecer que estou me gabando, mas entendo perfeitamente o que Pablo Neruda quis dizer neste soneto.

Já nos dois primeiros quartetos ele diz que ele não ama pela beleza, mas ama em segredo. Daí dá para entender os dois tercetos finais e o âmago do poema.

Ele ama, mas nem sabe porque. Pois a pessoa que ele ama não é mais bonita, nem mais inteligente, nem nada especial. Ele apenas ama. Ele não vê nenhum motivo para se orgulhar de amar essa pessoa, mas sabe que a ama mais do que qualquer outra pessoa a ama. Ele ama como se ele e essa pessoa fossem um só.

No entanto, ele ama em segredo, pois certas coisas devem ser amadas em segredo. Pois ele sabe que é melhor não dizer diretamente para essa pessoa que ele a ama.

Não tenho a menor dúvida de que esse é o significado do soneto. Isso porque eu amo da mesma forma. Tenho amado essa mesma pessoa por anos, mas sinceramente, não diria. Por quê? Porque eu a amo. E sinceramente não sei se seria melhor para ela saber que eu a amo dessa forma.



No estoy siendo presumido, ni tratando de parecer inteligente cuando digo que sé exactamente lo que quería decir Pablo Neruda en ese soneto.

Justo en el comienzo, dice que él no ama por la belleza, pero que ama en secreto. Por lo tanto usted puede imaginar el resto del poema y su núcleo.

Él ama, pero él ni siquiera sabe por qué. Debido a que la persona que ama no es la más hermosa, ni siquiera la más brillante, ni más especial. Él sólo ama. No puede ver ninguna razón para estar orgulloso de amar a esta persona, pero sabe que él la ama más que cualquier otra persona que la ama. Ama como si él y la persona no fueran más que uno.

Sin embargo, él ama en secreto, pues ciertas cosas deben ser amadas en secreto. Porque él sabe que es mejor no decir directamente a esta persona que la ama.

No tengo ninguna duda de que este es el significado de este soneto. Esto porque amo de la misma manera. Me ha encantado esta misma persona durante años, pero sinceramente, no la diría. ¿Por qué? Porque la quiero. Y sinceramente no sé si sería mejor para ella saber que la quiero de esta manera.