30.12.11

Lei 10.216: Psiquiatras devem explicar tudo sobre medicamentos

O Art. 2o da Lei diz que São direitos da pessoa portadora de transtorno mental: Inciso VII - receber o maior número de informações a respeito de sua doença e de seu tratamento;

Ou seja, todo paciente psiquiátrico tem o direito de ser informado sobre seu tratamento, sobre a medicação que vai tomar ou que está tomando. Enfim, tem o direito de receber o maior número de informações a respeito de sua doença e de seu tratamento;

Logo, você não precisa buscar informações sobre medicação psiquiátrica na Internet se você está fazendo um tratamento psiquiátrico regular.

Você deve EXIGIR que o seu psiquiatra dê todas as informações que você precisar. Essa é a obrigação do psiquiatra.

Você deve tratar o psiquiatra com respeito, mas ele deve respeitá-lo também, e informá-lo da melhor forma é essencial.

Exija FONTES CONFIÁVEIS, ou seja, não aceite que seu psiquiatra dê informações apenas de boca. Não aceite que o psiquiatra apenas fale sobre a medicação. Exija que ele mostre a bula e que mostre a informação em livros. Exija diferentes fontes, ou seja, não a informação de apenas um livro ou site, mas de diferentes livros e sites.

Lembre-se: o que vale é o que está escrito.

Se o psiquiatra não quiser fornecer as informações ou tentar enrolá-lo, TROQUE de psiquiatra. É sua saúde que está em jogo.

Nenhum BOM psiquiatra vai negar o seu direito de ser bem informado.

Depois do psiquiatra ter informado você aí você pode olhar na Internet. Existem sites de psiquiatras, como o Psicosite e PsicNet. Se o seu psiquiatra der informação errada ou incompleta você vai ficar sabendo.

Mas o mais importante é: a informação deve vir primeiro de seu psiquiatra.

Lei 10216

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm

14.12.11

A inconstitucional "Lei da palmada" - PL 7672

Essa publicação é apenas para INFORMAR a população de que nenhuma lei pode querer proibir um pai ou uma mãe de dar palmada em seus filhos.

Esse projeto de lei foi criado por filhinhos de papai, que sequer deveriam ter chegado ao poder.

A CONSTITUIÇÃO do Brasil e a Declaração Universal dos Direitos Humanos garantem que,

Artigo XII

Ninguém será sujeito a interferências na sua vida privada, na sua família, no seu lar ou na sua correspondência, nem a ataques à sua honra e reputação. Toda pessoa tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques.


Os pais não podem é violentar os filhos. É bem diferente de dar palmadinhas.

Esses filhinhos de papai que chegam ao poder realmente me enojam. Eles não devem sequer chegar perto dos próprios filhos, já que têm empregados.

A propósito, dê uma olhada na DECLARAÇÂO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Muitos políticos calhordas fazem de tudo para que ninguém conheça essa declaração.

6.12.11

A FORÇA DA TUTELA



PAULO DELGADO
O sofrimento virou doença. Qualquer mal-estar diante do mundo, um distúrbio. A ambição grandiosa da psiquiatria está cada vez mais parecida com o sem limite do mercado financeiro. Querem que todos vivam suas leis de ferro, amedrontados e submissos. Nada melhor para a criação de crises do que um poder sem sociedade, com regras próprias, exercido sobre todas as pessoas, sem que elas tenham direito de reagir ou ficarem indiferentes. Basta dar o nome de diagnóstico para relacionar sintomas e definir como transtorno qualquer manifestação da personalidade.
Quando a prática da medicina, subjugada à indústria de medicamentos, se oferece como cárcere, ficamos diante de uma verdadeira bomba embrulhada como se fosse terapia. Pior quando uma especialidade médica transforma em missão sanitária esconder hábitos e tarefas de uma sociedade indiferente a vida dos outros e que só vê as pessoas de forma binária: com sucesso, ou fracassadas.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) anda preocupada com a definição de doença mental que a quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Doença Mental — universalmente conhecido como DSM-V — anda preparando. A ser lançada em 2013, mas já objeto de tensa polêmica no meio psiquiátrico, especialmente norte-americano, a nova edição da DSM, transforma o cérebro num disco rígido. Um computador sem alma, intoxicado, num mundo cada vez mais doente e que somente poderá ser salvo por remédios. A OMS alerta que não aceita a desenvoltura da classificação, porque não é doença o que não pode ser caracterizado patologicamente, tem etiologia desconhecida, não possui padrão uniforme, não pode ser confirmado.
Quem não viveu, alguma vez na vida, alguma destas graves “doenças” psiquiátricas: abuso ou abstinência de substâncias, ansiedade, autismo, déficit de atenção, transtorno bipolar, confusão, desatenção, tendência à psicose, transtorno de personalidade, comportamento antissocial, apego reativo, amnésia, esquizofrenia, distúrbios diversos, etc. São tantos os nomes das “doenças do nervo” que agora viraram sinônimos de remédios e comportamentos, que começa a ficar preocupante o convívio humano. A menos que a sociedade perceba a gravidade dessa verdadeira epidemia que é querer tratar pela psiquiatria as dificuldades e problemas que fazem parte da vida. Junte os ritmos cada vez mais velozes e insanos da vida diária a esta forte tradição que tem a medicina de “encaixar um sintoma”, prescrever um remédio e mandar para o hospital que vamos todos viver dopados. Qual é a definição precisa de transtorno mental? Quem pagará pela tragédia que o diagnóstico errado causa na vida das pessoas?
Qualquer coisa malfeita afeta todos. Mas quando é feita na rua aos olhos de todos como se fosse uma acusação, seja pelos despossuídos que usam crack, seja pelas autoridades que usam o arbítrio para fazer a cidade limpa, há aí outra vertente impiedosa dessa epidemia da tutela. Aqui o erro vem na sua forma prática como serviço, depósito de exilados. No mesmo embrulho mistura arbítrio e falsa legalidade e dá o nome de tratamento para o que é abandono. Chama de falha moral a ousadia de esses jovens se desintegrarem nas ruas e praças. O usuário de crack compartilha a única localização no espaço urbano onde o efeito do que ele faz não é insignificante para os outros. Gerador de atenção e afeição momentânea não consegue transformar em sonhos o que está vivendo. Se o judiciário diz que é legal passeata para defender o que é considerado ilegal, de onde sai a ousadia da autoridade para recolher das ruas e retirar direitos de jovens pobres e abandonados? Onde pretende devolvê-los?
Dar o nome de terapia à indiferença social e ao fracasso da política pública — que não tem força para destinar recursos para serviços abertos 24h, descentralizados e multiprofissionais de acolhimento — só confirma a força que a indústria médica da tutela continua a ter sobre a população.
O que só aumenta a tragédia que é ver o sofrimento não gerar mais afeição.

PAULO DELGADO é sociólogo, foi deputado federal pelo PT de Minas e autor da Lei da Reforma Psiquiátrica.
E-mail: contato@paulodelgado.com.br. O Globo – 05/12/2011

30.11.11

I Stink! (Coleção AS VANESSAS)

I Stink!

Ladies and gents, I stink!
I stink ‘cause I can’t sing!
I stink ‘cause I can’t dance!
I stink ‘cause I can’t make a pass
At her, the most beautiful lass!
Hell! I can’t even take the chance!

Yes! I can’t face the music and dance
I can’t live life without her romance
But I can’t, either, show all my love
Yes! I stink like the rat I am
Never a firm word from my mouth came
Like the great Shakespeare says, “there’s the rub!”

Yes, Ma’am! I stink!
Yes, folks! I sink
Right in a stinking bowl of tears!
Day after day I shrink
Whenever I come to think
That she’ll never forgive my fears!

Oh, yes sir! I do stink!
And she doesn’t want a wimp
‘Cause I think there’s something decaying inside my chest
Alas! My heart might be dead
And the reek seeps from my head
It can only survive in the snugness of her nest...
Data: 2005

29.11.11

ESTAMOS USANDO O CRACK

 

                             Edmar Oliveira*


Estamos assistindo ao desmonte de um conjunto de políticas modernas e revolucionárias na área da Saúde Mental e a reimplantação de um modelo cruel e historicamente falido. Vamos olhar a questão por uma lente grande angular: setores hipócritas da sociedade, uma mídia alarmista e políticas públicas equivocadas (quando não intencionais) estão usando o crack para criminalizar a pobreza e atacar os bolsões de populações em situação de vulnerabilidade com o eufemismo do “acolhimento involuntário”. Construção inconciliável, que nós, os que trabalhamos no campo da Saúde Mental, sabemos ser falsa: ou bem o acolhimento é voluntário ou, se involuntário, aí não é mais acolhimento, e sim recolhimento. Primeiro veio o ataque às “cracolândias” de São Paulo, depois adotado na Cidade Maravilhosa que precisa ser “higienizada” para os eventos do calendário esportivo mundial. E por imitação, começa a acontecer em outras metrópoles.
            A situação complexa dos bolsões de pobreza, com pessoas em situação de vulnerabilidade, não pode ser entendida de forma simplificada e menos ainda ser resolvida por atitudes apressadas. Para enfrentar a disseminação do uso de crack e outras drogas (o álcool, droga lícita permitida, e os solventes, vendidos para outros fins, estão associados ao crack, que quase nunca é consumido isoladamente), o Ministério da Saúde, através da sua Área Técnica em Saúde Mental, vinha adotando uma Política Nacional de Enfrentamento ao Álcool e outras drogas (PEAD) que previa uma complexidade de equipamentos comunitários, móveis e hospitalares. São os Centros de Atenção Psicossocial para Álcool e outras drogas (CAPS ad como centro de acolhimento diurno ou com leitos funcionando 24 horas); aproximação aos Programas de Saúde da Família através dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (os NASFs); Casas de Acolhimento Transitório (as CATs) para pessoas em situação de vulnerabilidade territorial; Consultórios de Rua, móveis, para o acolhimento e atenção dessas pessoas; Leitos Hospitalares de Referência nos Hospitais Gerais (sim, porque só neles podem ser tratados os agravos clínicos consequentes ao uso de drogas lícitas e ilícitas); além dos hospitais especializados.
Ou seja: a situação complexa do usuário deve ser atendida de forma também complexa, com um conjunto de dispositivos adequados a cada momento às necessidades do usuário. O leito comunitário do CAPS ad e o da Casa de Acolhimento Transitório não é o mesmo do Hospital Geral ou o do Hospital Especializado. Eles não competem entre si, mas são complementares, segundo a necessidade real psicológica e física do usuário a cada momento. A política do recolhimento involuntário oferece apenas um dispositivo, a antiga e inadequada internação psiquiátrica, que a mesma política de Saúde Mental vinha combatendo por seu caráter repressivo e violador dos direitos humanos. Esta forma não pode ser encarada como um tratamento adequado e resolutivo na nossa modernidade, mas apenas um retorno ao “tratamento moral” do começo da psiquiatria no século XVIII.
Assistir ao desmantelamento das políticas complexas, que ainda estavam em ritmo de implantação, para a recuperação de um modelo já condenado no século passado é um martírio que os militantes da construção da Reforma Psiquiátrica estão vivendo. A Reforma Psiquiátrica é um movimento que implantou dispositivos comunitários de Saúde Mental, reduzindo consideravelmente o uso do hospital psiquiátrico especializado. E pior é saber que o modelo da internação (na contramão da Reforma), proposto atualmente, condena à exclusão intencional, em nome do tratamento, populações vulneráveis que sofrem da epidemia de abandono social. E para as quais haveriam de ser implantadas políticas públicas sociais, educacionais, habitacionais e de emprego propondo a inclusão dessas pessoas que ficaram para trás no apressamento competitivo dessa sociedade.
Pois não é o crack a epidemia a ser enfrentada, mas o abandono de populações marginalizadas que não encontram lugar nessa sociedade do individualismo. Talvez por isso eles se juntam nos guetos, onde ainda encontram a solidariedade dos iguais, já que a sociedade não tem lugar para esta gente que não soube encontrar seu lugar. É a partir dos guetos, lugares que geralmente são depósitos de lixo, que os abandonados gritam à sociedade que são o lixo humano sobrante dessa sociedade egoísta. Um observador estrangeiro chamou esses lugares de “manicômios a céu aberto”. Correta observação. Eles estão presos à impossibilidade de pertencimento à sociedade moderna.
Voltando a olhar pela lente grande angular: não é pelo uso do crack que eles se encontram nestes lugares marginalizados a que chamam de “cracolândia”, mas por estarem nestes lugares em situação de vulnerabilidade e abandono é que – também - fazem uso do crack. Todos nós estamos “usando” o crack para esconder nossa sujeira debaixo do tapete.    
*O psiquiatra Edmar Oliveira foi diretor do Instituto Nise da Silveira (RJ). É autor dos livros “Ouvindo Vozes” Vieira & Lent, 2009, RJ; e “von Meduna”, Oficina da Palavra, 2011, Pi, ambos sobre práticas em Saúde Mental.

