28.5.14

Cidadão destituído de direitos quando se torna paciente psiquiátrico - Ações para recuperar direitos

Enfim, meu tio paciente psiquiátrico foi destituído de todos direitos, e isso acontece com vários pacientes psiquiátricos. Para defender os direitos desses pacientes psiquiátricos que eu sigo caminhando. Eu estou cansado, super exausto e mal aguento a chegada de novos dias, mas ainda assim devo perseguir meus projetos pela dignidade.

Dentre meus projetos está pagar à minha mãe pelo tempo que eu passei na casa dela. Eu não pretendo ganhar muito dinheiro, mas acho que todos os filhos deveriam buscar pagar de volta aos pais, não apenas usar os pais para tomar conta dos netos.

Quando eu disse que estou cansado, não foi uma figura de linguagem. De fato, eu estou muito cansado, fui mordido por um inseto a noite passada e não consegui dormir. Espero que hoje eu consiga dormir em paz. Eu durmo em dois farrapos de colchões velhos, e infelizmente, como os colchões estão totalmente rasgados, fica fácil para insetos se esconderem no meio.

Esta publicação está incompleta, mas eu não aguento mais, vou ver se consigo dormir hoje, pois não é a primeira vez que esses bichos atacam.

CONTINUA

A repressão das famílias de pacientes psiquiátricos (2)

O objetivo principal que me leva a escrever esse blog é a defesa dos Direitos Humanos. E, infelizmente, ainda serão necessárias muitas mudanças para que os Direitos Humanos sejam garantidos aos pacientes psiquiátricos.

Infelizmente, repressões e preconceitos das próprias famílias de pacientes psiquiátricos afastam mais ainda os Direitos Humanos dos pacientes psiquiátricos. Como eu disse anteriormente, meu tio Neném era paciente psiquiátrico quando eu era menor de idade, e um irmão dele tomava conta do dinheiro da aposentadoria dele, e esse irmão de meu tio Neném não trabalhava e vivia do dinheiro de meu tio Neném. O único que se indignava com isso era o meu falecido irmão Bebeto, o único de meus irmãos que tinha algum código de honra, como eu já tinha dito.

Meu tio Neném morreu no manicômio no dia 28 de maio de 1993. Quando eu comentei com um outro irmão sobre a morte horrível de meu tio, no manicômio. Esse meu irmão disse, para o meu espanto:
"Ele morreu porque já estava velho."
Se ele morreu de causas naturais, não seria MAIS HUMANO que ele fosse antes mandado para um hospital geral, em vez de um manicômio?
Só digo uma coisa para esse meu irmão:
Você deveria ser jogado num manicômio quando ficasse velho, para morrer lá; talvez ao presenciar o terror do manicômio você vire homem, e volte homem na próxima vida. O seu tio morreu num manicômio mas sua avó e sua mãe ficaram vivas e você fala uma tolice dessas. Mesmo se você morresse no manicômio como o meu tio, você ainda NUNCA teria noção do sofrimento de meu tio. Você teve acesso a direitos que foram negados ao meu tio.

Ao meu tio Neném não foi negado apenas o direito de usufruir de seu próprio dinheiro para ter uma casa, não foi negado apenas uma parte do quintal, que todos os irmãos dele tiveram uma parte, mas foi negado mais do que isso:
Foi negado não apenas o direito de casar, mas foi negado até o direito de investir emocionalmente num relacionamento amoroso, não daria nem para tentar, pois como ele ia paquerar uma mulher se sequer tinha direito de mexer no próprio dinheiro? Como que ele ia poder investir na constituição de sua própria família se não lhe deixavam sequer manusear seu próprio dinheiro?

22.5.14

Amamentação X Pornografia

A especialista em amamentação, Melissa Kotlen Nagin, explica que é possível amamentar bebês adotados, no vídeo abaixo.

O vídeo está em inglês, portanto veja a tradução em português, e veja o vídeo em inglês no final da publicação, na parte em inglês.

"Talvez muitos não saibam, mas é totalmente possível amamentar um bebê adotado. Mesmo se você nunca tenha tido filhos antes e que seu corpo nunca tenha sinalizado que você fosse produzir leite, nós podemos treinar seu corpo para isso. Quando encontramos mães adotivas que querem amamentar, nós iniciamos um regime com uso regular de bomba tira-leite e nós passamos todas as ervas naturais que nós usamos em mães que têm pouco leite materno. Nós recomendamos que bebam bastante água, nós damos feno-grego, nós damos um chá para produzir leite materno, mas a bomba tira-leite deve ser usada a cada três horas durante o dia, para fazer com que os corpos delas comecem a pensar que precisam produzir leite."

Realmente, o corpo da mulher é algo fascinante.

Poucas pessoas sabem, mas em alguns filmes pornográficos, aparecem mulheres que soltam leite dos seios, pois essa é uma fantasia de muitos homens que tem fetiche por seios lactantes.

Na postagem Pornô e suas fantasias, às vezes, perigosas..., ao escrever sobre a indústria pornográfica, eu mencionei que os filmes pornográficos buscam mostrar fantasias que não podemos ver no dia-a-dia, pois são fantasias! A indústria pornográfica conta com uma equipe treinada para preparar certas fantasias. Há profissionais que ajudam a preparar os corpos das atrizes e dos atores para isso. Uma fantasia difícil na vida real! Como eu disse, pornô é para divertir as pessoas, estimular a imaginação, mas é importante sabermos que NÃO É REAL.

Um vídeo pornográfico que mostra uma mulher tirando leite é Stella Fox Plays With Lactating Tits, mas obviamente eu não coloco link de vídeos pornográficos aqui.

Veja abaixo o vídeo em inglês da especialista em amamentação Melissa Kotlen Nagin, e mais abaixo veja a transcrição do início do vídeo.




"Although many might not know this it is entirely possible to breastfeed an adopted baby. Even if you've never given birth before and there have been no signal sent to your body that you should start producing milk we can easily train your body to do that. With adoptive mothers once we find out that they want to breastfeed we start working on a regimen of pumping regularly and we do all the herbal remedies that we would do for low milk supply. We have them drinking plenty of water, we start some fenugreek, we have them drinking mother's milk tea, but the pumping we have to do every three hours during the day to start tricking their body into thinking that they need to produce milk."

21.5.14

Vícios hereditários

Doença mental não é hereditária, mas os vícios das famílias são. Vários vícios de uma geração da família foram repetidos pela geração seguinte:
Meus irmãos contraíam dívidas e mesmo depois de mudarem de casa, cobranças continuavam chegando para a minha vó. Um sobrinho nosso herdou o mau vício de meus irmãos, e endividou-se, e até hoje vem cartas para a casa de minha mãe de cobranças de lojas e empresas que levaram calote dele.

O nosso tio Neném não tinha emprego, mas recebia uma aposentadoria por invalidez e trabalhava na barraca da vovó. Essa aposentadoria por invalidez sustentava o meu outro tio, que não trabalhava. O meu outro tio controlava o dinheiro de nosso tio Neném. Quando eu fui internado, um de meus irmãos tentou me aposentar duas vezes. A primeira vez o perito percebeu que era um golpe de um familiar desonesto e recusou a aposentadoria. A outra vez que esse meu irmão tentou me aposentar foi recentemente, quando eu saí de minhas últimas internações. Ele estava trabalhando. Aí de repente ele arrumou uma desculpa para deixar a casa dele e vir para a casa de minha mãe, onde eu moro. Quando eu dizia que eu ia fazer um trabalho em casa, ele era contra, e para evitar de ter que brigar e causar aborrecimentos a minha mãe eu tive que deixar meu projeto de lado. Depois ele largou o emprego dele e começou a me fazer pressão para que eu me aposentasse... acho que ficou claro que o plano dele ao largar o emprego, era que eu me aposentasse e que ele pudesse viver dessa aposentadoria, como nosso tio fez...

Nisso, eu pude perceber que OS VÍCIOS dos familiares se repetiam. Os mais novos herdavam os maus hábitos dos mais antigos. Isso se repetiu também no abuso sexual:
Meu avô cometia abuso sexual em suas filhas e depois meus irmãos também cometeram abusos sexuais.

