18.4.14

Lidando com o preconceito

Esta postagem será editada, corrigida e ampliada mais tarde, por se tratar de um dos mais importantes capítulos de "A verdadeira vida de Ezequiel".

Prólogo:
Quando eu tinha cerca de 11 anos de idade, eu planejava lançar uma revista em quadrinhos quando adulto. Eu planejava publicar uma revista por mês, por isso calculei quantos números de revistas eu publicaria até o dia de minha morte. Eu estimei o dia de minha morte baseado na idade em que meu pai morreu. como meu pai tinha morrido aos 60 anos, eu calculei quantas revistas eu publicaria até o ano 2037, o ano que, segundo meus cálculos na época, seria o ano de minha morte. Eu não planejava ganhar dinheiro com a revista, apenas publicaria pelo prazer de publicá-la.

Porém, ainda antes de entrar na idade adulta, eu arquivei o projeto, mudando meus planos, pois segundo meus cálculos, eu ia ter que estudar MUITO desenho para expressar em imagem toda a minha imaginação, pois para desenhar o que eu imagino eu teria que ser MUITO melhor que grandes desenhistas de quadrinhos como Walt Disney, Carl Barks, John Byrne, Jim Lee, John Romita e Sal Buscema... aí eu percebi que eu não desejava ser quadrinista ao ponto de trabalhar tanto assim por isso. Eu já tinha noção de quanto esses desenhistas tinham trabalhado para chegar a ser os grandes desenhistas que se tornaram. (Coloquei links [em azul] apenas daqueles desenhistas que talvez não sejam muito conhecidos pelo público geral. Os links são para páginas em inglês, pois não há informações suficientes sobre eles em português.) Eu percebi que a coisa na qual eu queria me especializar já precisava de muito estudo também, tanto estudo que eu não poderia mais devotar tanto tempo ao estudo do desenho sem prejudicar minha prioridade.


Lidando com o preconceito
Lutar contra preconceitos e discriminação é difícil, é mais difícil ainda quando sofremos preconceitos das pessoas que menos esperávamos, nos locais que menos esperávamos, no momento que menos esperávamos...
No Centro de Atenção Psicossocial, local de atendimento psiquiátrico, aproximou-se de mim uma das pacientes estabilizadas. Eu já conhecia, pois já tinha feito curso na escola de informática, onde eu dava aulas no Centro de Atenção Psicossocial. Ela tinha cerca de 40 anos (eu sabia com certeza pois já tinha visto sua ficha), mas era muito mais bonita que muita mocinha de 18 e 20 anos, muito conservada...
Ela olhou para mim, olhou para o livro que eu estava lendo, uma coletânea de peças de teatro de Molière, um de meus preferidos.
- Ah! Um livro, deixe eu ver. Mas está em francês, viu? Para entender francês tem que E-S-T-U-D-A-R, tá? Tem que fazer um C-U-R-S-O.
Apesar de eu tentar explicar para ela que eu já era muito experiente em francês que já tinha lido vários livros, visto vários filmes e programas, falado com vários nativos falantes da língua, aparentemente ela estava convicta que eu estava em algum surto e que eu estava apenas delirando, achando que entendia francês.


Lidando com o preconceito de um sistema preconceituoso
Apenas no ano 2002, aos 25 anos, que eu concluí o ensino fundamental, antes chamado de primeiro grau. Eu concluí o ensino fundamental num programa de educação para jovens e adultos, o que antigamente era chamado de SUPLETIVO. O supletivo possibilitava ao aluno fazer duas séries num ano, ou seja, o aluno podia "passar de ano" no meio do ano. Eu entrei no primeiro semestre de 2002 e no meio desse ano eu concluí o ensino fundamental, pois só me faltava uma série.

Ao terminar o ensino fundamental em 2002, aos 25 anos, o meu psiquiatra da época sugeriu que eu fizesse o ensino médio numa escola técnica, onde eu poderia fazer um curso profissionalizante. Ele justificou essa sugestão dizendo:
"Você conhece vários idiomas, tem um bom conhecimento, por isso acho que você consegue passar."
LÓGICO que eu não consegui passar. Eu sempre tinha sido um péssimo aluno. Tinha sido reprovado na primeira série, na segunda, na sétima e na oitava. Como é que eu ia conseguir passar numa prova de curso técnico, onde concorriam vários excelentes alunos, nerds e CDF's que estudaram nas melhores escolas do Rio? Provavelmente o psiquiatra acreditava mesmo que eu podia passar, pois algumas pessoas devem achar que eu tenho muita facilidade para aprender; inclusive, várias pessoas já disseram "deve ser muito bom para você ter facilidade para aprender idiomas." Meu Deus. Não será esse o maior engano que as pessoas têm ao meu respeito? Eu não tenho facilidade para aprender NADA! Muito pelo contrário. A maioria das pessoas aprende 50 a 100 vezes mais rápido que eu.