22.11.11

Paciente psiquiátrico precisa de direito a acompanhante enquanto internado

ZUZU FONTES faz reivindicação essencial: ela pede para que haja uma lei que garanta que o paciente psiquiátrico possa ser acompanhado pelos familiares TODO O TEMPO em que estiver internado. Excelente ideia, Zuzu. Isso ajudaria a acabar com maus tratos nos hospitais psiquiátricos.

"Pelos usuários de sistema de saúde mental terem direito a acompanhante enquanto internados.

Senhores,

Reivindicamos o acompanhamento na internação dos usuários de saúde mental por parente próximo como obrigatório nas instituições psiquiátricas brasileiras.

.....Visto que, o usuário de saúde mental é incapaz.perante a lei e as instituições psiquiátricas são ineficazes em salvaguardar sua dignidade pessoal visto que o usuário de saúde mental depende de apoio da família para sua melhoria e bem estar; e ainda que a internação solitária gera maior incapacidade social causado pelos descasos do quadro clínico e até da família Verificando também que inúmeras drogadições, lobotomias e eletro choques são efetuados em clínicas de saúde mental publicas ou particulares,remédios fortes são prescritos sem o conhecimento e consentimento da família, podemos causar sérios danos ao SNC e dependência química.

Sabemos, que por serem incapazes de lutar pela sua vida e direitos,pelas limitações inerentes aos mesmos,e métodos atuais de internação não possuem até então caráter preventivo de recaídas. Se este paciente, é incapaz pela ciência, porque deixá-los a mercê de médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagens, distanciando-o de sua realidade e dificultando sua recuperação?

A drogadiçao excessiva é motivo de maior despesa no orçamento do SUS e conseqüente volta e permanência do mesmo dentro dos hospitais: quanto maior drogadiçao o usuário for exposto, mais demorará para sua recuperação e reinserção social e familiar. Para livrar-nos do sistema crônico de geração de pacientes psiquiátricos pelas clinicas e laboratórios, devido aos vícios de fármacos contínuos que causam dependência física e psíquica

Ora, são incapacitados, perante a lei, mesmo temporariamente,têm o direito humano de permanecerem acompanhados de familiares, pais,irmãos esposas ou filhos,até a sua alta!

Que seja instituído por lei o direito de um acompanhante quando se der a internação de um usuário de saúde mental em qualquer leito de instituição psiquiátrica brasileira. Que seja pautada na lei a dignidade humana de todos e inclusive do usuário de saúde mental, aprovando e assegurando a permanência de um acompanhante ao paciente, assegurando-lhes o equilíbrio, e a segurança pessoal na insanidade,como cidadãos que são!

Senhores, solicitamos em caráter de urgência esta lei!"

Interessante também é o blog de NERCINDA HEIDERICH, mãe de Ana Carolina C. Heiderich. A filha de Nercinda morreu no hospício Santa Izabel, e por isso ela criou um blog dedicado à memória da filha. Vale a pena dar uma olhada. O hospício Santa Izabel o hospício onde Zulmira Fontes, a Zuzu, foi internada e mal tratada.

21.11.11

Clínica Santa Izabel: Denúncias contra o hospício do Espírito Santo

Zulmira Fontes,no seu blog, BLOG DA ZUZU, denuncia o hospício chamado CLÍNICA SANTA IZABEL na publicação E O MEDICAMENTO PIOROU. Confira.

"Os principais assuntos abordados referiam-se aos Hospitais psiquiátricos do Estado: Adauto Botelho e Clínica Santa Izabel e seus funcionários.
No primeiro dia, foi apresentada a Clínica Santa Izabel, localizada no município de Cachoeiro, ao sul do Estado.

Tal Instituição foi apontada como um espaço protegido, do qual pouco se sabe, pouco pode ser explorado e que resiste ao processo de desinstitucionalização da loucura, mantendo em seus leitos, pacientes ditos loucos e atualizando entre seus muros práticas manicomiais como o eletro choque, abuso sexual de internos, más condições de tratamento e até mesmo casos de morte por incompetência administrativa.

A grande questão discutida foi o porquê de se manter tal clínica, uma vez que as denúncias de maus tratos são constantes. O que parece é haver interesses políticos e econômicos que impedem o fechamento da clínica tal como ela se apresenta.

Por meio de pesquisas, foi possível constatar que muito pouco se publica a respeito da clínica, aumentando ainda mais as incertezas quanto ao real modo de funcionamento do lugar."

A denúncia foi originalmente feita em 8 DE JULHO DE 2010. Hoje em dia, o dono do hospício está tentando processar Zulmira Fontes para que ela tire a denúncia do blog. E nós estamos tentando fechar esta clínica Santa Izabel, pois NÃO TOLERAMOS DESRESPEITOS AOS DIREITOS HUMANOS, NEM ABUSOS DE MAUS PSIQUIATRAS.Esses profissionais deveriam APOIAR os pacientes psiquiátricos, e não tentar processá-los. Isto para mim, já é uma confissão de culpa.

Importante: achei melhor escrever o nome da clínica da mesma maneira que a Zulmira escreveu na publicação original, mas outras fontes chamam a clínica de CLÍNICA SANTA ISABEL. E ainda há quem a chame de CLÍNICA DE REPOUSO SANTA ISABEL. E ainda há quem a chame de CLÍNICA PSIQUIÁTRICA SANTA ISABEL. A clínica fica em Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo.

Enfim, há várias denúncias na internet contra a Clínica Santa Isabel, por maus tratos contra pacientes psiquiátricos.

9.11.11

Elvis Presley e Freddie Mercury: Contrastes

Observamos Elvis e Freddie. Dois ícones.

Observe os contrastes:





Enquanto Elvis toma Coca Cola Freddie se entope de cerveja e outras bebidas alcoólicas.

No fundo, Elvis era bem conservador!!

Enquanto Freddie Mercury morreu de AIDS, Elvis Presley morreu por overdose de psicotrópicos...

Entre os medicamentos que elvis tomava tinha a tal da codeína... Codeína está presente em vários psicotrópicos... bem...

While Elvis takes Coca Cola in the video, Freddie Mercury swallows beer! Elvis is rather conservative, in spite of all.

While Freddie Mercury died of AIDS, Elvis died of overdose of psychotropic drugs...

This is what this post is all about. A reflection...

8.11.11

Heis o inferno: Doença mental

Poucos anos depois de meu tio morrer no hospício, eu passei diante de um desses manicômios. Pessoas gritando, gemidos desesperados. Assustado, pensei, "Heis o inferno. Que sofrimento pode ser comparado ao sofrimento dessas pessoas?"

Realmente NADA poderia ser comparado ao sofrimento de uma doença mental. Apesar de haver gente que ache que dor de dente dói mais. Apesar de haver gente que ache que CHOQUE ELÉTRICO dói mais. Apesar de haver gente que ache que colocar um "piercing" dói mais.

A própria pessoa que sofre dessa doença não tem noção da gravidade da coisa.

Era evidente que tais gemidos não podiam ser apenas "sofrimento psíquico."

Coisas sinistras aconteciam naquele lugar, estava óbvio. E eu daria qualquer coisa para entrar naquele inferno e descobrir EXATAMENTE o que matou meu tio.

7.11.11

O erro médico me afastou de minha família

Por volta de 2003 um psiquiatra cometeu um sério erro médico ao me forçar a tomar lítio.

Como consequência eu me tornei totalmente IRRITADO e NERVOSO. Talvez haja quem acredite que lítio faça bem para bipolares, mas o problema é que eu nunca fui bipolar.

Não vou falar agora sobre os efeitos colaterais do lítio em meu corpo. Nem quero discutir a eficácia da droga chamada lítio. Vou falar rapidamente sobre os efeitos na minha vida pessoal.

Devida a irritação causada pela droga, e por ter sido FORÇADO a tomá-la, eu me afastei de vários familiares.

Não pude ver o crescimento de sobrinhos, entre outras coisas.

Obviamente, os familiares afastados falavam disso para os outros parentes, o que causava INTRIGA, e resultava em desentendimentos com os outros parentes também. LÓGICO que eu NUNCA ia falar mal deles e deixá-los mal.

A coisa estava insuportável, já que os outros parentes achavam que o errado era eu.

Obviamente, os familiares afastados não eram de todo culpados, já que tudo isso aconteceu por causa do infeliz erro médico de um psiquiatra.

6.11.11

Consequências dos psicotrópicos - Relatos de vários pacientes psiquiátricos

Abaixo deixo vários relatos de pessoas que falam sobre os efeitos nefastos de psicotrópicos. Relatos retirados do excelente blog PROGRAMANDO COM DOIS NEURONIOS.

A postagem em questão é: CONSEGUI PARAR DE TOMAR PONDERA!


"A bula do Pondera diz que o remédio não causa dependência, correto? Mas então porque não conseguimos abandonar o uso rapidamente? Porque devemos reduzir a dosagem gradativamente, lentamente, como se fossemos usuários de morfina ou heroína???"