E eu também percebi que a cada nova geração os vícios se tornavam mais graves, mais sérios, mais persistentes que na geração anterior. Enquanto que meu avô abusava sexualmente das filhas, o meu irmão abusava de irmãos menores, mas depois passou para um nível ainda mais grave que o de meu avô: passou a estuprar meninas, o que acarretou em sua prisão, quando finalmente foi pego em flagrante, no ato.

Não me restou dúvidas:
A família deve se ESFORÇAR para evitar que os vícios se repitam nas gerações seguintes, consciente que, infelizmente, um vício que continua tende apenas a piorar, então cabe a família se conscientizar desses vícios, e discuti-los para evitar que se repitam em futuras gerações.

Eu fico com arrepios só de pensar:
Se meu avô estuprava as próprias filhas, meu irmão abusava de irmãos menores do mesmo sexo e depois passou a estuprar meninas do sexo oposto, o que os filhos de meus irmãos poderiam fazer se não houver consciência da existência desse mau hábito PROGRESSIVO na família? Se um irmão meu chegou a ser preso por estupro, o que os filhos e netos desses meus irmãos poderiam chegar a fazer se não houver conscientização? Sinceramente, eu tenho medo de eles se tornarem criminosos como o maníaco do parque ou o Jack estripador, o nível mais baixo do estuprador.

20.5.14

A repressão das famílias de pacientes psiquiátricos

Segundo meu diário, meu tio Neném morreu no manicômio no dia 28 de maio de 1993. Foi uma prima que foi lá em casa dar a notícia para mim. Eu tinha 16 anos de idade. Eu observava como ele era tratado pela família quando era vivo.

A minha vó morava de frente para a rua, mas minha mãe morava no morro. Um outro tio morava no morro também, mas morava um pouco mais no baixo que minha mãe. Todos moravam no número 17, porém minha mãe morava mais no alto, minha vó no baixo e meu outro tio no meio. Parecia um arranjo normal. Exceto por um detalhe:
O único que não tinha casa era o nosso tio Neném, e ele não era o que menos trabalhava... quando não estava no manicômio, ele tomava conta da barraca da vovó. Eu me perguntava porque ele não tinha casa. A resposta, infelizmente, hoje em dia eu sei:
essa minha família parece acreditar que quem tem transtorno mental tem menos direitos. Hoje em dia, eu sinto isso na pele.

Depois de fazer um trabalho que eu considerei bom como instrutor de informática dentro do CAPS, eu tinha decidido continuar meu trabalho de inclusão social em casa. Eu imaginei que depois de eu ter aparecido no jornal como mostra da eficiência de meu trabalho de inclusão, que eu não enfrentaria nenhuma dificuldade da parte das pessoas da família.

Filho com doença mental

Irritada com os pais, aquela moça com transtorno mental decidiu sair de casa e ir para a casa de uma amiga.

Depois de muita procura, os pais conseguem identificar para onde a filha tinha ido. Chegando lá, eles pedem para que a filha volte para casa. A filha se recusa. Aí a mãe se vira para o pai e diz: "Está vendo? Isso é por causa das doenças mentais de seus parentes. Por isso que eu não queria ter filhos com você."

Os abusos que essa moça paciente psiquiátrica sofria da parte da mãe chegou a esse ponto. Eu fiquei totalmente pasmo com o que eu presenciei. Não foi por falta de motivos que ela saiu de casa. Eu pude perceber que ela já tinha suportado essa situação absurda VÁRIAS VEZES, e chegou a um ponto que ela não aguentou mais.

Doença mental NÃO É uma doença genética, mas sim um problema que surge principalmente por causa de traumas.

Como por exemplo, estudos mostram que quase 50% dos pacientes com câncer desenvolvem algum transtorno psiquiátrico, ou seja essas pessoas não desenvolveram doença mental por causas genéticas, mas pelo trauma.

Veja pesquisa do Departamento de Psiquiatria da Unifesp:
Interconsulta psiquiátrica e oncologia: interface em revisão


Mas é mais conveniente acreditar que existe algum problema genético do que encarar o fato de que há algum problema na estrutura da família que gerou um trauma. Eu acho que bem antes dessa moça ter sido diagnosticada com transtorno mental, ela já ouvia a mãe falando coisas do tipo "ela está fazendo essa bagunça porque deve ter alguma doença mental herdada da sua parte da família", ou seja o simples preconceito dessa mãe contra os pacientes psiquiátricos da família do pai ajudaram a desenvolver uma doença mental na filha. Mas como explicar isso para essa mãe?

Como explicar que psiquiatras dizem que doenças mentais são doenças genéticas apenas para não ter que perder tempo conversando com a família e com o paciente?

Pacientes psiquiátricos têm motivos para fugir, mas os profissionais de saúde mental geralmente justificam dizendo que a pessoa "não tem noção de tempo e espaço". Como na notícia abaixo:

Em RR, paciente psiquiátrica foge pela 2ª vez de unidade de saúde

O Globo.com diz:
"De acordo com a Secretaria de Saúde (Sesau), a paciente não tem noção de tempo e espaço..."

Chega um momento, em que por causa de problemas familiares, os pacientes se veem obrigados a se afastar da família. Leia o depoimento que um paciente deu ao JORNAL DO BRASIL:

"Quando saí do hospital, eles já estavam com um olhar diferenciado para mim. No final de tudo, tive que me virar e viver sozinho, porque ficar com um parente que não estava me aceitando não dá certo”, conta Elias."

Jornal do Brasil online do dia 18 de Maio de 2014

É necessário explicar para as pessoas que a teoria de doença mental ser genética surgiu do RACISMO CIENTÍFICO, surgiu na época da eugenia.

19.5.14

CAPS - Centros de Atenção Psicossocial no município do Rio de Janeiro

Veja abaixo, a lista de Centros de Atenção Psicossocial do Município do Rio de Janeiro.

CAPS II – Atendimento diário de adultos


CAPS II Ernesto Nazareth
Área de atendimento: Ilha do Governador (AP 3.1)
Av. Paranapuã, 435 – Freguesia, Ilha do Governador
Tel.: 3367-5145

CAPS II Fernando Diniz
Área de atendimento: Olaria, Ramos, Bonsucesso (AP 3.1)
Rua Filomena Nunes, 229 – Olaria
Tel.: 2590-3892 / 3867-1319
E-MAIL: capsfdiniz@rio.rj.gov.br

CAPS II Clarice Lispector
Área de atendimento: Méier e adjacências (AP 3. 2)
Rua Dois de Fevereiro, 785A – Encantado
Tel.: 3111-7490 / 3111-7411
E-MAIL: capsdoencantado@ig.com.br

CAPS II Torquato Neto
Área de atendimento: Grande Méier (AP 3. 2)
Rua Honório, 461 – Todos os Santos
Tel.: 3111-4168 / 3111-4169

CAPS II Rubens Corrêa
Área de atendimento: Irajá, Madureira, Vila da Penha e adjacências (AP 3.3)
Rua Capitão Aliatar Martins, 231 – Irajá
Tel.: 3833-3340 / 3833-3341

CAPS II Linda Batista
Área de atendimento: Guadalupe, Anchieta, Osvaldo Cruz e adjacências (AP 3.3)
Rua Orélia, 381 – Guadalupe
Tel.: 3017 6182 / 2475 4917

CAPS II Lima Barreto
Área de atendimento: Bangu, Realengo e adjacências (AP 5.1)
Av. Ribeiro Dantas, 571 – Bangu
Tel.: 3462-5449
E-MAIL: capslbarreto@rio.rj.gov.br

CAPS II Pedro Pellegrino
Área de atendimento: Campo Grande, Santíssimo e Guaratiba (AP 5.2)
Praça Major Vieira de Mello, 13 (fundos) – Comari, Campo Grande
Tel.: 2419-0669 / 3394-2583

CAPS II Profeta Gentileza
Área de atendimento: Inhoaíba e parte de Campo Grande (AP 5.2)
Estrada de Inhoaíba, 849 – Inhoaíba
Tel.: 3155-7057

CAPS II Simão Bacamarte
Área de atendimento: Santa Cruz, Paciência e Sepetiba (AP 5.3)
Av. Senador Camará, 224 - Santa Cruz
Tel.: 3365-8775 / 3395-0898
capssbacamarte@rio.rj.gov.br


CAPS III – atendimento 24 horas (diurno, noturno e nos finais de semana)


CAPS III Maria do Socorro Santos
Área de atendimento: Rocinha, Vidigal, São Conrado e Gávea (AP 2.1)
Estrada da Gávea, 520 – Rocinha.
Tel.: 3322 6148, 3322 6368.