E essa dificuldade de aprender complica minha vida, como no caso da menina da escola, a Luciana, quando eu tinha uns 13 anos. Era branquinha, super branquinha, lindíssima... ah eu sonhava com a hora de beijar aquela maravilha! Porém NUNCA tinha beijado nenhuma menina na vida. Um dia eu estava fazendo uma entrega de farmácia num prédio em Copacabana. No elevador, tinha um espelho. E como eu estava sozinho no elevador, decidi treinar beijo, beijando o espelho. Ora, o elevador estava em movimento, não tinha ninguém... eu estava tão distraído no meu treino de beijo, que eu nem percebi quando o elevador parou num andar antes do meu e a porta abriu. Enquanto a porta abria, eu continuava treinando beijo, nem tinha percebido. Só fui me dar conta quando vi as duas meninas, mais ou menos de minha idade, me observando. Parei sem jeito; as meninas se entreolharam, enquanto eu ficava vermelho e queria me esconder no poço do elevador. Daí uma delas perguntou, como se nada tivesse acontecido:
"Está descendo?"
Graças a Deus, estava subindo. Quando a porta do elevador fechou e o elevador subiu, elas devem ter morrido de rir!

Existe uma teoria da psicologia da educação que acredita que algumas pessoas têm QI (Quociente de Inteligência) maior, ou seja, as pessoas com QI maior podem aprender mais, e as pessoas com QI menor não conseguem aprender direito. Na verdade, a ideia do Quociente de Inteligência esconde uma discriminação, uma eugenia, pois todas as pessoas podem aprender TODAS AS COISAS, apenas aprendem de forma diferente, com velocidade diferente; e aprender de forma diferente não significa que tal pessoa tenha maior ou menor inteligência. A inteligência não pode ser medida assim. Talvez a inteligência de cada indivíduo sequer possa ser medida.

Baseado na ideia discriminatória de inteligência superior e inteligência inferior, inventaram umas nomenclaturas que no mínimo fazem a pessoa de sentir rebaixada. Primeiro criaram os termos "idiota", "imbecil" e "retardado", que classificavam as pessoas consideradas menos inteligentes, de acordo com a psicologia. Poucos sabem que as palavras "idiota" e "imbecil" foram criadas por psicólogos e psiquiatras para classificar aqueles que eles acreditavam que tinham inteligência inferior. Depois substituíram os termos "idiota", "imbecil" e "retardado" por "deficientes intelectuais". Quando um médico ou psicólogo "diagnostica" alguém como "deficiente intelectual", está colocando um limite na pessoa, está colocando um bloqueio. Não conhecemos o cérebro tanto para tentar medir a capacidade de aprender das pessoas.

Quando o psiquiatra pensou que eu conseguiria passar numa prova tão difícil apesar de eu ter sido educado em uma escola de uma região pobre sem recursos, e numa escola de educação rápida para adultos, ele se baseou na ideia de inteligência superior e inteligência inferior da psicologia. Ou seja, ele partiu do pressuposto que se eu tinha aprendido várias línguas eu deveria ter uma boa inteligência. Ele não se preocupou em saber o tempo que eu levei para aprender várias línguas, ele deve ter achado que eu aprendi da noite para o dia ou de um ano para o outro, pois do contrário, como ele ia acreditar que eu ia passar numa prova sem ter tido o ensino de qualidade dos outros candidatos que tinham estudado nas melhores escolas do Rio de Janeiro? Ele pensou baseado no preconceito da psicologia de inteligência superior e inteligência inferior, ignorando as diferentes formas das pessoas aprenderem.

Este sistema educacional preconceituoso mede as pessoas por sua educação formal, e tenta ignorar e desprezar o aprendizado informal autodidata, ignorando o estudo informal.


Meus estudos
Desde pequeno, eu já percebi minha dificuldade de aprender, percebi que eu aprendia mais lentamente. Por isso, pensei em uma forma de compensar minha dificuldade:
E se eu fosse 5 vezes menos inteligente que as outras pessoas? Para equilibrar as chances só havia um jeito:
Estudar 5 vezes mais, trabalhar 5 vezes mais!
Pois apesar de aprender muito lentamente, eu tinha uma excelente capacidade de RACIOCÍNIO LÓGICO, de tal forma que da mesma forma que as outras pessoas ficam irritadas com minha lentidão para aprender, eu fico irritado com a lentidão das pessoas de tirar certas conclusões lógicas. E a lógica é clara:
Se eu sou menos inteligente, devo estudar e trabalhar mais, para compensar.