"Fui ao medico porque estava com dificuldade de concentração (também sou da computação). O medico insistiu que eu tinha ansiedade.
Incialmente me receitou Sertralina, mas aí passei a dormir apenas 6h depois de passar intervalos de ~40h plenamente ligado. Apesar de isso ser interessante (hehehe) não estava me fazendo bem.
O medico me receitou então o Pondera. Passados 4 meses com esse maldito veneno, o pouco da minha concentração sumiu completamente e fiquei lerdo feito uma lesma. O medico insistiu que era uma questão de tempo e de me ajustar a medicação. Talvez depois de 2 anos eu conseguisse atingir esse ajuste ao medicamento (grrrrrr).
Durante três semanas fui reduzindo a dosagem de 20mg para zero, intercalando dias a tomar o remédio.
Nossa, que desastre. Agora sim estou na Mer%$. Parece que tenho amnésia. Preciso colar post-it de coisas que quero fazer nos próximos 5min, isso se eu não esquecer de anotar o recado. Além disso, tenho um sono que nem uma turbina de avião me tiraria da cama. Uso dois despertadores que não fazem o menor efeito. Os efeitos colaterais que eu sentia enquanto tomava o Pondera estão 10x mais intensos agora. Estou realmente preocupado... Porque esses médicos não experimentam o Pondera antes de receitá-lo? O sujeito que autorizou a venda do Pondera não deve nem saber o que é um neurônio."

"Olá! Eu também passei e ainda estou na fase de abstinência dos antidepressivos. No inicio era apenas o sertralina, para ajudar na minha TPM e muito stress no ambiente de trabalho. Mas as coisas começaram a piorar cada vez mais. Passei a ficar deprimida.Fui no psiquiatra que me receitou o rivotríl e o pondera,mas as coisas só foram piorando, passei a ter alucinações. me desgostei de vez do meu trabalho e decidir para com as drogas. Mas eu não conseguia. Td vez que parava de tomar eu sofria com a falta deles. Ai fui diminuindo aos poucos e por conta. Parei o setralina e reduzi o rivotril. Aos poucos eu fui diminuindo o rivotril e parei de toma-lo. Fiquei só com o pondera.
Aos poucos fui fazendo a redução do pondera. cortava ele no meio, depois em tres partes até que ; aff. parei com todos eles.
Agora faz 8 dias que parei . Ainda sinto falta mas sei que vou vencer e não usar mais essas drogas.
Mudei de trabalho, mudei minha vida e agora bola para frente. Com fé em Deus nunca mais usarei nada.
Pensem bem antes de embarcar nessa..."

Parabéns ao Cláudio, criador do blog PROGRAMANDO COM DOIS NEURONIOS, que está ajudando a salvar muitas vidas.

3.11.11

Paradoxo do SUS

O ex-presidente do Brasil, Lula, está com câncer de faringe. Algumas pessoas andam dizendo que ele devia fazer o tratamento no SUS, Sistema Único de Saúde do Brasil.

Já estou até imaginando o ex-presidente Luís Inácio da Silva numa fila às três da madrugada pegando número para ser atendido em 2013...

Enfim, o homem que foi presidente do Brasil e sempre disse que o SUS é maravilhoso se arriscaria a ser atendido no SUS do governo de sua protegida e sucessora Dilma Rousseff?

É um paradoxo. Muitos profissionais de saúde pública vivem fazendo campanhas pró-SUS falando que o SUS é uma maravilha.

Mas eles tem plano de saúde, e nunca se submeteriam a ser atendidos no SUS... o mesmo SUS que eles enchem a boca para defender.


Podemos ver na NOTÍCIA SOBRE INTERNAÇÃO DO LULA que ele está deitado numa CAMA no hospital Sírio-Libanês.

Claro que se o ex-presidente Lula fosse ser atendido no SUS, como todo pobre, ele teria que ficar jogado numa maca, mofando. Sem comentários.

Veja o interessante vídeo abaixo sobre um hospital brasileiro.

1.11.11

“All The Answers To My Questions?” (Coleção AS VANESSAS)

“All The Answers To My Questions?”
“In your eyes all the answers to my questions”
That’s exactly what says the song
But I will show you by my words and actions
That it’s my love that is strong

‘Cause I know you’re not only eyes
I praise and worship your mouth and breast
Even your red-dyed hair and your thighs
Plus the lap on which I wanna rest

There’s also the unmentionable place
The one that just makes my pulse race,
O, most wonderful female!

I’d do almost anything to do you good
I’d change the whole world for you if I could
I’m always yours without fail!
Data: 2005
A seguir, a tradução do poema “ALL THE ANSWERS TO MY QUESTIONS?”, que em português significa TODAS AS RESPOSTAS PARA MINHAS PERGUNTAS?

“Todas As Respostas Para Minhas Perguntas?”
“Em seus olhos todas as respostas para minhas perguntas”
É isso mesmo que diz a música
Mas, eu mostrarei pra você através de minhas palavras e ações
Que meu amor que é forte

Pois eu sei que você não é só olhos
Eu louvo e adoro sua boca e seios
Também seus cabelos vermelhos e suas coxas
E o colo onde quero repousar

Tem também aquele lugar do qual não posso falar
Aquele que faz meu pulso disparar
Oh, fêmea maravilhosa!

Eu faria quase tudo pra agradar você
Mudaria todo mundo por você se eu pudesse
Sou sempre seu, sem dúvida!

25.10.11

Confiance (Coleção AS VANESSAS)

Confiance
Confiance ? je ne l’ai pas
Quand un morceau me manque
L’amour, bonheur ?
Je regarde avec souciance !
Romance et rejouissance ?
Je vois avec méfiance !

Tu m’as quitté...
Et mon espoir tu m’as enlevé !
La beauté du monde n’a aucune valeur
Il n’y a pas bonheur, tu ne me laisses que pleur !

Mais, pourquoi est-ce que je pleure
En disant que tu m’as quitté ?
Je n’ai pas même touché ta main,
Mes prières et mes rêves ont été tout en vain !

Je ne sais pourquoi je t’ecris ces choses
Parce que, quand il faut te les dire
Ma bouche demeure close !
Data: 2005

22.10.11

Diabo Loiro: Bizarro?

Abaixo podemos ver o vídeo do polêmico Diabo Loiro, quando esteve no programa Qual é o seu Talento.



Há quem o ache bizarro, há quem sinta agonia ao vê-lo fazendo aquelas loucuras. Mas sinceramente, o que me dava agonia mesmo era ver o tratamento absurdo dado aos pacientes psiquiátricos nos hospitais psiquiátricos, CAPS e instituições psiquiátricas públicas em geral. Ver aqueles absurdos era uma agonia.

Pois são pessoas REAIS sofrendo e sendo tratadas como se valessem menos.

Quanto ao Diabo Loiro, ele é um artista, e um excelente artista. Por que sentir agonia?

20.10.11

Haloperidol (Haldol) comparado com outros psicotrópicos

O psicotrópico haloperidol é útil para conter surtos graves, e funciona muito bem a CURTO PRAZO. (Ou seja, quando utilizado por um curto período de tempo, para emergências.)

Quero deixar claro que o haloperidol, o haldol causa complicações sérias quando usado a LONGO PRAZO.

Quanto a maioria dos outros psicotrópicos, sou obrigado a concordar com a massa que diz que eles são apenas comerciais, apenas visam lucros. Nunca se pôde comprovar a eficácia desses novos psicotrópicos que surgem dia após dia.

O importante site SSRI Stories divulga vários casos de EFEITOS COLATERAIS graves causados por uso de psicotrópicos em todo mundo. Dentre esses efeitos colaterais encontramos SUICÍDIOS, COMPORTAMENTOS VIOLENTOS, ETC.

Entre as sérias sequelas encontramos caso de pessoas que ficaram violentas por causa de crise de abstinência dos psicotrópicos.

Encontramos também pessoas que tiveram crises graves por misturar os perigosos psicotrópicos com bebida alcoólica.

Portanto importante buscar ajuda e apoio ao decidir deixar de tomar esses perigosos psicotrópicos, e nunca se deve misturar essas drogas perigosas com álcool.

A página Psychdrug Dangers também coloca informações muito úteis sobre os perigos dos psicotrópicos.

Há vários casos registrados de complicações a longo prazo do haloperidol, sequelas como a discinesia tardia e a distonia.

Falei bastante sobre essas sequelas e efeitos colaterais nas publicações

DISTONIA E DISCINESIA TARDIA: ALGUMAS DAS DOENÇAS CAUSADAS PELA PSIQUIATRIA MODERNA

e EFEITOS COLATERAIS MONSTRUOSOS (DO HALOPERIDOL, DA SULPIRIDA E DA RISPERIDONA)

Haloperidol e clorpromazina foram invenções maravilhosas; funcionam muito bem SE usadas com moderação a CURTO PRAZO, insisto.

Um bom psiquiatra pode diminuir o uso de psicotrópicos com o auxílio de tratamentos alternativos.



Para fechar esta publicação, deixo abaixo o vídeo que mostra as complicações sérias causadas pelo uso a longo prazo do psicotrópico geodon; e deixo o link do vídeo que mostra a triste sequela que um adolescente enfrentou depois de tomar risperidona por um longo período. Cresceu seios no rapaz como efeito colateral do risperidona!

Confira abaixo:



RISPERIDONA/RISPERDAL FAZ CRESCER SEIOS EM ADOLESCENTE
-
-

14.10.11

Enquete sobre português brasileiro

Qual forma abaixo é TOTALMENTE inaceitável de acordo com a norma culta do português do Brasil?

11 pessoas (28%) responderam que "Ele tinha me ajudado" é TOTALMENTE inaceitável de acordo com a norma culta do português do Brasil. Porém esta forma está correta e é a mais indicada.

12 pessoas (30%) responderam que “Ele tinha ajudado-me” é inaceitável na norma culta do português brasileiro, e essas pessoas ESTÃO CERTAS. Pois não se coloca pronome oblíquo (me, se) depois de particípio (ajudado). Exemplos de particípios: ajudado, trabalhado, cansado...

16 pessoas (41%)responderam que "Ele me tinha ajudado" é TOTALMENTE inaceitável de acordo com a norma culta do português do Brasil. Porém esta forma está correta, apesar de estranha.

Vamos ver a conjugação e entender por que:
Ele me ajuda. Ajuda-me.
Ele me ajudou. Ajudou-me.
As formas acima estão corretas, mas existe “Ele me ajudado”? Lógico que não. Por isso também não existe “ajudado-me”. Isso porque “ajudado” precisa de um VERBO AUXILIAR.

Um verbo AUXILIAR como TER ou SER. Exemplos: “Ele tinha me ajudado” verbo auxiliar TER. “Eu fui ajudado por ele” verbo auxiliar SER.

Como TER é um verbo auxiliar nesse caso, tanto faz se o pronome oblíquo “me” vem antes ou depois de “tinha”, portanto “Ele me tinha ajudado” também está correto, apesar de estranho.

Algumas pessoas devem ter se confundido por causa do idioma inglês, já que no inglês a frase seria "He had helped me". No inglês "me" vem depois do verbo "help", mas observe que no inglês é sempre assim. He helps me. He helped me. Etc. Não existe "He me helped".

Mais uma observação: “Ele não ajuda-me” está incorreto. O correto é “Ele não me ajuda”. Mas “Ele não tinha me ajudado” está correto, pois em frases negativas “me” não deve ficar depois do verbo. Mas lembre-se que o verbo PRINCIPAL é AJUDAR, e TER é apenas AUXILIAR.

OBRIGADO A TODOS QUE RESPONDERAM AO ENQUETE.

1.10.11

Funcionários Públicos preguiçosos - Cartum

Veja este interessante cartum sobre funcionários públicos preguiçosos e uma cena que todos nós trabalhadores sérios adoraríamos ver. Curta.