CAPS III João Ferreira Filho
Área de atendimento: Complexo do Alemão (AP 3.1)
Estrada do Itararé, 951 – Ramos
Tel.: 9-8464-0394

CAPS III Arthur Bispo do Rosário
Área de atendimento: Barra e Jacarepaguá (AP 4.0)
Estrada Rodrigues Caldas, 3900 – Taquara, Jacarepaguá
Tel.: 2456-7537 / 341-5608 / 3412-5619
E-MAIL: capsbrosario@rio.rj.gov.br


CAPSi II – atendimento diário de crianças e adolescentes


CAPSi II Maurício de Sousa
Área de atendimento: Centro e parte da Zona Sul (APs 1.0 e 2.1-parte)
Av. Venceslau Brás, 65 fds – Botafogo.
Tel.: 3873-2416

CAPSi II Visconde de Sabugosa
Área de atendimento: Ilha do Governador, Penha e adjacências (AP 3.1)
Av. Guanabara s/n. – Praia de Ramos – Ramos.
Tel.: 3884-9635

CAPSi II Maria Clara Machado
Área de atendimento: Méier e adjacências (AP 3. 2)
Rua Gomes Serpa, 49 – Piedade.
Tel.: 3111-7509 / 3899-8187

CAPSi II Heitor Villa Lobos
Área de atendimento: Madureira e adjacências (AP 3.3)
Rua Padre Manso s/n – Madureira.
Tel.: 3018-3006

CAPSi II Eliza Santa Roza
Área de atendimento: Barra e Jacarepaguá (AP 4.0)
Rua Sampaio Corrêa, 105, Taquara – Jacarepaguá
Tel.: 3412-5601 / 3412-5605

CAPSi II Pequeno Hans
Área de atendimento: Bangu, Realengo e adjacências (AP 5.1)
Rua Carlos Pontes, s/n – Jardim Sulacap
Tel.: 3355-3887 / 3355-7907

CAPSi II João de Barro
Área de atendimento: Campo Grande e Santa Cruz (AP 5.2 e 5.3)
Estrada do Campinho, s/n – Santa Margarida, Campo Grande
Tel.: 3394-2668


CAPSad II – atendimento diário a usuários de álcool e outras drogas


CAPSad II Mané Garrincha
Área de atendimento: Tijuca e adjacências (AP 2.2)
AV. Professor Manoel de Abreu, 196 – Maracanã
Tel.: 2284-6339 / 2284-6860

CAPSad II Raul Seixas
Área de atendimento: Méier e adjacências (AP 3. 2)
Rua Dois de Fevereiro, 785 – Encantado
Tel.: 3111-7512 / 3111-7507

CAPSad II Júlio César de Carvalho
Área de atendimento: Campo Grande e Santa Cruz (AP 5.2 e 5.3)
Rua Severino das Chagas, 196 – Santa Cruz
Tel.: 3354-9035 (Ouvidoria da CAP 5.3)


CAPSad III – atendimento 24 horas (diurno, noturno e nos finais de semana)


CAPSad III Antônio Carlos Mussum
Área de atendimento: Barra e Jacarepaguá (AP 4.0)
Rua Sampaio Corrêa, s/nº – Taquara, Jacarepaguá
Tel.: 3412-8356

CAPSad III Miriam Makeba
Área de atendimento: Bonsucesso, Ramos e Maré (AP 3.1)
Rua João Torquato, 248 – Bonsucesso
Tel.: 3889-8441


CAPS das redes estadual e federal


CAPS II UERJ (estadual) / Policlínica Piquet Carneiro
Área de atendimento: Tijuca e adjacências (AP 2.2)
Av. Marechal Rondon, 381 – São Francisco Xavier
Tel.: 2334-2371 / 2334-2372

CAPSi II Carim (federal)
Área de atendimento: parte da Zona Sul e Tijuca (AP 2.1-parte e 2.2)
Av. Venceslau Brás, 71 fds – Botafogo
Tel.: 3873-5540 / 3873-5530

CAPSad II Centro-Rio (estadual)
Área de atendimento: parte da Zona Sul (AP 2.1)
Rua Dona Mariana, 151 – Botafogo.
Tel.: 2299-5921 / 2299-5922
E-MAIL: centrarioses@hotmail.com

O povo coordenando a saúde pública

Costumo dizer que saúde é direito de todos. É o dever de todos colaborar para que os direitos sejam respeitados.

E o que os governantes brasileiros fazem é manter o povo o mais desinformado possível, pois assim o povo não contesta nada, pois desconhece seus direitos.

O povo deve fiscalizar o uso do dinheiro público. E para isso é necessário informações. O povo deve tomar o poder, exigindo que os governantes e funcionários públicos façam sua parte.

POR QUE OS CAPS SÃO SERVIÇOS ESSENCIAIS?

CAPS são os Centros de Atenção Psicossocial, serviços que deveriam substituir os manicômios, ou seja, em vez dos pacientes ficarem isolados nos manicômios, eles passariam o dia nos CAPS e iriam para seus lares à noite. Em outra postagem eu escrevi aqui que os CAPS são serviços necessários para a sociedade, ou seja, serviços que fazem falta.

Mas vou explicar porque CAPS fazem falta para a sociedade, pois algumas pessoas parecem não acreditar nisso. E infelizmente pessoas que trabalham na saúde mental parecem querer fazer as pessoas acreditarem que CAPS não são serviço de primeira necessidade e que podem ficar fechados.

(Baseado nisso, eu defendo a ideia de que TODOS os CAPS devem funcionar 24 horas, ou seja, todos os CAPS deveriam ser transformados em CAPS III. Principalmente porque CAPS com horários de 8 às 18 horas aumentam as irregularidades, pois tornam mais fácil para os funcionários BURLAREM esse horário, torna-se mais fácil para as direções dos CAPS burlarem os horários.)

CAPS são Centros de Atenção Psicossocial. Se funcionassem como deveriam, evitariam várias mortes.

TODA A SOCIEDADE DEVE FISCALIZAR OS CAPS - POIS OS CAPS SÃO NECESSÁRIOS E É DINHEIRO PÚBLICO, SEU DINHEIRO



1º - Quem faz tratamento psiquiátrico geralmente toma psicotrópicos, fármacos, medicamentos que são drogas. Logo quem faz tratamento psiquiátrico DEVERIA ter um acompanhamento bem de perto. Isso porque os psicofármacos, medicamentos psiquiátricos, são drogas. E podem variar quimicamente de maneira bem súbita. Logo seria necessário um acompanhamento bem mais próximo do que acontece atualmente.

Ou seja, TODAS AS PESSOAS QUE TOMAM MEDICAMENTOS PSIQUIÁTRICOS DEVERIAM SER VISTAS POR PROFISSIONAIS AO MENOS UMA VEZ POR SEMANA.

Quando as pessoas só aparecem nos serviços de saúde mental para pegar psicotrópicos uma vez por mês, não apenas as chances de crise aumentam, mas a pessoa também pode se intoxicar com os psicofármacos.

2º Os familiares de pacientes psiquiátricos mais graves precisam sempre de suporte de serviços como os CAPS. Eu chamo de pacientes psiquiátricos mais graves aqueles que não estão interagindo SOCIALMENTE, ou que levam sequelas físicas graves.

3º CAPS não são emergências e nem consultórios e deveriam atuar para PREVENIR recaídas. CAPS tem sido usado principalmente como consultório e local de dispensa de medicamentos. Esse uso não condiz com seu propósito real.