Já com uns 29 anos, eu fazia um curso de férias, de montagem e manutenção de computadores, de uma dessas faculdades privadas. Como eu era o pior aluno, o professor não queria nem me deixar tocar no computador, com medo de eu queimar alguma peça por manuseamento impróprio. A turma achava que eu não tinha jeito para aquilo, que eu nunca aprenderia, aí eu disse:
"Eu demoro mais para aprender que a maioria das pessoas, mas eu aprendo. Eu aprendo muito lentamente, mas mas eu aprendo em progressão geométrica, exponencialmente."
A maioria da turma não entendeu o que significava o que eu disse, mas havia na turma um professor de química, que era entendido em matemática. Ele olhou para mim, com sarcasmo e desprezo, e disse, com um ar irônico:
"Uau! Então você deve ser um super gênio!"
As pessoas geralmente aprendem muito mais rápido que eu, mas em progressão aritmética, enquanto eu aprendo em progressão geométrica, mas mais que isso, em progressão geométrica EXPONENCIALMENTE. O professor de química entendeu, mas talvez eu devesse explicar para você:
Enquanto a maioria das pessoas progridem 1 ponto eu continuo abaixo de 0. Enquanto progridem 2, eu continuo abaixo de 0. E mesmo quando as pessoas progridem 50, eu continuo abaixo de 0... Eu só saio do 0 quando a maioria das pessoas já estão avançadas, com 100 a 0. Depois a minha progressão geométrica começa a ser, pouco a pouco, notada. Os outros fazem 101 pontos, eu faço 1. Os outros fazem 102 pontos, eu faço 2. Os outros fazem 103 pontos, eu faço 4. As pessoas fazem 104 pontos, eu faço 8! Aí começa minha ascensão EXPONENCIAL:
Osd outros fazem 105 pontos, eu faço 64 pontos! Os outros fazem 106 pontos, e percebem que já foram ultrapassados, pois aí, exponencialmente, eu já faço 4096!

A ilusão de um sistema educacional preconceituoso
Eu queria criar algo novo, inventar algo novo. E me parecia óbvio que a escola formal não possibilita ninguém a criar algo novo, pois a escola não ensina coisas novas, mas coisas antigas que foram reunidas em livros pelos homens. E mesmo quando a escola passava essas coisas antigas descobertas pelos grandes homens, não ensinava aos alunos como os grandes homens faziam; pois infelizmente me pareceu óbvio que o objetivo dessa escola formal sempre foi CONDICIONAR, deixando aprendizado REAL para segundo plano. Eu queria me especializar em algo e faze-lo à perfeição. Por isso eu fui pesquisar os homens famosos que tinham criado algo novo, feito alguma descoberta ou faziam alguma coisa a perfeição.

Compartilho algumas de minhas conclusões:

William Shakespeare (1564 — 1616) criou incríveis obras teatrais, como um mestre inigualável. Shakespeare dominava o idioma francês e era um espetacular conhecedor da História Mundial, mas mal tinha o ensino fundamental.

René Descartes (1596 — 1650) formou-se em direito, e não em matemática, física e filosofia, que se tornaram suas especialidades.

Antonie van Leeuwenhoek (1632 — 1723) também mal tinha educação fundamental, mas criou espetaculares microscópios e passou a ser considerado o pai da microbiologia, mas NUNCA tinha estudado biologia numa faculdade.

Charles Darwin (1809 — 1882) tinha estudado um pouco de medicina e teologia antes de fazer suas grandes descobertas sobre evolução, mas ele tinha condições econômicas que realmente facilitavam seus estudos formais, porque ele era de uma família abastada e filho de médico, bem diferente de William Shakespeare e Antonie van Leeuwenhoek, que eram de origem simples. Mas, obviamente, se Darwin seguisse as normas da escola formal, suas descobertas estariam condenadas. Ele fez suas pesquisas escondido da escola formal, pois sabia que seria criticado e proibido, se soubessem. Observe que Charles Darwin NÃO fez NENHUM curso universitário de biologia e nem de filosofia ou naturalismo. Ele completou os estudos de TEOLOGIA. Nenhuma de suas descobertas dependeu da educação formal. Ele seguiu educação formal porque era RICO. Do contrário, ele também mal teria ensino fundamental, como foi o caso de William Shakespeare e Antonie van Leeuwenhoek.

Albert Einstein (1879 – 1955) formou-se em física, mas era filho de um engenheiro, de uma família abastada. Ele dizia que preferiria ter sido um operário...

E o que eu percebi é que ensino universitário MATA a criatividade, pois prende o aluno, tomando seu tempo. POR ISSO que eu sempre evitei educação formal, sempre evitei educação superior. Eu saí da escola apenas com a sétima série; e considero um de meus grandes erros, pois hoje eu estou convicto que deveria ter saído da escola ainda na quinta série. Não tenho dúvida que o tempo que passei fazendo a sexta e a sétima série foi perda de tempo.

Por que mentem tanto para os pacientes psiquiátricos?
Num outro momento, no mesmo CAPS, eu estava tomando 1 comprimido de haloperidol 5 mg, mas estava certo que podia ficar bem com uma dose menor. Falei sobre isso com os doutores.
- Esse comprimido é a menor dose que existe e não dá para partir.
Que gente mentirosa, eu pensei. Eu já tinha tomado, antes, em outro lugar, haloperidol de 1 mg, e em outra ocasião uma psiquiatra me prescreveu meio comprimido de haloperidol de 5 mg. Seria melhor se os doutores me dissessem que não gostariam da ideia de diminuir a dose, em vez de falar tal mentira. Esse é o problema do mentiroso:
ao inventar uma mentira, ele não toma o cuidado de estipular a possibilidade de a pessoa já conhecer os fatos. CONTINUA!!!