Eu estou republicando este cartum, já que em muitas instituições públicas a preguiça continua...

30.9.11

Quando você revelou que não me amava... - Coleção AS VANESSAS

Quando você revelou que não me amava
Me deixou tão perdido...
Perdido, mas livre!
Como um pássaro na imensidão do céu
Tanto espaço, tanto azul
Sem saber aonde ir.
Mas esse azul, não é azul
É blue!...
Blue de melancolia
Não azul de alegria.

27.9.11

Como Tirar Passe Livre Interestadual

Os brasileiros com deficiências têm direito a tirar um passe livre interestadual que lhes possibilitará viajar gratuitamente por todo o país.

Este é um direito garantido as pessoas CARENTES portadoras de deficiências, seja deficiência física, visual, mental, ou renal crônica.

E os pacientes psiquiátricos também têm direito, como explicarei mais abaixo.

Para solicitar o passe é preciso comprovar que a família tem uma renda de, no máximo, um salário mínimo por pessoa. Enfim, um salário mínimo per capita, um salário mínimo por cabeça.

Ou seja, se você recebe dois salários mínimos, mas tem outra pessoa na sua casa que não tem renda, você tem direito ao passe por ser comprovadamente carente.

Outro exemplo: se você recebe quatro salários mínimos, mas tem três filhos pequenos que naturalmente não trabalham, você tem direito, pois a soma das pessoas da casa dá quatro.

Outro exemplo: se você e seu esposo ou esposa recebem cinco salários mínimos, mas têm três filhos pequenos que naturalmente não trabalham, você tem direito, pois a soma das pessoas da casa dá cinco. E assim por diante.

Documentos necessários para tirar o passe livre interestadual



Você deverá baixar o Atestado da Equipe Multiprofissional, uma papelada que deverá ser preenchida por profissionais, comprovando a deficiência.

No caso das pessoas que fazem tratamento psiquiátrico, o psiquiatra e um outro profissional de saúde mental deverão preencher o Atestado da Equipe Multiprofissional.

Você pode baixar o Atestado da Equipe Multiprofissional indo ao site http://www.transportes.gov.br/index/conteudo/id/36037

Depois você deverá preencher o Requerimento - Formulário Modelo.

Você pode baixar o Requerimento - Formulário Modelo indo ao site http://www.transportes.gov.br/index/conteudo/id/36043

Para ver mais informações sobre o passe, vá para a página do ministério dos transportes clicando aqui no link.

Os pacientes psiquiátricos de todo o Brasil têm direito ao passe livre interestadual.

As pessoas que fazem tratamento psiquiátrico contínuo podem solicitar o passe, inclusive, vários pacientes psiquiátricos já o possuem.

Várias pessoas com transtorno mental possuem o passe. Pois os psiquiatras e profissionais de saúde mental entendem que a pessoa, apesar de não ser deficiente mental, é considerada crônica, enfrenta várias dificuldades, e necessita muito de LAZER, que é essencial para sua recuperação.

Link para o Manual do Beneficiário, para que você possa se informar mais sobre o passe interestadual: http://www.transportes.gov.br/index/conteudo/id/36024

Link para o Requerimento - Formulário Modelo: http://www.transportes.gov.br/index/conteudo/id/36043

Link para o Atestado da Equipe Multiprofissional: http://www.transportes.gov.br/index/conteudo/id/36037

PERNAS CURTAS, PROMESSAS COMPRIDAS - CARTUM

Cartum sobre políticos e suas promessas...




De minha coleção pessoal de cartuns, dos jornais que eu leio.

14.9.11

Novela Morde e Assopra Mostra Doença Mental - Melhor Que Caminho Das Índias

A novela Morde e Assopra tem mostrado a doença mental de uma forma muito boa. Essa novela das sete está, de fato, ajudando a passar uma boa noção do que é doença mental e dos sofrimentos e estigmas que um paciente psiquiátrico sofre.

Na novela, a personagem Naomi, interpretada pela belíssima Flávia Alessandra, sofreu um surto psiquiátrico no passado.

Foi excelente, por exemplo, a cena em que a Naomi diz que prefere ir para a cadeia do que para um hospital psiquiátrico! Isso dá uma ideia verdadeira do inferno que é uma internação.

Para quem tiver oportunidade, vale a pena ver a abordagem do tema nessa novela brasileira, exibida na Rede Globo.

12.9.11

Cuidado Com Abusos nos Hospitais Psiquiátricos e CAPs

Assim foram meus últimos momentos no CAPs:

Eu fui procurar algum técnico de saúde mental. Enfim, procurava algum psicólogo, psiquiatra ou outro terapeuta. Não encontrei ninguém. Estavam todos dentro das salas do serviço. Estavam na sala da televisão, na sala dos computadores, e nas salas dos técnicos.

Os pacientes psiquiátricos estavam pelos corredores, já que não podiam nem ver televisão, nem usar computadores. Não havia nem almoço, nem água no CAPs.

Fui bater nas portas para falar com algum técnico. Ninguém respondeu. As portas estavam trancadas por dentro. Enquanto isso um dos pacientes psiquiátricos mexia no lixo.

Naturalmente depois disso eu fui embora e nunca mais voltei a esse CAPs. Eu não poderia suportar ver esses absurdos.

EXIJA VER SEU FAMILIAR PACIENTE PSIQUIÁTRICO QUE ESTIVER INTERNADO


E é importante que os familiares e amigos acompanhem os pacientes psiquiátricos internados de perto, pois longe dos olhos da sociedade acontecem coisas terríveis. Da mesma forma acontecem coisas terríveis nos CAPs, pois os técnicos de saúde mental se mantem afastados e não veem coisas graves que acontecem, como abusos sexuais.

Ao sair da internação eu fiz um exame de HIV. Pois eu tinha presenciado pacientes psiquiátricos fora de crise abusando sexualmente de pacientes que estavam inconscientes por causa do surto.

Como, muitas vezes, eu também fiquei inconsciente, sabia que eu também podia ter sofrido abuso sem saber. E podia ter contraído HIV.

Acho que nem preciso dizer que presenciei vários abusos no CAPs também.

E não adiantou nada reclamar.

9.9.11

WHO WOULD CARE FOR A BROKEN HEART? (Coleção AS VANESSAS)

WHO WOULD CARE FOR A BROKEN HEART?
Who would care for a broken heart?
It’s brand new but it’s aching
Though it’s aching it’s not failing
It’s kept in shape by missing and pain

The longing love keeps it on, again and again
Maybe someone else can make better use of it
Because I can’t take the strain, it’s tightening!
It’s fine, but this machine can’t keep up with it

It’s beating too fast, yeah; it’s beating me!
It’s beating so fast that it might explode
Maybe in someone else’s chest it can be controlled

And, to make things worse, it’s infecting all my members!
They’re stiffening, sweating, they can’t let me be!
My heart is poisoning all within and without me!
(I couldn’t go on with this poem because the poison has taken me completely!)

Abaixo a tradução do poema acima.
QUEM SE INTERESSARIA POR UM CORAÇÃO FERIDO?
Quem se interessaria por um coração ferido?
Está novinho, mas está dolorido
Apesar de estar dolorido não está falhando
Ele se mantém em forma por causa da saudade e da dor

O amor ansioso o mantém funcionando, o tempo todo
Talvez outro alguém possa fazer melhor uso dele
Por que eu não posso agüentar a pressão, está me sufocando!
Ele está ótimo, mas este corpo não pode suportá-lo

Ele está batendo muito forte, sim; está acabando comigo!
Está batendo tão rápido que poderia explodir
Talvez no peito de outra pessoa ele possa ser controlado

E, pra piorar ele está infeccionando todos meus membros!
Eles estão endurecendo, suando, não me deixam em paz!
Meu coração me envenena, por dentro e por fora!

18.8.11

Manicômios, hospícios, hospitais psiquiátricos e o terror

Aquela mãe repetia “Meu paciente morreu, mas não tenho nenhum remorso. Sei que fiz tudo que poderia fazer.”

Eu me compadecia por ela, pois sabia que, no fundo, o remorso a consumia. Me compadecia, pois sabia que ela era uma boa familiar. Tanto que somente um bom familiar sentiria remorso, e continuaria lutando para que outros não tenham o destino de seu familiar, como essa mãe fazia.

E lamentava que, aquele rapaz que morrera, paciente psiquiátrico, tinha perdido a mãe antes de morrer. É que a mãe já não o via como filho, e sim como paciente. Ela só o chamava de paciente, e raramente de filho.

Aquela mãe tinha se tornado enfermeira do filho, psiquiatra, psicóloga, ou coisa assim. Não era mais mãe. E ele não era mais filho dela. Era paciente. Não era mais família. Aquele rapaz continuava internado mesmo quando voltava para casa da internação.

Esse é o HOSPÍCIO EXTERNO. O hospício fora da internação.

Agora eu vou contar minha experiência não do ponto de vista de um paciente psiquiátrico ou ex-paciente psiquiátrico. Mas sim do ponto de vista de familiar. Pois como já disse tenho familiares que morreram em instituições psiquiátricas.

Daí que de meu ponto de vista de familiar é claro que eu NUNCA poderia ter sofrido como meus familiares que morreram sofreram. E realmente seria hipocrisia dizer que sofri tanto assim como familiar. Como sei que ninguém da família sofreu como esses falecidos pacientes psiquiátricos da família.

O meu tio que morreu mais recentemente tinha crises constantes e por isso foi abandonado pela família, sendo largado nos hospícios da vida. Ele dava muito trabalho, pois tinha crises constantes.

Com a chegada das leis da Reforma Psiquiátrica, por volta de 2001, ele passou a morar numa residência terapêutica. Mas pelo que me disseram ele era acompanhado praticamente noite e dia por enfermeiros nessa residência terapêutica.

Enfim, essa não é a vida que eu ia querer para mim, e provavelmente você também não ia querer para você. Ele não tinha mais o afeto dos familiares, e praticamente foi condenado a um HOSPÍCIO EXTERNO, pois era monitorado por profissionais de saúde mental dia e noite.

E ele deve ter morrido com sentimentos de culpa. Deve ter pensado “poxa, eu fui um peso para minha família. Não valho nada.” Realmente esse é um dos piores destinos que alguém pode ter.

Quanto ao outro tio, o destino foi mais negro. Ele morreu no hospício. No início da década de 90. Quando estava bem longe de haver a Reforma Psiquiátrica, que fiscaliza UM POUCO os hospícios.

Ele era tranquilo. Estava domado. Se comportava bem. E quando começava a reclamar era internado rapidinho. Por isso suas internações eram constantes. Vivia mais no hospício que em casa.

Naturalmente quando ele morreu no hospício eu logo vi que era óbvio que aquilo não era morte natural. Não era tão ingênuo, apesar de jovem. Pensei que a família ia começar um protesto sério contra isso, mas quebrei a cara.

O que eu, um jovem que era tão pouco respeitado, poderia fazer contra isso? Decidi deixar para tomar providências anos depois.

Claro que na época eu suspeitava que aquela morte não tinha sido uma “complicação” natural. Na época eu ainda não tinha sido internado no hospício. Hoje eu tenho certeza que meu tio merecia um pouco mais de atenção na questão de sua morte.