4º Os CAPS deveriam ter coisas que pudessem atrair a comunidade, logo estas coisas atrairiam os ex-pacientes psiquiátricos, pacientes psiquiátricos e e seus familiares, NATURALMENTE, e assim os pacientes psiquiátricos e ex-pacientes psiquiátricos não precisariam ser praticamente FORÇADOS a frequentar CAPS.

Claro que eu sei que muitos profissionais de saúde mental acham que os usuários de CAPS e a comunidade devem ficar LONGE dos CAPS. Mas faz parte do projeto original dos CAPS atrair a comunidade para obter inclusão social e fim dos preconceitos.

5º CAPS existem através de dinheiro público, logo deveriam servir a comunidade de toda a forma possível. Nós pagamos nossos impostos e temos direito a retorno. Aliás, a comunidade deve fiscalizar o que acontece nos CAPS, como esse dinheiro público está sendo usado. E se você acha que CAPS não são necessários vamos fechá-los e usar o dinheiro em outras coisas.

Nem quero mencionar que os CAPS do tipo I e II não estão conseguindo suprir as necessidades da população. CAPS I e II deveriam funcionar de segunda a sexta de 08:00h às 18:00h e isto não é o suficiente para atender as demandas da população. (Lembrando que ninguém respeita a lei, por isso os CAPS sequer funcionam nos horários que deveriam funcionar.)

É evidente que já é hora dos CAPS I e II se transformarem em serviços que atendam todos os dias, e não apenas de segunda a sexta.

Uma das soluções seria transformar os arcaicos CAPS I e II em CAPS III, pois CAPS III funcionam 24 horas. Melhor do que mudar nomes é fornecer condições para TODOS os serviços funcionarem minimamente. Falo mais sobre isso depois.


Publicado originalmente no dia 7 de maio de 2010. Atualizado no dia 19 de maio de 2014.


(再生回数 72 回)

17.5.14

Lutando contra os fantasmas que estão comprovadamente vivos, mas... continuam assombrando como fantasmas

(Recordando o pesadelo que os profissionais do CAPS me fizeram passar em 2010.)

Eu jamais vou me esquecer o momento do surto que eu tive em Copacabana, por servir muito em minhas pesquisas.

Eu estava bem, até ir ao maldito CAPS Rubens Corrêa e ouvir gente dizendo que eu não estava bem. O interessante é que quem disse isso não era médico.

Aquilo caiu como uma maldição. Agora eu sei como uma sugestão negativa pode acabar com uma pessoa.

Logo, logo eu já estava tendo alucinações. E logo estava sofrendo o surto. Uma sugestão positiva com certeza teria efeitos contrários... e positivos.

Lógico que depois de ver isso eu passei a estudar formas de driblar os efeitos de uma sugestão negativa no cérebro.

E estou pronto para derrotá-las.

A profissional que fez toda a sugestão negativa faz parte daqueles fantasmas que estão comprovadamente vivos. Apesar de não ser psiquiatra faz como se fosse. Dá diagnósticos, diz quando as pessoas NÃO estão bem, etc.

E sempre está tentando se agarrar a teoria dos psicotrópicos e querem garantir sua controversa eficácia.

Obrigado, a vocês, fantasmas comprovadamente vivos. Vocês só conseguiram me provar que as pessoas podem viver sem psicotrópicos. E que as pessoas passam mal devido ao seu mau agouro.

Logo, profissionais que valorizassem cada ponto positivo dos pacientes psiquiátricos podem curá-los sem precisar de depender ETERNAMENTE de psicotrópicos. Pois o pensamento positivo terá poder e ajudará na cura mais do que tudo.

Obrigado, charlatões.

(Publicado originalmente no dia 28 de novembro de 2010. Atualizado no dia 17 de maio de 2014.)

16.5.14

Censura: Um dos maiores problemas da humanidade

Aliaa Magda Elmahdy é uma moça árabe que luta pelos direitos das mulheres. Ela participa de vários protestos pelo mundo; no Irã, na Suécia... ela protesta nua, junta com outras mulheres, a nudez como uma forma de protestar contra toda a censura contra a sexualidade da mulher. Ela é mulher e afirma abertamente que assiste a filmes pornôs, e que sofreu repressão da parte do pai dela, que disse que ela sofria de "hipersexualidade".

No blog dela, ela posta VÁRIAS fotos de mulheres nuas protestando.

Mas o blog dela é claramente RESTRITO para maiores. Portanto, ao acessar o blog dela as pessoas veem esse AVISO SOBRE CONTEÚDO:

(Clique para ver em tamanho maior.)

Na postagem Professor é demitido por postar contos eróticos em blog, eu escrevi sobre a censura sofrida pelo professor Erick Chiaramonte.

Em sua postagem Caros leitores, o professor Erick Chiaramonte tenta argumentar que "infelizmente, aqui no Brasil a hipocrisia é total. Enquanto se preocupam comigo e escrevem sobre mim nos jornais, os filhos dos puritanos assistem Big Brother, veem cena de sexo nas novelas, assistem pornografia na internet, etc."

Mas, apesar de tudo, eu acredito que um professor deveria deixar uma restrição de idade BEM CLARA, como no blog dessa moça árabe. A propósito, o professor DEVERIA ter um aviso, mas a moça árabe nem precisava, pois ela não é professora e não precisa passar exemplo para crianças. Seria necessário se houvesse cenas de sexo explícito no blog dela, o que não há; só há nudez, mas nudez as crianças já veem quando grupos de mulheres passam protestando na rua, ou quando homens ou mulheres tiram a camisa na praia, fazendo top less...

Blog da Aliaa Magda Elmahdy:
http://arebelsdiary.blogspot.com

Censura reacionária - Preconceitos atrasam o mundo

A maioria dos casos de censura nascem da ignorância e desinformação da população. A proibição de livros, músicas e filmes na época da Ditadura Militar Brasileira surgiu principalmente por causa de tabus e preconceitos da própria população, ou seja, os militares criaram tais proibições apenas para agradar o povo.

Censura nasce do preconceito, da falta de informação do povo. Hoje sabemos que esses preconceitos do povo levaram à condenação do cientista Galileu. Existe também a censura imposta por políticos que desejam calar a boca dos críticos, como por exemplo, a censura sofrida pela jornalista Rachel Sheherazade, mas os políticos só usam essa censura porque de uma certa forma o povo os permitiu.

(Veja a crônica de Ricardo Setti, da revista Veja:
Rachel Sheherazade)

A forma de acabar com a censura seria INFORMAR O POVO, eliminar os tabus.

Na postagem Professor é demitido por postar contos eróticos em blog, eu escrevi sobre a censura sofrida pelo professor Erick Chiaramonte, que foi demitido ao descobrirem que ele publica contos eróticos na Internet. A escola errou em não chamar o professor Erick Chiaramonte para discutir a questão, que poderia ser resolvida sem necessidade de uma demissão.

O trato com menores de idade deve ser sempre cuidadoso. A profissão de professor é um sacerdócio. As crianças e adolescentes frequentemente veem o professor mais do que apenas um exemplo, e chegam ao ponto de querer namorar com professores, como bem sabemos... por isso, eu só seria professor DE NOVO se tivesse algum relacionamento estável, como noivado ou casamento.

Eu pretendo vender várias das revistas em quadrinhos que eu comprei quando eu era menor de idade, e não é possível vender revistas em quadrinhos sem entrar em contato com menores de idade, por isso eu estou pensando na melhor forma de proceder.

Eu tenho várias revistas em quadrinhos bem raras que eu comprei em minha infância e adolescência, e como eu sei que elas interessam a colecionadores, pretendo colocá-las a venda na Internet. O motivo principal de eu querer vender essas revistas é porque eu vou me mudar, e tenho certeza que essas revistas em quadrinhos raras ficarão melhor nas mãos de colecionadores do que sofrer todos os rigores de um translado, todos os rigores de uma mudança.