Minha auto-estima: Nenhuma
Eu venho de uma família bem pobre. Desde cedo, sofri com problemas dentários. Esses problemas dentários mexem com minha auto-estima mais do que as pessoas imaginam. Desde menor de idade eu já tinha um dente com um buraco enorme que acumulava sujeira difícil de limpar. Eu me sentia sujo, e com razão.
CONTINUA!!!

17.4.14

Ultra Seven: O herói que poderia ter protegido o Japão das armas nucleares dos Estados Unidos

"Ultra Seven" quer dizer "Ultra Sete"; mas "sete" em japonês é "nana". Logo, "Ultra Seven" é um termo EXAGERADAMENTE anglicizado. Desde a ocupação dos Estados Unidos no final da Segunda Guerra Mundial, vários termos anglicizados entraram no idioma japonês. Os Estados Unidos ocuparam o Japão logo após o lançamento das bombas que detonaram Hiroshima e Nagasaki, e decidiram fazer um programa social para recuperar o que eles mesmo tinham destruído. O programa social se chamava Government and Relief in Occupied Areas (GARIOA), que em português significa "Governo e Ajuda em Áreas Ocupadas".

Ultra Seven foi um herói imaginado por Eiji Tsuburaya. Os monstros que Ultra Seven combate nada mais são que uma representação das monstruosidades que os governantes norte-americanos fizeram contra o Japão. Os alienígenas que tentam invadir a terra em Ultra Seven, podem representar os norte-americanos que ocuparam o Japão. Foi uma forma discreta que Eiji Tsuburaya encontrou para protestar. Com certeza, Eiji Tsuburaya gostaria que houvesse um Ultraman ou um Ultra Seven para proteger seu país das bombas dos Estados Unidos.

O primeiro monstro criado por Eiji Tsuburaya foi o Godzilla. Aí não havia um super-herói para combatê-lo; então Eiji Tsuburaya criou primeiro o Ultraman e depois o Ultra Seven.

Wikipédia:
"Godzilla é a personificação do medo das armas nucleares. Criado por uma explosão nuclear, seu imenso tamanho, força, terror e destruição evoca a fúria das bombas atômicas soltadas em Hiroshima e Nagasaki."

Links:
Vídeo da Abertura do Ultraseven no Brasil.
Vídeo da canção do Ultra Seven, em japonês.

Tradução da canção do Ultra Seven
Interpretada pelo grupo "The Echoes" e pelo Coral de Crianças "Misuzu".

Seven, Seven, Seven, Seven
Seven! Seven! Seven!
Seven! Seven! Seven!
Um planeta distante é seu lar
Ultra Seven, lutador Seven
Ultra Seven, Seven, Seven
Avante! até o fim da Via Láctea
Resplandeça com o Ultra Eye!

Seven! Seven! Seven!
Seven! Seven! Seven!
Usando o nome Dan Moroboshi
Ultra Seven, herói Seven
Ultra Seven, Seven, Seven
Derrote-os! os monstros cuspidores de fogo
Golpeie com o "Ultra Beam"!

Seven! Seven! Seven!
Seven! Seven! Seven!
O número do homem milagre
Ultra Seven, es um ás, Seven
Ultra Seven, Seven, Seven
Defenda! a nossa felicidade
Ataque com o "Ultra Hawk"!

Notas:
"Ultra Eye" são os óculos que Dan Moroboshi usa para se transformar em Ultra Seven.
"Ultra Beam" é um raio que Ultra Seven usa para atacar os adversários.
"Ultra Hawk" é um jato de combate usado pela Força de Defesa Terrestre.

Abaixo:
A letra da canção em japonês romanizado e em japonês original.

Urutora Sebun no Uta

Sebun, Sebun, Sebun, Sebun
Sebun! Sebun! Sebun!
Sebun! Sebun! Sebun!
Haruka na hoshi ga furusato da
Urutora Sebun, faitaa Sebun
Urutora Sebun, Sebun, Sebun
Susume! ginga no hate made mo
Urutora Ai de supaaku!

Sebun! Sebun! Sebun!
Sebun! Sebun! Sebun!
Moroboshi Dan no na o karite
Urutora Sebun, hiiroo Sebun
Urutora Sebun, Sebun, Sebun
Taose! hi wo haku daikaijuu
Urutora Biimu de sutoraiku!

Sebun! Sebun! Sebun!
Sebun! Sebun! Sebun!
Mirakuruman no nanbaa da
Urutora Sebun, eesu da, Sebun
Urutora Sebun, Sebun, Sebun
Mamore! bokura no shiawase o
Urutora Hooku de atakku!