Ele não morreu num SPA. Morreu num hospício. Talvez eu deva descrever como as pessoas que morrem no hospício são tratadas, a partir de minha experiência de internação.

Na hora do café da manhã, no sanatório, eu me espantei com uma cena de filme de terror. Enfermeiros, ou auxiliares de enfermagem levavam uma figura enfaixada. A figura parecia uma múmia.

Ao levar a figura os enfermeiros, volta e meia, batiam com a cabeça da figura no corrimão, por acidente. Riam, faziam piadas.

Eu já acreditava que aquilo era uma brincadeira de mau-gosto. Como poderia ser real? Mas para meu total terror, eu vim a saber depois que aquela múmia era um paciente psiquiátrico que tinha morrido. Tropeçou no banho!!! Se você visse a estrutura dessa figura você ia duvidar desse tropeção fatal, obviamente.

Claro que ficava cada vez mais claro para mim que lá dentro minha vida não valia nada. Uma pessoa morreu num hospício, dito hospital psiquiátrico, e nem uma perícia decente houve.

O corpo não deveria ser removido só pela polícia? O local da morte não deveria ser interditado? Não deveria haver uma investigação quanto a causa da morte? A polícia não deveria ir ao local? Nada disso aconteceu.

Ou será que alguém acha que paciente psiquiátrico não merece esses procedimentos que as pessoas “normais” têm?

Esse texto é parte de um documento escrito pelo autor sobre a INSTITUCIONALIZAÇÃO e pode ser lido na íntegra no blog http://paciente-psiquiatrico.blogspot.com/. Obrigado pelos comentários de todos. Esta publicação foi primeiro publicada em 07 de Janeiro de 2010 e foi editada em 18 de agosto de 2011.

6.8.11

INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA

Manifesto das Crianças e Adolescentes em Situação de Rua
na cidade do Rio de Janeiro contra as operações de recolhimento
Considerando a prática do recolhimento da população que se encontra em situação de rua, adotada historicamente pelo Poder Público do Rio de Janeiro, como uma prática arbitrária e desumana, que faz uso da força e violência policial para retirar pessoas que estão em situação de abandono nas ruas;
Considerando a RESOLUÇÃO SMAS Nº 20 DE 27 DE MAIO DE 2011, que cria e regulamenta o Protocolo do Serviço Especializado em Abordagem Social, tendo em seus objetivos o recolhimento compulsório de crianças e adolescentes em situação de rua na cidade do Rio de Janeiro, uma resolução que viola a Constituição Federal, o Estatuto da Criança e do Adolescente, a Convenção Internacional dos Direitos da Criança e a Lei de Saúde Mental, dentre outras;
Considerando que a citada resolução infringe as diretrizes estabelecidas na Política Municipal de Atendimento às Crianças e Adolescentes em Situação de Rua, deliberada pelo CMDCA Rio em 2009, crianças e adolescentes reunidos no Fórum das Crianças e Adolescentes em Situação de Rua, realizado pela Rede Rio Criança1, no dia 15 de junho de 2011, denunciam e reivindicam:
- Nós, crianças e adolescentes em situação de rua denunciamos as operações de recolhimento, feitas na cidade do Rio de Janeiro pela Prefeitura do Rio, todas feitas de forma violenta pela polícia, que chegam batendo, agredindo, e nos levam para a delegacia como se fôssemos bandidos, e para abrigos que não adiantam de nada. O que adianta tirar as pessoas da rua e não oferecer nada melhor? Antes de recolher tem que ter um Plano que ofereça melhores condições de vida para as pessoas.
- Denunciamos os policiais que levam nosso dinheiro, levam tudo o que a gente tem.
- Denunciamos a forma como os policiais entram nas comunidades, dando tiro, achando que todo mundo é bandido. Eles não respeitam as pessoas.
- Denunciamos a forma como tratam as pessoas que fazem uso de droga, pois em vez de tratarem, reprimem e dopam a gente. Eles ficam só em cima dos “cracudos” e têm muita gente morrendo de overdose por outras drogas.
- Denunciamos a clínica de Barra Mansa, Casa Reviva, que dopam a gente o dia todo e ainda nos amarram na cama.
- Denunciamos o tipo de tratamento nas clínicas para tratamento de drogadição, que dão remédios e não nos oferecem outras atividades. O tratamento é importante, mas é tudo fogo de palha, é tudo por causa da Copa; estão apenas maquiando a cidade.
1 A Rede Rio Criança é uma articulação formada por 16 ONGs, que atuam de forma articulada e complementar no atendimento às crianças e adolescentes em situação de rua na cidade do Rio de Janeiro.
- Denunciamos o DEGASE (Instituto Padre Severino), pois eles batem, esculacham os adolescentes lá dentro, oprimem o menor. E muitas vezes pegam o dinheiro das famílias quando vão visitar. Os adolescentes saem pior do que quando entraram.
- Nós reivindicamos que tem sim que acabar com a cracolândia, mas tem que dar um tratamento digno. Tem que levar as pessoas para um local que oferecesse alguma coisa melhor, escolas, estágio, profissionalização.
- As pessoas que estão na rua têm que ser respeitadas, tem que dar outra alternativa, e não cadeia.
- Tem que ouvir as pessoas, e não ficar agindo por elas. Tem que saber o que elas querem, o que precisam.
- Tem que ter escuta, afeto, cuidado, e não repressão.
- A polícia e a prefeitura devem selecionar melhor as pessoas que abordam, não pode colocar pessoas despreparadas.
- Queremos, enfim, que nos tratem como pessoas que somos, e que respeitem nossos direitos.
Fórum das Crianças e Adolescentes em Situação de Rua da Rede Rio Criança

2.8.11

Carta da Dra. DRA. MARIA ISABEL LEPSCH AO GOVERNADOR DO RIO DE JANEIRO - SERGIO CABRAL - LEIA E DIVULGUE
Sabe, governador, somos contemporâneos, quase da mesma idade, mas vivemos em mundos bem diferentes.
Sou classe média, bem média, médica, pediatra, deprimida e indignada com as canalhices que estão acontecendo.
Não conheço bem a sua história pessoal e certamente o senhor não sabe nada da minha também.
Fiz um vestibular bastante disputado e com grande empenho tive a oportunidade de freqüentar a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, hoje esquartejada pela omissão e politiquices do poder público estadual.
Fiz treinamento no Hospital Pedro Ernesto, hoje vivendo de esmolas emergenciais em troca de leito s da dengue.
Parece-me que o senhor desconhece esta realidade. O seu terceiro grau não foi tão suado assim, em universidade sem muito prestígio, curso na época pouco disputado, turma de meninos Zona Sul ...
Aprendi medicina em hospital de pobre, trabalhei muito sem remuneração em troca de aprendizado.
Ao final do curso nova seleção, agora para residência. Mais trabalho com pouco dinheiro e pacientes pobres, o povo. Sempre fui doutrinada a fazer o máximo com o mínimo.
Muitas noites sem dormir, e lhe garanto que não foram em salinhas refrigeradas costurando coligações e acordos para o povo que o senhor nem conhece o cheiro ou choro em momento de dor..
No início da década de noventa fui aprovada num concurso para ser médica da Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro'. A melhor decisão da minha vida, da qual hoje mais do que nunca não me arrependo, foi abandonar este cargo .
Não se pode querer ser Dom Quixote, herói ou justiceiro. Dói assistir a morte por falta de recursos. Dói, como mãe de quatro filhos, ver outros filhos de outras mães não serem salvos por falta de condições de trabalho.
Fingir que trabalha, fingir que é médico, estar cara-a-cara com o paciente como representante de um sistema de saúde ridículo, ter a
possibilidade de se contaminar e se acostumar com uma pseudo-medicina é doloroso, aviltante e uma enorme frustração.
Aprendi em muitas daquelas noites insones tudo o que sei fazer e gosto muito do que eu faço. Sou médica porque gosto. Sou pediatra por opção e com convicção. Não me arrependo. Prometi a mim mesma fazer o melhor de mim.
É um deboche numa cidade como o Rio de Janeiro, num estado como o nosso assistir políticos como o senhor discursarem com a cara mais lavada que este é o momento de deixar de lenga-lenga para salvar vidas. Que vidas, senhor governador? Nas UPAS? Tudo de fachada para engabelar o povão!!!!
Por amor ao povo o senhor trabalharia pelo que o senhor paga ao médico?
Os médicos não criaram os mosquitos. Os hospitais não estão com problema somente agora. Não faltam especialistas. O que falta é quem queira se sujeitar a triste realidade do médico da SES para tentar resolver emergencialmente a omissão de anos.
A mídia planta terrorismo no coração das mães que desesperadas correm a qualquer sintoma inespecífico para as urgências...
Não há pediatra neste momento que não esteja sobrecarregado. Mesmo na medicina privada há uma grande dificuldade em administrar uma demanda absurda de atendimentos em clínicas, consultórios ou telefones. Todos em pânico.
E aí vem o senhor com a história do lenga-lenga. Acorde governador! Hoje o senhor é poder executivo. Esqueça um pouco das fotos com o presidente e com a mãe do PAC, esqueça a escolha do prefeito, esqueça a carinha de bom moço consternado na televisão.
Faça a mudança. Execute.

"Lenga-lenga" é não mudar os hospitais e os salários.
Quem sabe o senhor poderia trabalhar como voluntário também. Chame a sua família. Venha sentir o stress de uma mãe, não daquelas de
pracinha com babá, que o senhor bem conhece, mas daquelas que nem podem faltar ao trabalho para cuidar de um filho doente. Venha
preparado porque as pessoas estão armadas, com pouca tolerância, em pânico.
Quem sabe entra no seu nariz o cheiro do pobre, do povo e o senhor tenta virar o jogo.
A responsabilidade é sua, governador. Afinal, quem é, ou são, os vagabundos, Governador ?

Dra. Ma. Isabel LepschRua Miguel de Frias 51 sala 303 Tel: 2704-4104/9986- 2514 - ICARAÍ - NITERÓI
Av. Amaral Peixoto 60 sala 316 Tel: 2613-2248/2704- 410 4/9982- 8995 - CENTRO - NITERÓI
SÃO GONÇALO Rua Dr. Francisco Portela 2385 Parada 40 Tel: 2605-0193/3713-
0879


Dr. Luiz Nunes de Araújo
Medico do Trabalho
fones: (92) 9114 5874
236 6615
2129 9004
E-mail: dr.lna@ig..com. br,
dr.lna@hotmail. com
dr.lna@unimedmanaus .
com.br

Através da Divulgação é que podemos tentar ajudar a diminuir a
DESASISTÊNCIA TOTAL DO GOVERNO AOS HOSPITAIS PÚBLICOS DO BRASIL
(CRÍTICA FORTE AOS DO RIO DE JANEIRO)

30.7.11

E a luta? Movimentos de meninos e meninas de rua? Conselho tutelar?

Margarida Pressburger: Higienização e (des)abrigo

Presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB
Rio - A Resolução 20 da Secretaria Municipal de Saúde atropela a Lei 10.216/2001, que regulamenta a política de saúde mental e trata da internação compulsória. Além disso, derruba os Provimentos 4 e 9 do Conselho Nacional de Justiça, que preveem, no limite, a atuação do Judiciário no encaminhamento de usuário de drogas à rede de tratamento, assim como políticas de reinserção social de crianças e adolescentes dependentes.