Eu tenho publicado neste blog histórias em quadrinhos que eu fiz. Muitas dessas histórias poderiam ser censuradas por falar de sexo, mas como eu sempre coloquei, essas histórias falam de sexo para INFORMAR as pessoas sobre a existência de doenças sexualmente transmissíveis. Não seria possível alertar as pessoas sobre doenças sexualmente transmissíveis sem falar de sexo!

Então, para divulgar revistas em quadrinhos raras na Internet, estou pensando em criar uma página exclusiva para isso. Com certeza eu vou divulgar as revistas aqui também, mas como esse blog trata também de sexualidade, uma página voltada apenas para divulgação dessas revistas em quadrinhos raras deixaria os pais e filhos mais confortáveis para ver as revistas.

15.5.14

Professor é demitido por postar contos eróticos em blog

O professor de gramática e literatura Erick Chiaramonte foi demitido de uma escola particular na Vila Adyana, de São José dos Campos, no dia 8 de abril deste ano. O professor dava aulas para alunos entre 10 e 15 anos, do ensino fundamental. Porém alguns pais de alunos descobriram que ele tinha um blog, onde ele publicava contos eróticos. Os pais dos alunos reclamaram com a direção da escola, alegando que o blog não era restrito e poderia ser acessado por algum aluno.

O professor Erick Chiaramonte, em sua defesa, declarou no seu blog:

"Antes de tudo, sou escritor e tenho o direito de manifestar livremente a minha opinião. Vale ressaltar que, quando se restringe a liberdade de um escritor, não somente o direito deste é atingido, mas também o de toda a comunidade de receber e debater as informações."

Aparentemente, quem descobriu o blog foi uma aluna, que ao ler o conteúdo, mostrou aos pais. O professor usa o nome verdadeiro no blog, e provavelmente alguma aluna estava pesquisando para saber mais sobre ele...
O blog do professor é http://erickchiaramonte.wordpress.com

A notícia apareceu no site do Estadão e no Globo.com.

Estadão: Professor é demitido após postar conto erótico em blog

Globo.com: Professor de São José é demitido por postar conto erótico na internet

Sem dúvida, o professor tem todo o direito de publicar o que ele quiser na Internet, é um direito garantido pela constituição e pela Declaração Universal dos Direitos Humanos. No entanto, devo admitir que, como professor de crianças, talvez fosse preferível que ele evitasse colocar o nome verdadeiro e sua foto pessoal num blog público que contenha contos eróticos, pois os alunos são curiosos por natureza, e vão pesquisar para saber mais sobre o professor, principalmente as meninas.

O trabalho de um professor é mais que um sacerdócio.

Nossa sociedade está doente. Como eu tinha dito antes na postagem Arnold Schwarzenegger gay? O mundo está doente mentalmente, nossa sociedade está doente mentalmente. E a censura está mostrando cada vez mais as suas garras para reprimir toda sexualidade.

14.5.14

Médicos de hoje em dia estão mais frios que o Dr. Karl Brandt da Alemanha nazista

O psiquiatra Jorge Jaber concluiu que Daniel Coutinho matou os pais por ser um esquizofrênico que abandonou o tratamento.

Veja abaixo trechos extraídos do site de notícias A Crítica de Campo Grande - MS:

O psiquiatra Jorge Jaber disse:
“É muito raro acontecer o que ocorreu agora. É mais comum a pessoa se suicidar. É preciso ressaltar que a medicação e o tratamento evoluíram muito nos últimos anos. E ele, sendo esquizofrênico, precisaria abandonar o tratamento, a medicação, para agir da forma como agiu”.
Membro da Sociedade Brasileira de Psiquiatria e especialista em dependência química e recuperação de viciados, Jaber acredita que o surto psicótico se deu, provavelmente, por abandono do tratamento.


O paciente psiquiátrico cometeu o crime por não estar tomando a medicação? Outro caso de paciente psiquiátrico que cometeu crime, abaixo:

Paciente psiquiátrico é detido por passar a mão em estudante dentro de ônibus na Capital.

De fato, eu relatei momentos em que eu, em surto psiquiátrico, agarrava mulheres. Mas isso só aconteceu quando eu estava tomando medicação psiquiátrica! Nunca aconteceu antes de eu tomar medicação psiquiátrica, e nem depois que eu parei de tomar! É ÓBVIO que a medicação causou o meu comportamento sexual descontrolado! Isso os psiquiatras tentam esconder da população!

Esse psiquiatra Jorge Jaber PRATICAMENTE disse que é melhor levar uma pessoa ao suicídio obrigando-a a tomar uma medicação do que colocar em risco a vida de outras pessoas. FOI PRATICAMENTE O QUE ELE DISSE! Esse Dr. Jorge Jaber está tentando convencer a imprensa e a opinião pública que é melhor que a pessoa morra cometendo suicídio do que colocar em risco a vida dos outros! O Dr. Karl Brandt, da Alemanha nazista, dizia algo parecido:
O Dr. Karl Brandt dizia que seria melhor cometer eutanásia do que deixar uma pessoa com qualquer defeito viver e colocar em risco a perfeição da raça alemã. Convenhamos: as ideias do Dr. Jorge Jaber e do Dr. Karl Brandt convergem!

"Ele estava aqui. Karl Brandt estava aqui, Em pé perto da janela. Era alto e imponente. Parecia preencher toda a sala. Ele me explicou que o "Führer" o tinha enviado pessoalmente, e que estava muito, muito interessado no caso do meu filho. O "Führer" queria cuidar do problema das pessoas sem futuro, cuja vida não tinha valor. Daquele momento em diante não precisaríamos mais sofrer por causa desta terrível desgraça, pois o "Führer" tinha concedido a morte piedosa do nosso filho. Poderíamos ter outros filhos no futuro, belos e saudáveis, dos quais o "Reich" poderia se orgulhar. Era necessário construir a Alemanha e cada partícula de energia era necessária. Foi isso que o "Herr" Brandt me explicou. Era um homem magnífico: inteligente, muito convincente. Foi como um salvador para nós; o homem que podia tirar um grande peso de cima da gente. Nós o agradecemos e exprimimos toda a nossa gratidão."
(Testemunho dos pais de Knauer, feito em 1973, publicado no livro de Robert Jay Lifton, "Os médicos Nazistas", página 159, título original em inglês: "The Nazi Doctors".)
[Eu tinha escutado essa entrevista em um documentário cujo título não me lembro. Apenas encontrei o texto em italiano. Veja o link no fim da postagem, em italiano.]

Os psiquiatras de hoje em dia estão inquestionavelmente passando para a imprensa um estereótipo de violência dos pacientes psiquiátricos. Ninguém comete crime por ser paciente psiquiátrico. Dizer que um paciente psiquiátrico cometeu um crime por não estar tomando a medicação chega a ser uma manipulação da opinião pública. Jornalistas sempre mencionam o fato de um criminoso ser paciente psiquiátrico. Isso é uma discriminação, como antigamente sempre mencionavam o fato de um criminoso ser homossexual. É a mesma coisa, o mesmo preconceito, como se a pessoa tivesse cometido o crime por sua condição.

Notas:
"Führer" significa "líder", em alemão.
"Reich" significa "reino", em alemão.
"Herr" significa "senhor", em alemão.



Riproduzione del testo della Wikipedia unicamente per referenza:

« Era proprio qui. Karl Brandt era qui, in piedi vicino alla finestra. Era alto e imponente. Sembrava che riempisse tutta la stanza. Mi spiegò che il Führer lo aveva mandato personalmente, e che era molto, molto interessato al caso di mio figlio. Il Führer voleva esplorare il problema delle persone prive di un futuro, la cui vita era senza valore. Da allora in poi, non avremmo più dovuto soffrire per questa terribile disgrazia, poiché il Führer ci aveva concesso l'uccisione pietosa di nostro figlio. In seguito avremmo potuto avere altri figli, belli e sani, di cui il Reich avrebbe potuto essere fiero. Si doveva costruire la Germania e c'era bisogno di ogni particella di energia. Ecco quel che mi spiegò Herr Brandt. Era un uomo magnifico: intelligente, molto convincente. Fu per noi come un salvatore: l'uomo che poteva sollevarci di un peso molto grande. Lo ringraziammo e gli esprimemmo tutta la nostra gratitudine. »
(Testimonianza dei genitori di Knauer del 1973, riportata da Robert Jay Lifton, I medici Nazisti, pag 159)

Fonte:

Karl Brandt - Wikipedia

O Poema Pedido (Coleção AS VANESSAS)

Antes de eu descobrir um amor mais profundo pela Ana, houve uma certa Vanessa... ela me pediu que eu fizesse um poema para ela, e ficou assim:

O Poema Pedido


Você acha que eu sou louco por você
Na verdade sou mesmo.
Você acha que eu estou a sua mercê
Na verdade estou mesmo!