ウルトラセブンの歌

セブン セブン セブン セブン
セブン セブン セブン
セブン セブン セブン
はるか な 星 が ふるさと だ
ウルトラセブン ファイター セブン
勧め! 銀河 の はて まで も
ウルトラ・アイ で スパーク!

セブン セブン セブン
セブン セブン セブン
セブン セブン セブン
モロボシダンの名をかりて
ウルトラセブン ヒーロー セブン
ウルトラセブン セブン セブン
倒せ! 火 を はく 大怪獣
ウルトラ ビーム で ストライク!

セブン セブン セブン
セブン セブン セブン
セブン セブン セブン
ミラクルマン の ナンバーだ
ウルトラセブン エース だ セブン
ウルトラセブン セブン セブン
守れ! ぼくら の しあわせ を
ウルトラホーク で アタック!

16.4.14

Depressão e automutilação + Réplica a Silvio Guieiro

Quem sofre com depressão não é apenas quem é diagnosticado com transtorno depressivo maior, mas também pessoas com transtorno bipolar, esquizofrenia e mesmo pessoas com o chamado transtorno de personalidade borderline.

Brandy é uma jovem senhora dos Estados Unidos que tem um canal no Youtube. Ela comete auto-mutilação com frequência. No vídeo que eu compartilho abaixo, ela reclamava de depressão. O vídeo está em língua inglesa. O que mais me chamou a atenção foi quando ela disse:

"Eu tentei acessar um site hoje. E escrevi sobre como eu me sentia, e é claro, ninguém me respondeu. Responderam aos outros menos a mim, pois obviamente eu não sou digna da atenção de ninguém. Eu realmente precisava de alguém com quem conversar, e eu não tenho ninguém com quem conversar. Eu só vou ter consulta amanhã. Então eu estou sozinha com meus pensamentos."

Dois dias depois de gravar o vídeo, ela tentou suicídio.

Sem querer, ela denuncia falhas no atendimento psiquiátrico atual, em que as pessoas deveriam ter acesso a terapeutas todos os dias, mas às vezes, levam meses para serem atendidas.

E esse também pode ser um alerta para todos nós que escrevemos blogs e sites sobre saúde mental, que tenhamos ciência que fazer fóruns sobre tal assunto é uma responsabilidade. Às vezes, quando não conseguimos responder a uma pessoa, isso pode doer muito nela, como aconteceu com a Brandy.

Preparei esta postagem especialmente como réplica ao comentário de Silvio Guieiro:

"Precisamos de muita ajuda, só quem sofre de depressão sabe o que é. Meu nome é Silvio, tomo 60 mg Paroxetina, 900 mg carbonato de lítio e 2 mg de Clonazepam. Sofro de depressão desde 1973 e perdi a esperança de me livrar dela. A Paroxetina já tomo há 15 anos ou mais e estou notando que seu efeito não é o mesmo e o meu médico não pretende substituir. Eu gostaria de saber se este tempo todo o meu organismo não já tenha acostumado com a Paroxetina e por isso seu efeito está indesejável? O Lítio eu já tomo há uns 08 anos, com esse tempo não pode gerar um efeito colateral? Eu não entendo a insistência do médico em continuar com esse medicamento. Gostaria de receber uma resposta.
Muito obrigado."

Este blog tem como objetivo principal lutar pela garantia de direitos, Sílvio. Eu não sou a melhor pessoa para responder perguntas médicas, mas sei que, legalmente, o médico deveria examinar seu organismo mais a fundo e isso tem sido uma falha dos atendimentos psiquiátricos.

O vídeo da Brandy levanta muitos pontos importantes, e pode ajudar muita gente a se encontrar. Mas devo admitir que é bem triste.


English transcription of some parts of the video "Failure= Death? 5/29/12", by a young woman struggling with the problems of self injury and depression. Recorded 5/29/12, two days before she attempted suicide.

Failure= Death? 5/29/12
I feel like crap. Mentally feel like crap, not physically. I'm so tired of being a pathetic failure at life. I mean, how many times can one person make the same mistake over and over again and not learn from them? Am I fucking retarded? Sometimes I feel like I am. I mean, I fix the problem, or mend the problem better... And fuck it up again, because I can't speak up! And now I'm in the same boat that I was in before. I feel like shit. I just wanna die! I mean, what is the point of going on when your life is so pathetically pathetic?

04:55:
There's a part of me that don't wanna die. But then there's a part of me that feels like nothing's ever going to get better. And that I'm always gonna be this pathetic failure that I am. And I can't help but see the negative in everything.

09:34:
I tried to go on a web site (...) today. And I wrote about how I felt and of course nobody responded to me. They responded everybody else but me, 'cause obviously I'm not worth anybody's time or... I really needed someone to talk to and I don't have anybody to talk to. I don't have therapy until tomorrow. So I guess I am alone with my thoughts...