Não questiono o ‘acolhimento’ das crianças pelo simplista foco do direito de ir e vir. O Estado deve prover educação, alimentação, moradia e tudo o previsto na Constituição Federal.
Ao apontar a inconstitucionalidade da resolução do abrigo compulsório de jovens dependentes de drogas, eu me refiro à forma como o ‘recolhimento’ é feito, particularmente em zonas turísticas, mostrando intenção de higienização preparatória para os eventos de 2014 e 2016.
Moradora de uma dessas áreas, sou afrontada diariamente com a visão desse ‘recolhimento’. Crianças e adolescentes são arrancados das ruas de forma violenta por policiais militares e civis e guardas municipais. A OAB/RJ também recebe denúncias de maus-tratos e de violências contra eles nos abrigos.
Essa visão me transporta aos tempos da ‘carrocinha’ que recolhia animais soltos nas ruas. Eu, menina, chorava ao imaginar que eram levados para a fábrica de sabão, como diziam.
Hoje choro pelos brasileirinhos arrastados para (des)abrigos sem estrutura de tratamento médico ou social digno.

25.7.11

Céu Sem Nuvens (Coleção AS VANESSAS)

Céu Sem Nuvens

Céu sem nuvens,
Mas também sem sol
Rua sem saída
Adeus sem despedida
Adeus sem Deus...

Mundo de beleza,
Mas sem poesia
Beleza sem luz.
Mesmo numa multidão,
Só há solidão.
Pois, falta alguma coisa
Pois, falta um sentido.

Uma vida espaçosa como uma imensidão.
Porém, sem nada,
Sem nem menos vácuo.
Algo maior do que o vácuo
Onde eu me encontro sozinho,
Sem você...
Data: 2005

11.7.11

Opinião e Direito de Expressão

A Declaração Universal dos Direitos Humanos diz:

Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular.

Everyone has the right to freedom of thought, conscience and religion; this right includes freedom to change his religion or belief, and freedom, either alone or in community with others and in public or private, to manifest his religion or belief in teaching, practice, worship and observance.

Portanto eu tenho direito a manifestar minhas opiniões aqui e acredito que mereço ser respeitado se não concordo com a forma que os pacientes psiquiátricos são tratados no SUS. Tenho direito de dizer que os psicotrópicos devem ser prescritos somente como último recurso e estou convencido de que tenho razão.

O que não quer dizer que eu seja DONO DA VERDADE. As pessoas têm o direito de pensar diferente.

E partindo deste ponto mais uma vez eu digo que não é possível ver homossexualidade como normal, mas não creio que seja errado, nem que seja pecado.

O que eu quero deixar bem claro é que eu vou continuar expressando CADA UMA de minhas opiniões, como já disse não tenho a intenção de ofender ninguém.

E mais uma vez digo que todas as opiniões dos leitores são bem-vindas e respeitadas aqui.

Obrigado.

10.7.11

Respeito a Opinião de Cada Um

Nos últimos dias recebi comentários de pessoas que se mostraram TOTALMENTE indignadas com algumas de minhas últimas opiniões.

Disseram que seguiam meu blog e que por causa de minha opinião deixariam de seguir, tirariam o link que tinham para minha página.

Bem, achei estranho. E me pareceu que essas pessoas têm dificuldades para aceitar opiniões contrárias.

Naturalmente eu respeito as ideias de cada um, mesmo quando não concordo. O que eu acho neste caso é que essas pessoas não tinham chegado a conhecer meus blogs a fundo. Pois as minhas opiniões que receberam essas críticas tão radicais já tinham sido expressas por mim anteriormente.

Lamento que essas pessoas tenham ficado zangadas e espero que elas aprendam a aceitar as opiniões adversas. Vai fazer bem para elas.

Ademais quero dizer que eu NUNCA quis ofender nenhuma classe, nunca quis ofender nenhuma orientação sexual ou religiosa.

Peço desculpas a quem tenha se sentido ofendido e devo dizer que vou continuar expressando minha opinião, apesar de tudo. E, é claro, vou continuar publicando as opiniões de qualquer pessoa, sem discriminação.

O site PACIENTE PSIQUIÁTRICO sempre estará aberto para quem quiser dar sua opinião. Pois é isso que o diferencia dos vários sites que falam de saúde mental.

9.7.11

Boletim de Ocorrência

Quando eu fui solicitar gratuidade para tirar a segunda via de minha carteira de identidade que eu perdi fui informado pelo pessoal da defensoria pública que eu deveria ter feito boletim de ocorrência.

Um procedimento lógico que eu não achei necessário na época. Tanto que eu estava inconsciente quando perdi meus documentos. Quando acordei estava sem camisa, sem meu celular, sem minha bolsa, sem nada.

Interessante frisar também que eu falei disso no CAPS que eu frequentava e não havia ninguém lá para me orientar sobre isso.

POR ESSE MOTIVO e outros que eu digo que é necessário haver advogados disponíveis na saúde mental pública para orientar os pacientes psiquiátricos.

E, é claro, parece que eu cometi um erro também ao deixar de denunciar os funcionários do CAPS por mal atendimento. (Falo de outras ocasiões relatadas nesta página.)

Vamos ficar de olho.

Isso é tudo que posso publicar por hoje. Até breve.

6.7.11

Respostas aos comentários - Reply to the comments

Agradeço aos comentários deixados aqui e aproveito para responder alguns:

Quanto ao comentário de LOUCA PELA VIDA, devo dizer que o mais importante é saúde. Crise financeira não é tão grave. Posso aguentar falta de dinheiro estando bem de saúde. O mais importante é que estou ótimo de saúde.

Quanto ao comentário de Sarah

O que Moisés falou sobre homem se deitar com homem



"acontece que o hermafrodita nasceu com dois órgãos, masculino e feminino, e tem direito a decidir. Já o homem ou a mulher que decidir ser homo eles nasceram normais e se escolheram esse caminhos foi por desejo no mesmo sexo,sendo que eles teriam que querer o sexo oposto!" Lv. 20.13 – 'Quando também um homem se deitar com outro homem como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue é sobre eles.' ( Lv. 18.22; Dt. 23.17 )"

Eu concordo totalmente com o que Moisés escreveu, pois nunca houve nenhuma pessoa que tenha estado tanto a frente dos tempos como ele. Ele diz na passagem que você mencionou: CERTAMENTE MORRERÃO. Gostando ou não temos que admitir que ele acertou. Pois sabemos que a AIDS (SIDA) começou a se espalhar através de homossexuais. É uma realidade triste.

Observe que a bíblia é tão EXATA que inclusive menciona SANGUE. Sabemos que AIDS (SIDA) é uma doença de sangue.

Continuo dizendo que Moisés está falando HOMEM QUE DEITAR COM OUTRO HOMEM. Homossexual não é homem. E certamente não é normal (apesar de não ser errado). Essas pessoas têm problemas de adaptação sexual. Insisto que essas pessoas têm o mesmo problema dos hermafroditas.

E o termo homossexualismo não está na Bíblia porque depois que a medicina passou a tentar tratar das COMPLICAÇÕES SOFRIDAS por quem é homossexual. É uma pena que agora as pessoas que estão sofrendo não recebam mais apoio médico, devido a hipocrisia de nossos tempos.

As pessoas deveriam ter apoio médico e psicológico para viver como homossexuais quando desejam assim, da mesma forma que deveriam ter apoio para se livrar dos pensamentos homossexuais quando a pessoa NÃO QUER ser homossexual e quer levar uma vida heterossexual. É uma opção que deveria ser respeitada.

O que Moisés diz que Deus condena é a PROMISCUIDADE. Ou seja, quem faz isso apenas para experimentar coisas novas, ser moderno. Insisto que esse não é o caso de um homossexual que decide virar transexual, por exemplo.

Entenda que ninguém vai querer viver na margem da sociedade se tiver outra opção.

Ademais agradeço às pessoas que apreciaram os poemas da série AS VANESSAS. Estarei publicando mais, breve.

Thanks to all who have appreciated the poems of the series AS VANESSAS. I'll be publishing more soon.

2.7.11

VANESSA É BELA - Poema multilíngue

VANESSA É BELA
Vanessa é bela
Sim, eu sei, Vanessa é bela...
Quando ela passa com aquele andar dela
Meu coração vai com ela, meu coração vai com ela!

Vanessa is cute
Yes, I know!
Vanessa is cute...
When she goes by with her nice figure
My heart goes with’er...
My heart goes with’er...

Vanessa est belle,
Oui, monsieur ! Vanessa est belle!
Quand elle va si jolie et assurée
Elle porte mon cœur entier...
Elle porte mon cœur entier...

Vanessa è bella
Sì, lo so, Vanessa è bella!
Quando lei va con sua bella faccia
Mio cuore la traccia...
Mio cuore la traccia!
Data: 2005

25.6.11

VANESSA, minha bela

VANESSA, minha bela
Que encerra
Maravilhas do céu
Um exagero, uma loucura?
Uma loucura, talvez
Um exagero, não !
Data: 2005

23.6.11

CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DO SUS!!!

SEMINÁRIO ESTADUAL DE LUTA CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE
O Fórum de Saúde do Rio de Janeiro que articula diversos movimentos sociais, sindicatos, partidos políticos, centrais sindicais, usuários, trabalhadores da saúde e setores da comunidade acadêmica, realizará mais uma atividade contra o sucateamento e a privatização do SUS em curso em todo o país.

Este Seminário, organizado pelo Fórum de Saúde do Rio de Janeiro, visa promover uma reflexão acerca das lutas já travadas pelo movimento e traçar seus próximos objetivos, além de buscar a unificação dos movimentos sociais em torno da luta contra a privatização das políticas públicas.

Para tanto, teremos inicialmente uma mesa-redonda intitulada “A conjuntura da Saúde e a Privatização das Políticas Sociais”, trazendo análises de conjuntura apresentadas pelo presidente do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (SINMED/RJ), Jorge Darze, pela professora do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva (IESC/UFRJ), Fátima Siliansky, além de representantes do Fórum Estadual em Defesa da Educação Pública, do Comitê Popular da Copa e Olimpíadas do Rio e do Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (MUSPE). Esta mesa também contará com um representante do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho e Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (SINDSPREV/RJ) como debatedor e com a professora Maria Inês Bravo, da Faculdade de Serviço Social da UERJ, como coordenadora.

Após a mesa os participantes do Seminário se dividirão em Grupos de Trabalho, a fim de trazer propostas objetivas sobre a organização do Fórum para ao final estabelecer estratégias futuras.  

O Seminário ocorrerá no dia 28 de junho de 2011, de 14 às 21 horas, na UERJ (Rua São Francisco Xavier, 524, Maracanã - 9º andar, auditório 91).

SOS saúde!

Pela unificação das lutas!

CARTAZRIO.jpg

18.6.11

Comunicado do Paciente Psiquiátrico

Infelizmente NÃO PODEREI FAZER PUBLICAÇÕES REGULARES aqui no PACIENTE PSIQUIÁTRICO nos próximos dias.

Ultimamente não tenho tido dinheiro para acessar computadores com Internet rápida, e isso dificulta muito minha possibilidade de acesso.