Você me pede um poema de amor
Mas que heresia!
Você não sabe seu valor?
Você é poesia!

Você me dá um sorriso de desprezo
Que eu acho lindo!
Você me mata de desespero
Indo ou vindo!

A mais bela poesia você é
E como Vênus me inspira
Linda da cabeça ao pé
Parece até mentira!...

O meu mais ardente desejo você sabe:
Senti-la toda!...
No meu peito tamanha paixão não cabe
Até transborda!...

Você não precisa de olhos azuis como o céu
Você é toda cor do mundo!
Você não precisa de olhos verdes como o mar
Você é algo mais profundo!

Eu acho que a amo,
Se não me engano.
É algo estranho que queima
E uma vontade que teima

Vá nessa, Vanessa!
Que no fundo me deseja
Mas, que prefere fingir
E ao amor fugir.

Há mais a ser dito
Dessa poesia louca
Beije-me a boca
E eu lhe conto o resto...
Data: 2004

Para ver outros poemas dedicados a todas as Vanessas veja:
As Vanessas.
Clicando em As Vanessas você poderá ver poemas em português, em inglês, francês, italiano e espanhol, além de outras curiosidades sobre o nome Vanessa.


13.5.14

Cachorro amigo

Ontem mesmo eu vi um cachorro atropelado. Impressionante a total indiferença de nossa sociedade por esse animal. A cena era horrível, o cachorro estava de olhos abertos, mas toda parte traseira de seu corpo estava totalmente ESMAGADA. Via-se que o motorista que o atropelou não fez nenhum esforço para evitar o atropelamento. Não existe nenhuma lei que proteja esses animais? São vários os donos de cachorros em nossa sociedade, mas nenhum dono de cachorro parou para ao menos chamar um reboque para levar o bicho para enterrar. O cachorro ficou o dia todo esmagado entre a rua e a calçada. Talvez amanhã e depois ainda esteja lá. Quem faz isso com um animal deveria ser considerado um criminoso comum.

Por isso que eu acho que deveriam deixar esses animaizinhos em seu habitat natural.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho gigante.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho gigante.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho gigante.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho gigante.

Gatolino foi o primeiro personagem em quadrinhos que eu criei, no ano 1986. A história acima foi feita em 29 de novembro de 1992. Eu sequer sabia que havia outro Gatolino já criado (O Daffy Cat), portanto não houve nenhuma tentativa de copiar, nenhum plágio.

9.5.14

"Mais Sacanas do Lagartixa"

"Mais Sacanas do Lagartixa" foi o título da revista em quadrinhos que eu fiz do personagem Lagartixa, que eu terminei quando tinha 20 anos, em 1997. Abaixo, a capa desta revista, que buscava sempre CONSCIENTIZAR as pessoas sobre a importância de usar camisinha, e evitar promiscuidade. Isso fica evidente já na capa. Eu coloquei várias cenas quentes na revista, por isso, já coloquei na capa uma dica do que aparece dentro da revista.


Para ver a capa em tamanho gigante, basta clicar aqui para abri-la em outra janela do navegador, onde você poderá clicar de novo para ampliar a capa.


Para ver a capa em tamanho gigante, basta clicar aqui para abri-la em outra janela do navegador, onde você poderá clicar de novo para ampliar a capa.

8.5.14

Cura gay - Vídeo de humor dos Estados Unidos

Continuo falando dos tabus sexuais em nossa sociedade. Deixo abaixo um vídeo de humor dos Estados Unidos, onde um humorista faz uma pegadinha com um pastor que busca curar homossexuais. aviso: Se você for um evangélico muito conservador, POR FAVOR não continue lendo esta postagem, pois o vídeo pode ser MUITO OFENSIVO para evangélicos.

Abaixo do vídeo está a tradução, e no final desta postagem você vai encontrar a transcrição em inglês. O objetivo desta publicação é INFORMAR, e não pretendo ofender ninguém, porém eu usarei termos bem chulos na tradução, para me manter ao máximo de acordo com o original.



Tradução
Bruno:
Para ficar famoso, eu vou ter que largar os bofes! Eu vou precisar de encontrar os "pintólatras" anônimos!
Quando eu virar hétero eu vou poder continuar a tocar clarinete?
Pastor:
Se isso não lembrar você dos comportamentos em que você se envolvia quando você colocar seus lábios nele... Se isso não lembrar você disso, aí eu te digo vá em frente e toque clarinete à vontade. Se isso lembrar você daquilo aí eu digo deixe de lado, entregue para alguém, peça para um amigo segurar até que na sua mente você esteja pronto para pegar de novo sem lembrar daquilo.
Bruno:
E eu posso enfiar uma flauta no meu rabo?
Pastor:
Eu não faria isso também, pois isso lembraria você do seu antigo estilo de vida.
Bruno:
Então você não enfia nenhum instrumento de sopro no rabo?
Pastor:
De jeito nenhum.
Bruno:
Sério?
Pastor:
Sabe por quê?
Bruno:
por quê?
Pastor:
porque isso ia ferir o meu corpo. Ia machucar...
Bruno:
Só se você não conseguisse resistir?
Pastor:
Isso ia ser ruim.
Bruno:
Há alguma música que eu não deveria escutar, alguma banda?
Pastor:
Bem, Sinéad O'Connor, Indigo Girls, e claro, Village People.
Bruno:
Quando eu virar hétero há algum hobby que eu deveria ter?
Pastor:
Você gosta de alpinismo, levantamento de peso?
Bruno:
Claro.
Pastor:
Então é isso. Faça exercícios, levantamento de pesos, e trabalhe seus músculos no meio de homens que não são gays.

Notas:
"Pintólatra" é alguém viciado em pinto, da mesma forma que alguém viciado em álcool é "alcoólatra" e alguém viciado em chocolate é "chocólatra". (Eu tinha colocado "perulólatra", mas pensei bem e creio que o nome "pintólatra" se encaixa melhor!)
A linguagem usada pelo pastor é informal, por isso eu coloco "Se isso não lembrar você..." em vez de "Se isso não lembrá-lo..." e por isso eu coloco também "...no meio de homens que não são gays" em vez da maneira formal "no meio de homens que não sejam gays".


Aqui eu falo sobre os tabus da penetração anal.

O ânus é uma das principais áreas erógenas do homem, onde se encontra a próstata, uma região muito sensível do homem. Alguns homens precisam de serem penetrados analmente para se satisfazerem sexualmente. Da mesma forma que há mulheres que simplesmente chegam ao orgasmo mais facilmente através da manipulação do clitóris, há homens que alcançam maior satisfação ao serem penetrados analmente. O fato de um homem gostar de enfiar objetos no ânus para aumentar o prazer é totalmente HETEROSSEXUAL. Homossexual é alguém que sente ATRAÇÃO por pessoas do outro sexo. Um homem que gosta de fazer sexo anal como ativo em homossexuais mas não gosta de ser penetrado obviamente é homossexual. Um homem heterossexual preferiria ficar o resto da vida sem fazer sexo do que fazer sexo com outro homem.

Heterossexuais sentem NOJO de sexo com pessoas do mesmo sexo. Por isso, alguns homens que sentem mais prazer ao serem penetrados analmente pedem a suas parceiras mulheres para que elas coloquem um pênis artificial e penetrem neles. Pênis artificiais com uma cinta para serem amarrados ao quadril são chamados de strapon dildos ou cintaralhos. Deixo abaixo o título de dois vídeos onde mulheres penetram em homens analmente, não deixo link, pois não me agrada a ideia de colocar links para sites pornográficos aqui.