Georgia Manthei "I'm Sorry"....an original song about self harm and how she bravely dealt with it

15.4.14

Cultura, sexualidade e pornografia

Abaixo, eu compartilho um calendário permanente, onde se pode calcular quando cai qualquer data de 1901 até 2092.

Clique aqui para ver o calendário em outra janela, onde você poderá clicar para aumentar o tamanho.

Este calendário eu digitalizei de minha revista "Ele Ela", uma revista considerada revista pornográfica. Isto para mostrar que as revistas consideradas pornográficas oferecem cultura também.


Capa da revista "Ele Ela", com Mariana Sá. Clique aqui para ver a capa da revista em outra janela, onde você poderá clicar para aumentar o tamanho.

Em nossa sociedade, masturbação é um tabu, considerado errado; e há mesmo quem considere prejudicial. Mas na verdade, masturbação é uma coisa totalmente natural, que o corpo dos adolescente praticamente necessita. Na postagem Polução noturna, eu falei sobre o momento em que eu cheguei atrasado ao trabalho por ter tido uma polução noturna. Polução noturna é uma ejaculação involuntária que ocorre durante o sono devido, muitas vezes, a sonhos eróticos. A ocorrência desse fenômeno, ou sua não ocorrência, é algo natural. Polução noturna é mais comum entre os 12 e 20 anos. Quem se masturba ou tem uma vida sexual ativa, apresenta diminuição na frequência desse tipo de ejaculação.(Copiado da Wikipédia.) No início de minha adolescência eu não me masturbava, mas ao passar o susto das primeiras poluções noturnas, eu pesquisei sobre o assunto e passei a me masturbar, pois eu vi que masturbação era totalmente normal e natural.

Quando eu cheguei atrasado no trabalho por causa da polução noturna eu estava sem me masturbar por um tempo, mas depois dessa experiência, eu passei a me masturbar com mais regularidade, pois eu acordava cedo para trabalhar e não dava certo acordar todo melado por causa de polução noturna... por isso eu passei a me masturbar com mais frequência para evitar esse contratempo que me atrasava.

Masturbação não oferece nenhum problema, como alguns mitos dizem, mas na verdade, adolescentes se masturbarem vendo filmes pornôs pode SIM causar alguns problemas sexuais. O problema é quando adolescentes veem filmes pornôs escondidos e se masturbam vendo, pois a tensão pode, de fato, causar alguns problemas sexuais. Mas se o adolescente puder se masturbar sem essa tensão, não há nenhum problema.

14.4.14

Hegemonia norte-americana (Conclusão)

Primeira parte: Hegemonia norte-americana

Os Estados Unidos COLONIZARAM os países mais destruídos na Segunda Guerra Mundial, com o pretexto de querer ajudá-los. Basta observar o nome do programa que eles criaram:
Government and Relief in Occupied Areas, literalmente, "Governo e Ajuda em Áreas Ocupadas". Na escola, nunca explicaram o que aconteceu nos países destruídos na Segunda Guerra Mundial. Soldados americanos passaram a acampar nesses países, criaram alojamentos e lá permaneceram por muito tempo. Para se ter uma ideia, basta ver o que os Estados Unidos fizeram no Afeganistão e no Iraque. Eles não pediram licença...

As pessoas mais pobres, moradores de favelas e comunidades pobres, já tem uma noção de como aconteceu a ocupação dos Estados Unidos:
Em áreas dominadas pelo tráfico, onde vemos criminosos andando armados, à vontade, como se fossem donos do mundo. Ou nas comunidades onde foram instaladas Unidades de Polícia Pacificadora (UPP's), onde policiais andam de um lado para o outro armados. Agora imagine o que aconteceu nas áreas que foram ocupadas pelos Estados Unidos ao fim da Segunda Guerra Mundial:
Imagine se, na sua comunidade, em vez de haver policiais armados, houvesse um monte de soldados estrangeiros falando com um sotaque fortíssimo, cheios de autoridade, bem na sua porta. Foi isso que o povo alemão teve que tolerar quando os Estados Unidos ocuparam seu país. Foi isso que os japoneses tiveram que tolerar. Eles tiveram que tolerar os destruidores de seus países andando de um lado para o outro e mandando em tudo.

Para quem não sabe, quando os soldados norte-americanos chegaram na Alemanha no final da Segunda Guerra Mundial, eles colocaram o MAIOR TERROR na população alemã. Veja mais abaixo um vídeo da Segunda Guerra Mundial e você vai entender.

Hitler fez coisas horríveis, não há dúvida quanto a isso. Porém, o próprio Hitler demitiu Heinrich Himmler, que era chefe e responsável pelos campos de concentração. A História conta que Adolf Hitler o demitiu porque Himmler queria fazer acordo com os britânicos e norte-americanos, mas eu acredito que Adolf Hitler o demitiu quando soube dos absurdos que aconteciam nos campos de concentração, pois Hitler queria castigar os adversários, mas provavelmente nem ele queria chegar a fazer as atrocidades feitas pelos médicos da tropa SS. As monstruosidades feitas nos campos de concentração foram ideias de médicos como Philipp Bouhler e Josef Mengele, e não do Hitler.