E ultimamente eu tenho estado muito dependente financeiramente, dependendo da caridade de parentes. Preciso devotar o MÁXIMO DE TEMPO POSSÍVEL para recuperar minha dignidade e por fim conseguir DE VEZ uma independência financeira.

Neste ano eu perdi dois grandes amigos mortos e também as pessoas mais velhas de minha família, o que me fez refletir:

Precisamos fazer alguma coisa por nossos parentes enquanto eles ainda estiverem vivos.

Planejo, por exemplo, conseguir uma prótese para minha mãe, para que ela possa comer com facilidade nos últimos dias de sua vida.

Ademais caí na real que preciso conseguir uma posição mais notória na sociedade para que minhas reivindicações em pró dos pacientes psiquiátricos sejam levadas mais a sério.

(Já que no estado atual das coisas o único direito do paciente psiquiátrico é engolir comprimidos. E infelizmente eu senti na pele que os doutores nem sequer levam a sério a lei 10216.)

Nos próximos 6 meses estarei trabalhando e estudando o MÁXIMO POSSÍVEL, portanto só devo fazer publicações aqui na página semanalmente ou mesmo quinzenalmente.

Agradeço muito a LOUCA PELA VIDA por tudo que ela fez aqui. E que se sinta livre para colocar qualquer coisa, o que eu considerarei uma grande gentileza.

E agradeço a todos que tem acompanhado a página PACIENTE PSIQUIÁTRICO, não importa qual seja a opinião.

E garanto que após este período as publicações voltarão ainda BEM MELHORES e mais informativas.

17.6.11

Cartum: Liberdade de pressão

Abaixo podemos ver o interessante cartum que fala sobre a "marcha da maconha".


É de minha coleção de cartuns pessoais, portanto não repare, pois está um pouco amassado...

14.6.11

Homossexualidade no Islam

A página abaixo fala sobre a Sexualidade no Islam.

Sexualidade no Islam

Acho que estamos vivendo um momento SÉRIO de preconceitos religiosos e é super importante divulgar o que os religiosos REALMENTE dizem sobre sexualidade.

Abaixo vemos a opinião do Islam sobre homossexualidade, copiado da página mencionada acima. Leia que é IMPORTANTÍSSIMO para não ficar no preconceito.

A homossexualidade

O Islam proíbe a pratica da homossexualidade seja entre homens ou mulheres, e a considera pecado grave.

Disse Allah no Quran:

‘ E Lot, quando disse a seu povo: ‘ Vós achegais à obscenidade, em que ninguém, nos mundos, se vos antecipou!’ Por certo, vos achegais aos homens (alusão as praticas homossexuais, disseminadas entre o povo de Lot), por lascívia ao invés de às mulheres. Sois, aliás, um povo entregue a excessos. ’ (7 :80, 81)

‘ Vos achegais aos varões deste mundo?’ ‘ E deixais vossas mulheres, que vosso Senhor criou para vós? Mas, sois um povo agressor. ’ (26 :165, 166)

‘ E lembra-lhes de Lot, quando disse a seu povo: ‘ Vós achegais à obscenidade, enquanto a enxergais claramente? ‘ ‘ Por certo, vos achegais aos homens, por lascívia, em vez de às mulheres! Alias, sois um povo ignorante. ‘ (27:54, 55)

Estes versículos se referem à sociedade do Profeta Lot (as) que Allah enviou para que advertisse seu povo sobre seu errôneo proceder, mas eles ignoraram tais advertências, e como conseqüência Allah ordenou a Lot (as) a abandonar a cidade junto com sua família, e logo o povo de Sodoma foi destruído em sua totalidade por causa de sua incredulidade e da prática da homossexualidade.

O Islam proíbe as práticas homossexuais, mas não busca perseguir aqueles com tais inclinações, somente recomenda a quem sinta esse tipo de desejo que tomem como uma enfermidade e um desvio, e busquem a ajuda de um guia espiritual ou de um profissional, para poder assim controlar e curar ditas inclinações.

13.6.11

Vanessexual

VANESSEXUAL
Você é a mais bela que existe
Mais por que meu coração insiste
Se você mesma me disse
Que eu não tenho esperança?

Estaria minha audição equivocada?
Você disse que por mim está apaixonada!
Será que minha visão me faz de bobo?
Pois, você me olha com um desejo louco!

Você é parte permanente de meus sonhos
Estando eu acordado ou dormindo
Já faço parte do time de bisonhos
De quem você está sempre fugindo

Eu não sinto atração nem por macho, nem por fêmea
Pois, não sou homo, bi nem heterossexual
Só sinto atração por minha doce alma gêmea
Só a Vanessa me atrai, sou VANESSEXUAL!
Data: 2004

12.6.11

Preciso de Ti, Ó Borboleta... (AS VANESSAS)

Preciso de Ti, Ó Borboleta...
Por mais que eu tente fugir
Não consigo reagir
Por mais que eu tente disfarçar
Meu olhar apaixonado logo vem a me entregar

Ele implora, ele pede, mesmo sem eu perceber
Deixando bem claro meu desejo de te Ter
Eu tento buscar em outro olhar
Alguém que possa um dia tomar teu lugar

Porém, como um inseto não resiste a luz
Tua beleza, tua boca, logo, logo, me seduz
Não se pode o sol mirar
E tu es o sol a meus olhos ofuscar

Antes que minha vida esvaesça
Eu preciso da Vanessa
Eu preciso de ti, ó borboleta
Não se esqueça!
Data: 2005

11.6.11

Vous Aimer (Poema em francês da coleção AS VANESSAS)

Vous Aimer
Quell’est l’avantage de vous aimer ?
Lorsque ma vie est toute échouée ?
Vous ne me laisse pas montrer ma caresse
Tandis que moi, j’hesite a montrer tendresse

De toute façon ma vie a une raison d’être
Même que par une rélation qui réfuse a naître
Je ne peux pas dormir a cause de vous
Je suis votre niais et je deviens fous

Fou de joie, parce que je peus vous regarder !
Ne me croyez pas si cet amour je nier
Le desespoir me peux faire dire telle bêtise

C’est la peur de vous perdre, d’une pour fois pour toutes
Bien que je ne vous ai eu jamais, sans doute
Mais, si au moins je pouvais avoir votre bise...
Data : 2005
Traduziremos agora o poema francês VOUS AIMER, que em português é AMAR VOCÊ.

AMAR VOCÊ
Qual é a vantagem de amar você?
Ao passo que minha vida está toda desgraçada?
Você não me deixa mostrar minha gentileza
Enquanto que eu hesito a mostrar meu carinho

De qualquer forma, minha vida tem uma razão de ser
Mesmo se por causa de uma relação que se recusa a nascer
Eu não posso dormir por causa de você
Eu sou o seu tolo e estou ficando louco

Louco de alegria, pois posso te olhar!
Não acredite se esse amor eu negar
O desespero pode me fazer dizer tal tolice

É o medo de te perder, de uma vez por todas
Se bem que eu nunca te tive, sem dúvida
Mas, se ao menos eu pudesse ter seu beijo...
Data: 2005

10.6.11

Soneto da Desilusão (Coleção AS VANESSAS)

Soneto da Desilusão
O que poderia ser um lindo sonho dourado
Acaba com meu coração sendo pisado
E você que às vezes finge ser tão indiferente
Talvez apenas busque alguém mais influente

Você por sua vez sai com seu par
E eu por minha vez saio com o meu
De um príncipe encantado a um simples plebeu
Desiludido, magoado e ainda por cima ateu

O fim desta história só pode ser triste
Pois, felicidade sem amor não existe
Você só poderá estar chorando na opulência

Enquanto eu choro no meio de poemas
Você chora com seu eterno dilema
Pois, o príncipe (Ah, o príncipe!) perdeu sua excelência.

Data: 26/03/2004

9.6.11

Cultura e Contrastes: Holanda Gay, Brasil Cristão

Agradeço muito os comentários da Edileuza, LOUCA PELA VIDA, que são muito enriquecedores.

Acho que vale a pena RESPONDER o que ela colocou.

Alguns países não aceitam homossexualidade por estar contra sua cultura. Devemos respeitar. Cada povo tem sua cultura que deve ser respeitada.

Veja onde homossexualidade é ILEGAL. De acordo com a página do site AVERT homossexualidade é ilegal em países com AFEGANISTÃO, ALGÉRIA, ANGOLA, BANGLADESH, BARBADOS, BUTÃO, BOTSWANA... entre outros...

Da mesma forma que na cultura do Brasil a maconha é ilegal e é TOTALMENTE legal na Holanda.

Uma coisa é eu dizer que sou a favor da legalização das drogas, outra bem diferente é querer IMPOR um kit nas escolas mostrando pessoas fumando e se drogando e tentando passar a ideia de que é super normal e que todo mundo tem aceitar.

Assim como a planta da maconha cresce como arbusto ou erva daninha livremente nas beiras de estradas e ruas do Butão, e ninguém se escandaliza por isso lá, por ser parte da cultura deles. Cada um com sua cultura.

Gostando ou não, temos que encarar o fato de que o Brasil é o maior país católico do mundo, e é um dos maiores países protestantes.

O povo brasileiro DE FORMA ALGUMA está a favor do kit anti-homofobia, que só é defendido por uma minoria. Basta fazer uma sondagem que você vai ver.

Na Holanda o uso da maconha é regularizado, da mesma forma como lá os gays têm todos os direitos. A Holanda é considerada o MAIOR PAÍS GAY DO MUNDO.

(Ao passo que o Brasil é o maior país católico, como já disse. Provavelmente o maior país cristão do mundo. Que contraste!! Seria mais justo e coerente criar uma lei de defesa dos direitos dos religiosos aqui no Brasil, onde a variedade de cultos talvez seja maior que em qualquer outra parte do mundo!)

Sem falar que na Holanda a educação é levada muito a sério, bem diferente do Brasil.

Lá a coisa não foi colocada à força, como tentaram fazer no Brasil.

Como vamos colocar kits anti-homofobia em escolas públicas antes de melhorar o acesso a educação e a cultura? Seria absurdo, seria hipocrisia.

Sem mencionar que esses kits brasileiros NÃO TEM a boa qualidade dos kits dos outros países mais avançados.

8.6.11

Lei 10216 - Lei de Brincadeirinha?

Ao ver-me ultrajado no CAPS eu que frequentava fui procurar ajuda LEGAL, com advogados. Quebrei a cara e percebi o quanto eu era ingênuo. Nenhum advogado sequer conhecia a lei.

Depois no mesmo CAPS me foi negado PRESENÇA MÉDICA. Um sério desrespeito a famigerada Lei 10216. De novo decidi procurar a justiça.

Aí é que a ficha caiu.

Essa lei 10216 NÃO TEM NENHUMA PUNIÇÃO PARA QUEM A DESRESPEITA.

Daí ficou CLARO porque funcionários de saúde mental a desrespeitam com tanta cara de pau.

E eles gostam de exibir a lei que protege o funcionário público. Afinal, ESSA LEI tem punição para quem a desrespeita.

Com todo o respeito a quem fez a Lei 10216:

Está na hora de criar PENAS para quem a desrespeita, senão fica sendo uma lei de faz-de-conta, uma lei de mentirinha, uma brincadeirinha para enrolar paciente psiquiátrico.