Brunette Fucks Boyfriend With Strapon

Pigtailed Teen Strapon Fucker - xHamster.com

Um exemplo bem claro para que as pessoas entendam:
Há lésbicas que gostam de ser penetradas pelas parceiras com strapon dildos. Elas não sentem desejo por homens, mas se realizam mais sexualmente através da penetração vaginal.

Apesar de eu não ver nada de mais no fato de alguns homens heterossexuais gostarem de serem penetrados, essa prática não me agrada EM ABSOLUTO. Eu sou apreciador de minete, que de fato é uma preliminar essencial para mim antes do papai-e-mamãe tradicional, ou qualquer outra forma de penetração vaginal.

Veja abaixo a transcrição em inglês do vídeo de humor dos Estados Unidos.


Bruno with gay converter

Transcription:
Bruno:
To become famous I will have to quit guys. Ich just have to find a cockaholics anonymous!
If I become straight can I still play the clarinet?
Pastor:
If it doesn't remind you about some of the behaviors that you engaged in, when you put your lips around it... if it doesn't remind you of that, then I say go forward and play the clarinet with everything inside of you. If it does remind you of that then I say put it down, give it away, let a friend hold it until you know in your mind that you're ready to pick it up again and it wouldn't remind you of that.
Bruno:
What about if I put a flute up my stinker?
Pastor:
I wouldn't do that either because it would remind you of the former lifestyle.
Bruno:
So you don't put any wood wind instruments up your Arschloch?
Pastor:
Absolutely not.
Bruno:
Ach, ja?
Pastor:
You know why?
Bruno:
Why?
Pastor:
Because that would harm my body. That would hurt...
Bruno:
Only if you lose the reed?
Pastor:
That would be bad.
Bruno:
Is there any music that I shouldn't listen to, Any band?
Pastor:
You know, Sinéad O'Connor, Indigo Girls, and of course, Village People.
Bruno:
When I become straight (...) is there any hobby that I should take up?
Pastor:
Do you enjoy hiking, lifting weight?
Bruno:
Sure.
Pastor:
Then there's nothing like it. Just working out, lifting weight, and building your muscles around other men who are not gay.


Notes:
"Ich" means "I". Bruno is Austrian and he has a German accent.
"Cockaholic" is someone who is addicted to cock. Look it up in the Urban Dictionary.
"stinker" means "asshole". Look it up in the Urban Dictionary.
"Arschloch" is the German word for asshole. Look it up in the Urban Dictionary.
"Ach, ja?" means, "Oh, really?"

Bruno's accent is very heavy, therefore it is hard to people get clearly what he says. For example, when he says "Only if you lose the reed" he DEFINITELY doesn't say "reed", but instead say something between "veed", "heed", and "deed"! But the context points to "reed". People somewhat understand the context and not the German words that he puts in his talk. My knowledge of German helped me a lot in this task.

6.5.14

Arnold Schwarzenegger gay? O mundo está doente mentalmente

Poucas pessoas sabem, mas a mãe do ator Arnold Schwarzenegger achava que ele era gay. Veja o relato de Arnold Schwarzenegger:

Bem pertinho de minha cama havia uma parede que eu decorava toda com fotos. Eu pendurava fotos de homens fortes; halterofilistas, lutadores e boxeadores, etc. E eu estava tão animado com isso que cheguei a levar minha mãe ao quarto e mostrei para ela. Aí ela sacudiu a cabeça. Ela estava totalmente chocada e lágrimas começaram a cair de seus olhos.

Aí ela chamou o médico, ela chamou o médico da nossa família, ela o mandou entrar e explicou para ele:
"Tem algo errado aqui."
Ela mostrou a parede para o médico e disse:
"Onde foi que eu errei? Quero dizer, todos os amigos do Arnold têm fotos de garotas na parede, e o Arnold tem as fotos de todos esses homens. E não é só isso, eles estão quase pelados, e estão untados com óleo de bebê. O que está acontecendo aqui? Onde foi que eu errei?" Daí você pode imaginar, o médico balançou a cabeça e disse:
Não há nada errado. Nesta idade as pessoas têm ídolos. Aí arrumam essas coisas. Isso é totalmente normal."


(Veja o texto original em inglês e o link do vídeo da fala abaixo, no fim da postagem.)

A mãe do Arnold Schwarzenegger pensou que ele fosse gay pelo simples fato de ele ter fotos de homens na parede! Arnold Schwarzenegger obviamente tinha fotos de homens quase nus na parede porque queria ser halterofilista e não porque queria fazer sexo selvagem com esses homens!

Eu tinha um poster de Bruce Lee exibindo os músculos. Deve ser por isso que algumas pessoas achavam que eu era gay. Eu obviamente não queria fazer sexo com Bruce Lee, queria ser bom como ele.

Outros motivos fizeram que algumas pessoas achassem que eu fosse gay. Eu os enumero abaixo:

  1. Eu sempre gostei de ver revistas e filmes pornôs de lésbicas. Alguém achou que isso deveria ser algum desejo gay, não sei bem por quê. O motivo pelo qual eu prefiro revistas e filmes de lésbicas é porque eu tenho NOJO de pênis, e dependendo de mim o único pênis que eu veria em minha vida seria o meu próprio.
  2. Eu sou fã da BELEZA da Roberta Close, sou fã da personalidade dela.

Eu sempre me questionei:
Se acham que uma pessoa é gay simplesmente porque essa pessoa gosta de admirar músculos bem trabalhados, será que não vão achar que eu me sinto atraído por animais por eu me interessar pela vida sexual deles? Será que pensariam que eu sou zoófilo? Será que, se eu me casasse, eu teria que jogar a minha revista Amor na Natureza fora para evitar ciúmes de minha esposa?


Para ver a capa da revista Amor na Natureza em tamanho gigante, basta clicar aqui para abri-la em outra janela do navegador, onde você poderá clicar de novo para ampliar a capa.


Para ver a capa da revista Amor na Natureza em tamanho gigante, basta clicar aqui para abri-la em outra janela do navegador, onde você poderá clicar de novo para ampliar a capa.

Eu comprei a revista Amor na Natureza no ano 1990, quando eu tinha 13 anos. Eu não comprei essa revista para apreciar o pênis do elefante, mas comprei para conhecer mais sobre sexualidade, simplesmente porque eu já era muito interessado em sexualidade, e na escola não davam informações sobre esse tema.


Para ver a página central da revista Amor na Natureza em tamanho gigante, basta clicar aqui para abri-la em outra janela do navegador, onde você poderá clicar de novo para ampliar a capa.


A sexualidade humana ainda é tabu, e em vez de avançarmos nesse sentido, parece que regredimos, dia a dia. Hoje em dia, esses TABUS SEXUAIS já estão se tornaram uma doença social generalizada. A sociedade está doente mentalmente por se prender a esses tabus. Parece que antigamente éramos mais livres sexualmente. O fato de um homem achar que os músculos de outro homem são bonitos não significa que ele seja homossexual. Um homem achar que uma criança é bonita não quer dizer que ele queira fazer sexo com essa criança.


The transcription below is for reference and for educational and informative purposes only.
Arnold Schwarzenegger
USC Commencement Address
12:20:
Right next to my bed there was this big wall that I decorated all with pictures. I hung up pictures of strong men and bodybuilders and wrestlers and boxers and so on. And I was so excited about this great decoration that I took my mother to the bedroom and I showed her. And she shook her head. She was absolutely in shock and tears started running down her eyes.

And she called the doctor, she called our house doctor and she brought him in and she explained to him, "There's something wrong here." She looked at the wall with the doctor and she said, "Where did I go wrong? I mean, all of Arnold's friends have pictures on the wall of girls, and Arnold has all these men. But it's not just men, they're half naked and they're oiled up with baby oil. What is going on here? Where did I go wrong?" So you can imagine, the doctor shook his head and he said, "There's nothing wrong. At this age you have idols and you go and have those -- this is just quite normal."