Pense um pouco: Adolf Hitler apenas DEMITIU o homem que ele considerou traidor. Os governantes dos Estados Unidos o condenou à morte.

Um documentário descreve o que aconteceu quando os norte-americanos chegaram no campo de concentração Treblinka na Polônia, e no campo de concentração de Buchenwald na Alemanha:

Habitantes das aldeias próximas são forçados a passear pelo campo de concentração.

Os americanos reúnem as pessoas da cidade próxima e as forçam a presenciar os horrores que foram cometidos em seu nome.
Renata Simmon, de 18 anos:
- Eu mal podia acreditar no que eu estava vendo. Eles tinham empilhado os corpos das pessoas que tinham morrido. O cheiro estava insuportável. Eu não aguentava mais. Mas o soldado gritava comigo:
"Ei, moça do Hitler, aqui, olha, olha!"


O texto original em inglês e o link para o vídeo estão abaixo, no final da postagem.

Os Estados Unidos exageraram a culpabilidade do Hitler. Sabemos que Hitler cometeu erros bem graves, mas O Diabo não é tão feio quanto se pinta, como diz o provérbio.

O terror que os soldados norte-americanos impuseram na população alemã foi causado pela imagem que os governantes norte-americanos passaram para eles do Hitler, o colocando como um Diabo bem mais malvado do que ele realmente era. No entanto, quem condenou seus adversários à morte foram os governantes norte-americanos, naquele Julgamento de Nuremberg que foi totalmente comandado pelos governantes estadunidenses. Observe que Hitler DEMITIU Himmler e Göring, por considerá-los traidores. Se ele fosse tão mal quanto a propaganda mentirosa dos norte-americanos coloca, ele teria mandado matá-los IMEDIATAMENTE.

Os Estados Unidos, de fato, fizeram uma grande propaganda do próprio país; esta propaganda foi voltada ao próprio povo estadunidense e aos estrangeiros, para fazer que todos esquecessem as barbáries que os Estados Unidos fizeram na Primeira e na Segunda Guerra Mundial. Essa propaganda foi feita através da recuperação dos países que eles mesmos destruíram, uma grande propaganda turística dos Estados Unidos através de filmes, e através da divulgação da língua do país. Para os norte-americanos, eles divulgaram as línguas dos países que eles ocupavam, como o alemão, o japonês e o francês. E o fascínio dos Estados Unidos atingiu várias pessoas em todo o mundo, atingiu até a mim! Um pouco antes da Copa do Mundo de 1994, eu já sonhava com belos lugares dos Estados Unidos. Através de uma revista, eu conheci e me apaixonei pela bela Los Angeles! Mas o povo estadunidense não pode ser culpado pelas canalhices de seus governantes.

English:
Below, extracts from the video "The Holocaust in color Nazi rising terror and concentration camps". The link is by each extract. The video is very heavy, with horrible scenes of people who died from starvation and all type of misuse, therefore it's age restricted. Notice that it isn't only the Nazis and the Fascists who are to blame for all that cruelty, but all the great nations that waged war in that period. It's not fair to blame only the losers. So the American government and the British government are as blamed as the Nazis and the Fascists.

The American government did very bad things in WWII also. Take for example the launching of the two bombs that devastated Hiroshima and Nagasaki. Hitler wasn't the only one who did bad things in WWII. Let's give the devil his due, let's remember this old saying. And all in all we if we check the facts carefully, we'll see that WWII was started because the Treaty of Versailles despoiled the German people of fundamental rights and led the country to deep crisis. We must not forget that in the World War One the German people was punished far beyond their deserts, and it's debatable whether they really deserved any punishment at all. And an American politician was ahead of things in the Treaty of Versailles, namely President Woodrow Wilson. If the Americans wanted to punish the blamed ones they could punish directly the Kaiser Wilhelm II. It wasn't fair to punish the German people, it was cowardice. We know that Hitler was wrong for waging war, but we also have to admit that Germany was so unfairly treated that if it Hitler hadn't raised the revolt some other German would have done it.

When it's all said and done, we can see that the American government had done through the long years things far worse than what was done by the Nazis. But the American people can't be blamed by the evil done by their politicians. I still admire the American people.

The Holocaust in color Nazi rising terror and concentration camps

05:47:
By the end of 1942 almost 300.000 men, women and children had been taken from the Warsaw ghetto to the death camp of Treblinka. Hitler's Final Solution has begun.
06:56:
Inhabitants of the surrounding villages are forced to tour the camp.
07:23:
April the eleventh, 1945. The Allies arrive in Buchenwald. It's one of over a thousand of Hitler's concentration camps.
08:40:
The Americans round up people from the nearby town and force them to witness the horrors that had been committed in their name.
Eighteen year old Renata Simmon:
" I could hardly believe what I was seeing. They had piled up the corpses of people who had died. The smell was just too much. I couldn't take it anymore. But the GI shouted at me, 'You Hitler Fräulein, here, look, look!' "
The Nazis had murdered 6 million Jews.