7.6.11

A Bíblia, O Alcorão, Os Gays, A Psiquiatria, A Psicologia E A Hipocrisia

Quando falamos de Movimento Gay e de religiosos é importante observar que há um certo radicalismo e uma certa intolerância, tanto da parte do Movimento Gay quanto da parte dos religiosos.

É importante que os religiosos observem que a Bíblia condena a promiscuidade e não a homossexualidade. É a mesma coisa com o Alcorão. A palavra homossexual NÃO SE ENCONTRA EM NENHUMA PARTE DA BÍBLIA, E MUITO MENOS NO ALCORÃO.

É importante ver que muitos gays vivem casamentos SÉRIOS, sem a menor promiscuidade. Por outro lado muitos casais heterossexuais são promíscuos. A Bíblia apenas mencionou relacionamentos homossexuais onde havia PROMISCUIDADE.

Também é importante que psicólogos e psiquiatras deixem de hipocrisia e parem de querer passar a ideia de que homossexualidade é totalmente normal.

Da mesma forma que eu digo aos religiosos que não se encontra a palavra homossexual na Bíblia eu digo aos psicólogos e psiquiatras que a palavra HOMOSSEXUAL nasceu para descrever uma ANORMALIDADE.

Como já afirmei aqui, se homossexualidade fosse normal seria possível ter filhos através de relações homossexuais. Porém não é ERRADO ser homossexual, nem de acordo com a Bíblia.

(O religioso que quiser discutir isso comigo, queira por favor mostrar a palavra homossexual na Bíblia.)

É importante vermos que homossexualidade é um tanto parecido com HERMAFRODITISMO. O hermafrodita nasceu com umas anormalidades físicas. Ou seja, algum religioso poderia condenar um hermafrodita? Cabe somente ao hermafrodita decidir se vai ser homem ou mulher.
]
Da mesma forma é o caso do homossexual. O homossexual nasceu com a cabeça de uma condição sexual e com o corpo de outra. Quem poderia condená-los? Daí eu digo que tanto homossexualidade quanto hermafroditismo são deficiências.

Ou será que algum psicólogo vai tentar dizer que hermafroditismo é totalmente normal?

Na verdade o homossexual tem várias desvantagens: não pode ter filhos através de suas relações, tem um número reduzido de parceiros disponíveis, já que a maioria é heterossexual.

Quanto ao transexual, esse teve a desvantagem de nascer com os membros sexuais de um sexo que não é o seu.

Portanto é um direito legítimo do homossexual o CASAMENTO LEGAL (não apenas união civil) e a adoção de crianças.

E sem dúvida nenhuma é necessário algum recurso legal para facilitar a entrada no mercado de trabalho de TRANSEXUAIS.

Ou, na verdade, mais do que isso. Um transexual deveria ser reconhecido LEGALMENTE. Ou seja, a pessoa que fez operação para ser mulher, por exemplo, deveria ter o direito de ser registrada com nome de mulher e ter na identidade ESPECIFICADO sexo feminino.

Daí que é realmente necessário que sejam reconhecidos os direitos dos homossexuais.

6.6.11

Cotas para heterossexuais no Conselho de Psicologia do Brasil

Depois de vermos a psicóloga Rozangela Alves Justino sendo perseguida e CASSADA e depois de vermos tentativas de cassação contra o psicólogo Silas Malafaia observamos o seguinte:

Ambos são heterossexuais e defendiam ideias heterossexuais no Conselho de Psicologia.

Daí que vale a pena pensarmos seriamente:

Para que haja IMPARCIALIDADE nas decisões do Conselho de Psicologia do Brasil não seria necessário uma COTA para heterossexuais?

Vamos pensar nisso.

5.6.11

Kits Anti-homofobia do Brasil e da Espanha - Compare

Abaixo temos a lista de reprodução com vídeos sobre homofobia do Brasil e da Espanha.

Veja e tire suas próprias conclusões.



Observe que o kit da Espanha é direto e REPROVA atos homofóbicos, REPROVA a violência. O vídeo da Espanha é um vídeo super educativo.

Porém, ao olharmos o vídeo brasileiro não dá para não achar que ele banaliza a sexualidade e faz PROPAGANDA da homossexualidade e praticamente ENSINA os jovens a serem GAYS.

Sem dúvida o vídeo brasileiro é TENDENCIOSO.

É IMPORTANTÍSSIMO VER ESSES VÍDEOS PARA TER UMA OPINIÃO JUSTA SOBRE O ASSUNTO.

4.6.11

Mais um poema para Vanessa

A VIDA É...
Um sonho com Vanessa
Desejos por Vanessa
Saudades de Vanessa
Pesadelo sem Vanessa...

O CÉU SERIA...
Estar juntinho à Vanessa
Ser beijado pela Vanessa
Estar sobre a Vanessa
E também lá na Vanessa

Data: 2005

1.6.11

O Inglês Falado Na Índia e Nas Filipinas

O Inglês Falado Na Índia e Nas Filipinas

Na Índia as línguas oficiais são o híndi e o inglês. Porém cada região tem seu dialeto.

Já nas Filipinas a língua oficial sempre foi o tagalo, porém os ocidentais chegaram e aí os filipinos passaram a falar o inglês, também. Porém o inglês entrou devido ao imperialismo estrangeiro, dos Estados Unidos.

Nem é preciso dizer que o inglês também entrou na Índia pelos imperialistas ingleses.

Nas Filipinas realmente se fala inglês, mas a língua preferida familiarmente é o tagalo, chamado por muitos de filipino depois de receber várias palavras do espanhol e do inglês.

Na índia o inglês NÃO é falado por todos, como muitos acreditam. Eu conversei com um amigo indiano e ele me confidenciou que o inglês é falado mais por pessoas de melhor situação.

E nas Filipinas, numa época, criaram uma lei para punir quem escrevesse ou falasse inglês errado!

Enfim, o inglês praticamente se impôs como língua nessas regiões. Uma pena.

29.5.11

I Used To Love Her - Guns N' Roses - Letra, Vídeo e Tradução



I used to love her – Guns N’ Roses Lyrics

I used to love her, but I had to kill her
I used to love her, but I had to kill her
I had to put her
Six feet under
And I can still hear her complain

I used to love her, but i had to kill her
I used to love her, but I had to kill her
I knew I’d miss her
So I had to keep her
She’s buried right in my back yard


I used to love her, but I had to kill her
I used to love her, but I had to kill her
She bitched so much
She drove me nuts
And now I’m happier this way

I used to love her, but I had to kill her
I used to love her, but I had to kill her
She bitched so much
She drove me nuts
And I can still hear her complain

Eu a amava – Tradução da canção I used to love her, da banda Guns N’ Roses

Eu a amava, mas eu tive que matá-la
Eu a amava, mas eu tive que matá-la
Eu tive que colocá-la
A sete palmos
E eu ainda a ouço reclamar

Eu a amava, mas eu tive que matá-la
Eu a amava, mas eu tive que matá-la
Eu sabia que ia sentir saudades dela
Então eu tive de mantê-la
Ela está enterrada bem no meu quintal

Eu a amava, mas eu tive que matá-la
Eu a amava, mas eu tive que matá-la
Ela enchia tanto o saco
Ela me deixava louco
E agora eu estou mais feliz desta maneira

Eu a amava, mas eu tive que matá-la
Eu a amava, mas eu tive que matá-la
Ela enchia tanto o saco
Ela me deixava louco
E eu ainda a ouço reclamar

28.5.11

OS GAYS E A BÍBLIA

Frei Betto: A Igreja não tem o direito de encarar ninguém como homo ou hétero


por Frei Betto, em Amai-vos
É no mínimo surpreendente constatar as pressões sobre o Senado para evitar a lei que criminaliza a homofobia. Sofrem de amnésia os que insistem em segregar, discriminar, satanizar e condenar os casais homoafetivos.
No tempo de Jesus, os segregados eram os pagãos, os doentes, os que exerciam determinadas atividades profissionais, como açougueiros e fiscais de renda. Com todos esses Jesus teve uma atitude inclusiva. Mais tarde, vitimizaram indígenas, negros, hereges e judeus. Hoje, homossexuais, muçulmanos e migrantes pobres (incluídas as “pessoas diferenciadas”…).
Relações entre pessoas do mesmo sexo ainda são ilegais em mais de 80 nações. Em alguns países islâmicos elas são punidas com castigos físicos ou pena de morte (Arábia Saudita, Irã, Emirados Árabes Unidos, Iêmen, Nigéria etc).
No 60º aniversário da Decclaração Universal dos Direitos Humanos, em 2008, 27 países membros da União Europeia assinaram resolução à ONU pela “despenalização universal da homossexualidade”.
A Igreja Católica deu um pequeno passo adiante ao incluir no seu Catecismo a exigência de se evitar qualquer discriminação a homossexuais. No entanto, silenciam as autoridades eclesiásticas quando se trata de se pronunciar contra a homofobia. E, no entanto, se escutou sua discordância à decisão do STF ao aprovar o direito de união civil dos homoafetivos.
Ninguém escolhe ser homo ou heterossexual. A pessoa nasce assim. E, à luz do Evangelho, a Igreja não tem o direito de encarar ninguém como homo ou hétero, e sim como filho de Deus, chamado à comunhão com Ele e com o próximo, destinatário da graça divina.
São alarmantes os índices de agressões e assassinatos de homossexuais no Brasil. A urgência de uma lei contra a homofobia não se justifica apenas pela violência física sofrida por travestis, transexuais, lésbicas etc. Mais grave é a violência simbólica, que instaura procedimento social e fomenta a cultura da satanização.
A Igreja Católica já não condena homossexuais, mas impede que eles manifestem o seu amor por pessoas do mesmo sexo. Ora, todo amor não decorre de Deus? Não diz a Carta de João (I,7) que “quem ama conhece a Deus” (observe que João não diz que quem conhece a Deus ama…).
Por que fingir ignorar que o amor exige união e querer que essa união permaneça à margem da lei? No matrimônio são os noivos os verdadeiros ministros. E não o padre, como muitos imaginam. Pode a teologia negar a essencial sacramentalidade da união de duas pessoas que se amam, ainda que do mesmo sexo?
Ora, direis ouvir a Bíblia! Sim, no contexto patriarcal em que foi escrita seria estranho aprovar o homossexualismo. Mas muitas passagens o subtendem, como o amor entre Davi por Jônatas (I Samuel 18), o centurião romano interessado na cura de seu servo (Lucas 7) e os “eunucos de nascença” (Mateus 19). E a tomar a Bíblia literalmente, teríamos que passar ao fio da espada todos que professam crenças diferentes da nossa e odiar pai e mãe para verdadeiramente seguir a Jesus.
Há que passar da hermenêutica singularizadora para a hermenêutica pluralizadora. Ontem, a Igreja Católica acusava os judeus de assassinos de Jesus; condenava ao limbo crianças mortas sem batismo; considerava legítima a escravidão e censurava o empréstimo a juros. Por que excluir casais homoafetivos de direitos civis e religiosos?
Pecado é aceitar os mecanismos de exclusão e selecionar seres humanos por fatores biológicos, raciais, étnicos ou sexuais. Todos são filhos amados por Deus. Todos têm como vocação essencial amar e ser amados.  A lei é feita para a pessoa, insiste Jesus, e não a pessoa para a lei.

Fonte: Vi o mundo