5.5.14

Lulu, o Mutante - História em quadrinhos

Algumas histórias em quadrinhos dão muito trabalho para fazer, apesar de parecerem simples. A história Lulu O Mutante foi iniciada em 1995 e somente foi concluída em 22 de novembro de 1998!


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho gigante.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho gigante.

O personagem Lulu foi inspirado em um colega de escola, o Luciano. Lulu porque serve para ambos os sexos, Lulu pode ser Luciano ou Luciana! Ele não era gay, mas usava brinquinho. Daí pintou a ideia de fazer um personagem meio gay em homenagem a ele...

Lagartixa e Pai em Um mergulho na classe média

"Um mergulho na classe média" é mais uma história que eu fiz no ano 1993. Meus 16 anos devem ter sido os mais inspirados de toda minha vida! Talvez os desenhos não estejam tão bons, mas a ironia é PICANTE!!!

Esta história em quadrinhos retrata uma vida de aparências... e ironiza IMPIEDOSAMENTE a discriminação social que muitas pessoas em melhores condições demostram. Nos últimos 15, 20 anos de minha vida, eu tenho encontrado gente que comete discriminação social O TEMPO TODO... eu sempre me lembrava dessa história quando me deparava com alguém com os preconceitos mais absurdos, contra os mais simples... eu pensava:
"Uma pena que eu não possa mostrar essa história para eles!"
Agora que a história está online, bastará enviar o link para os esnobes... só um detalhe, antes de ler:
Se você for esnobe, talvez você se sinta ofendido! Portanto, pense bem antes de começar a ler a historinha!


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho bem maior.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho bem maior.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho bem maior.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho bem maior.

Nota:
Quem leu a história percebeu que naquela época eu escrevia "Largatixa" em vez de "Lagartixa"... os esnobes iam esculachar legal!

3.5.14

O Apagão - História em quadrinhos

"O Apagão". Uma história em quadrinhos que eu fiz em 2001. Mais uma aventura de meu personagem Lagartixa, ironizando as condutas sexuais humanas. História feita numa época em que aconteciam apagões constantes...


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho bem maior.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho bem maior.

Quem comeu? - História em quadrinhos

Uma história em quadrinhos que eu fiz quando eu tinha 16 anos de idade, em 1993. Eu fiz esta história para alertar meus colegas de escola do perigo das DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS, de uma maneira BEM IRÔNICA. Alguns amigos meus consideravam a história sacana demais. Mas vamos falar sério: não é possível gerar conscientização sobre o perigo de comportamentos promíscuos sem ousar um pouco.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho bem maior.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho bem maior.


Clique aqui para abrir a história em quadrinhos em outra janela, onde você poderá clicar de novo e ver em tamanho bem maior.

Nesses tempos modernos em que homens e mulheres falam de sexo como se fosse uma conquista, um status, em vez de uma continuação natural do amor:

Um alerta para os homens que se depararem com uma mulher que parece fácil demais e estiverem se achando o máximo por conseguirem levá-la para a cama... talvez a consequência seja que você vá acabar na cama, gravemente doente...

Numa época em que as mulheres esqueceram o quanto são belas e deixam homens misóginos covardes levarem-nas a gravidez de uma forma tão fácil... seria importante que elas refletissem que em vez de terem ficado grávidas sem querer, talvez tivessem contraído uma DST fatal. Em vez de terem sofrido um aborto, talvez tivessem ficado com o vírus HIV... em vez de terem se tornado mães solteiras, talvez contraíssem uma doença que as tornasse estéreis, incapazes de terem filhos quando chegasse um homem DE VERDADE que as amasse.

2.5.14

Psiquiatras fazem diagnósticos precipitados, alertam especialistas

Alguns doutores denunciam que muitos médicos estão fazendo diagnósticos precipitados, sem fazer exames claros, e além disso estão prescrevendo medicações mais do que o necessário.

Até o pedopsiquiatra Leon Eisenberg (psiquiatra especializado em pediatria) criticou a prescrição exagerada de psicotrópicos:

Veja um excerto de um artigo da revista DER SPIEGEL de junho de 2012:

Na Alemanha, aumenta o número de diagnósticos de doenças mentais.

"TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) é um bom exemplo de uma doença fabricada", disse Eisenberg. "A predisposição genética do TDAH é totalmente superestimada."

Os pedopsiquiatras deveriam investigar mais a fundo os fatores psicossociais que podem levar a problemas de comportamento, disse Eisenberg. Houve uma briga entre os pais? O pai e a mãe vivem juntos? Há algum problema na família? Essas perguntas são importantes, mas tomam muito tempo, disse Eisenberg, e concluiu com um suspiro: "Prescrever uma pílula é muito mais rápido."

(Veja o texto original e o link no fim desta publicação.)

Infelizmente, a área médica onde acontecem mais prescrições exageradas de medicamentos é a área da saúde mental. Mesmo alguns psiquiatras denunciam esses diagnósticos e prescrições exagerados, como por exemplo, o Dr. David Healy do Reino Unido e o Dr. Peter Breggin dos Estados Unidos. Recentemente, um leitor do blog, o Sandro, deixou em um comentário informações sobre um outro pesquisador médico que combate esses exageros nos diagnósticos:
O Dr. Peter C. Gøtzsche, da Dinamarca.

Medicamentos letais e crime organizado - Dr. Peter C. Gøtzsche - Legendado em português



Eu o agradeço mais uma vez por essa contribuição, Sandro. Importante chamar atenção ao fato de que psiquiatras e psicólogos, de uma certa forma, MANIPULAM as pessoas usando técnicas psicológicas de persuasão; em outras palavras, eles são treinados para convencer as pessoas que os psicotrópicos são muito necessários, etc.

Por exemplo, uma mãe leu minha postagem Risperidona, carbamazepina e crianças, que descreve o sofrimento de uma menina de 3 anos, e simplesmente comentou:

"Meu filho toma e ele é imperativo e se dá super bem do que a dosagem do risperidona que ela esta tomando está errada meu filho tem seis anos e toma de um miligrama mais a metade de manhã e a outra a noite e o carbamazepina 5 ml de manhã e a noite o resultado foi nítido ele dorme assiste TV e se concentra. Que Deus abençoe vcs ."

Ela simplesmente NÃO CONSEGUE perceber que a prescrição de tais psicotrópicos é desnecessária e PREJUDICIAL para o seu filho. Talvez seja mais conveniente acreditar na existência de uma doença do que encarar o fato de que há algo errado na família como sugeriu o Dr. Leon Eisenberg.

Nota:
O Dr. Leon Eisenberg, um dos pioneiros nos estudos do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, gerou polêmicas e controvérsias com suas declarações, que suscitaram citações famosas contra o TDAH, como no exemplo abaixo:


Legenda traduzida da imagem:
Confissão do inventor do TDAH em seu leito de morte: "TDAH é uma doença fictícia"

Imagem reproduzida do sítio PT MEDICAL.

Text in deutscher Sprache, nur für Referenz:

DER SPIEGEL 6/2012:

In Deutschland steigt die Zahl der Diagnosen seelischer Krankheiten.

"ADHS (Aufmerksamkeitsdefizit-/Hyperaktivitätsstörung) ist ein Paradebeispiel für eine fabrizierte Erkrankung", sagte Eisenberg. "Die genetische Veranlagung für ADHS wird vollkommen überschätzt."

Stattdessen sollten Kinderpsychiater viel gründlicher die psychosozialen Gründe ermitteln, die zu Verhaltensauffälligkeiten führen können, sagte Eisenberg. Gibt es Kämpfe mit den Eltern, leben Mutter und Vater zusammen, gibt es Probleme in der Familie? Solche Fragen seien wichtig, aber sie nähmen viel Zeit in Anspruch, sagte Eisenberg und fügte seufzend hinzu: "Eine Pille verschreibt sich dagegen ganz schnell."


Quelle: DER SPIEGEL 6/2012 - Schwermut ohne Scham


Warnung:
Die Reproduktion diesem Artikel ist nur für Information verbreiten.