Theme song of the post: This Is Still the Land of the Free

Hegemonia norte-americana (A verdadeira vida de Ezequiel)

Quando eu era muito jovem e não entendia quase nada sobre a História Mundial, eu me perguntava:

Por que o alemão, o francês e o japonês são idiomas mais conhecidos internacionalmente que o português? O português tem uma população de nativos falantes bem maior que o alemão, o francês e o japonês, então por que essas línguas com menos falantes são mais conhecidas internacionalmente que o português?

A resposta está na política.

Ainda jovem fiquei sabendo que a França tinha sido um país que dominou o mundo por vários períodos, aí eu pensei que isso justificava que o idioma fosse mais famoso que o português, apesar de ter menos falantes. Mas depois, ao estudar mais História, eu vi que isso NÃO podia ser uma explicação plausível, pois Portugal também tinha feito conquistas fantásticas, como exemplo óbvio a descoberta do Brasil. Eu só pude obter uma resposta satisfatória ao estudar a fundo os idiomas alemão, inglês e francês, o que me deu acesso a livros e documentários mais elucidativos. Só assim eu pude ver uma versão da História Mundial que não é explicada claramente nas escolas brasileiras.

Na Segunda Guerra Mundial, grandes países como o Japão, a Alemanha e a França foram quase totalmente destruídos. Os Estados Unidos lançaram suas bombas poderosíssimas em duas cidades japonesas, que as devastaram completamente, matando quase todos seus habitantes. E os Estados Unidos também empreenderam uma guerra devastadora contra a Alemanha. Por outro lado, o exército de Hitler detonou a França.

Terminada a Segunda Guerra Mundial, como o Japão, a Alemanha e a França se recuperaram, ao ponto de, alguns poucos anos depois, estarem numa condição bem melhor que países menos afetados pela guerra, como o Brasil?

Os governantes dos Estados Unidos tinham derrotado Adolf Hitler, Mussolini e Hirohito. Mas não conseguiram vencer Josef Stalin, líder absoluto da antiga União Soviética...

E só conhecendo bastante a História dos Estados Unidos para entender o medo que os governantes norte-americanos sentiam de Josef Stalin. Enquanto os Estados Unidos detonavam a Alemanha e o Japão, o exército de Josef Stalin aniquilava o exército alemão, e logo invadia a Itália e matava o ditador Mussolini. Isso provocou nos governantes norte-americanos um medo maior que provocado pela bomba atômica e pela bomba de hidrogênio...

Quando a Segunda Guerra Mundial acabou, o mundo foi dividido em duas partes:
Uma parte dominada pelos Estados Unidos e outra parte dominada por Josef Stalin.

Assim, os Estados Unidos desenvolveram programas sociais para recuperar as áreas internacionais que o governo dos Estados Unidos ocupavam, para evitar que o domínio dessas áreas passasse para a União Soviética de Josef Stalin. O programa Government and Relief in Occupied Areas (Ajuda do Governo em Áreas Ocupadas) recuperou o Japão. Enquanto o programa social chamado European Recovery Program (Programa de Recuperação Europeia) ajudou a recuperar toda a Europa.(Reproduction from the excellent site Debating Europe).

Por isso os Estados Unidos promoveram uma grande divulgação e promoção do alemão, do francês e do japonês, para que quando os norte-americanos fossem visitar esses países ocupados pelo governo dos Estados Unidos, pudessem se comunicar melhor com os povos de suas colônias. Por isso que o alemão, o francês e o japonês são muito mais divulgados e conhecidos que outras línguas que têm muito mais falantes nativos...

Aí a gente consegue entender porque o alemão, o francês e o japonês são muito mais divulgados e conhecidos que outras línguas com muito mais falantes como, o bengali, o hindi, o mandarim, o árabe, o russo e o português.
Veja a lista das línguas mais faladas na Wikipedia em inglês ou neste site, ou neste outro site.

As escolas apenas falam do Plano Marshall como se os Estados Unidos tivessem feito uma grande caridade para o mundo, e não um estratagema de dominação mundial do governo dos Estados Unidos...


Continua em Hegemonia norte-americana (Conclusão)

Tema musical da postagem: Home of the Brave!

12.4.14

"Balls" - Uma de minhas histórias em quadrinhos em inglês

"Balls". Comic strip drawn and written by me. "Lagartixa" is the name of the main character. I don't remember the exact date in which this was written, but I think it was in the year 1999. You will see some incorrect English, but bear with me, because it was written a long time ago...

Clique aqui para ver a história em quadrinhos em tamanho bem maior, numa outra janela do navegador.


Click here to see this comic strip in a larger size, in another window of the browser.